Pub

hernani

O novo bastonário da Ordem dos Advogados de Cabo Verde, Hernâni de Oliveira Soares, alertou este sábado, 7 de dezembro, para as consequências da multiplicação de advogados e advogados estagiários nos últimos dez anos, assumindo a necessidade de melhorar as condições da classe.

Licenciado em Direito pela Universidade Nova de Lisboa desde 2005, Hernâni de Oliveira Soares, 38 anos, foi empossado hoje, na Praia, como sexto bastonário em 19 anos da Ordem dos Advogados de Cabo Verde (OACV), num mandato de três anos (2020/2022).

À margem da tomada de posse, o advogado, que exerce desde 2008, identificou à Lusa as principais dificuldades que a classe atravessa, começando pela multiplicação de profissionais no país.

“Para nós, o principal problema que os advogados enfrentam tem a ver com a massificação tanto de advogados como de advogados estagiários. Isso cria um desafio enorme de conseguir a união e reforço da classe, em dez anos temos mais de dez vezes o número de advogados. Mas também traz problemas sociais, a nível de tributação dos advogados que são considerados todos como empresas e são obrigados a ter contabilidade organizada”, explicou.

Afirma que este modelo é “penalizante” para os advogados, que estão sujeitos ao regime de trabalhador por conta própria, em que a “taxa de desconto [para a Segurança Social] é elevada”, de 19,5%.

“Vamos continuar a reforçar as condições necessárias para que os advogados possam exercer a sua nobre função de defesa dos direitos, liberdades e garantias dos cidadãos, porque, só desta forma poderemos edificar uma Ordem cada vez mais forte, independente, eficiente e prestigiada”, assegurou ainda.

Em Cabo Verde estão inscritos na Ordem 457 advogados e as eleições realizadas em 15 de novembro contaram com uma única lista candidata, liderada, para o cargo de bastonário, por Hernâni de Oliveira Soares, que diz estar consciente das “expectativas" que rodeiam a sua tomada de posse e as “responsabilidades” que tem pela frente.

“Estamos bem cientes das dificuldades que iremos encontrar, resultantes de uma conjugação de fatores já sabido por todos, mas não reconhecido por todos”, apontou ainda.

Natural da ilha de São Vicente, Hernâni de Oliveira Soares foi secretário geral do conselho superior da OACV no mandato anterior.

“Sou um advogado que conhece a casa e conheço os desafios e problemas da advocacia, fazendo a ponte entre a antiga escola e a nova escola da advocacia cabo-verdiana, sendo que tenho o respeito de todos”, afirmou à Lusa.

Dignificar a Justiça, a advocacia e os advogados, continuar o reforço da unidade da classe, assegurar o respeito dos direitos e garantias do advogado, “procurando a igual dignidade para os advogados e magistrados”, defender o “cumprimento rigoroso e escrupuloso das regras que regulam o exercício da advocacia” e assim combater “a procuradoria ilícita” são alguns dos objetivos do mandato que hoje iniciou.

O novo bastonário promete ainda o “envolvimento total” da OACV na “consolidação do Estado Democrático de Direito”, promovendo a participação dos advogados no processo legislativo, “contribuir para a realização efetiva da justiça e com celeridade”, reforçando também a qualidade do apoio judiciário, e promover “ações que contribuam para uma maior convivência dos advogados e advogados estagiários”.

Com Lusa

 



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Cidadao 11-12-2019 10:29
O problema pode nao ser tanto a quantidade. Mas sim a gritante falta de qualidade de muitos desses novos dvogados, que escolheram a profissao nao por vocacao mas sim por dinheiro qto mais facil melhor.
Responder
+1 # Uhum! 10-12-2019 12:46
Lendo e entendendo vejo que o problema não está no aumento da quantidade dos advogados, que eles sejem cada vez mais qualificados. O problema está em querer criar uma casta acima de tudo e de todos, dominando sobre os demais...
Responder
+1 # toto 08-12-2019 16:14
O bastonário esta preocupado pela concorrência e disse massificação !!!
Responder
+2 # JB 08-12-2019 01:36
Como assim? nao quer que mais filhos tenham um ganha pao honesto e decente. Porque pensa que outros nao possam seguir a frente na linha que quiserem. Quer exclusividade. Prepare-se para competir no mercado e deixa de falar asneiras.
Responder
0 # toto 07-12-2019 21:06
exerce em SV ?
Responder