Pub

Monica Brava

Mónica Santiago (foto), de 27 anos, faleceu durante o processo de evacuação para a ilha do Fogo, na noite de sábado passado. Os familiares e a população da Brava estão indignados com o que consideram ser um descaso das autoridades e ameaçam protestar com uma manifestação pública, sábado que vem, 9 de março.

A manifestação será sobretudo voltada pela falta de transporte de e para a ilha da Brava, particularmente para responder a casos de emergências, como a evacuação de doentes, que acontece com mais frequência.

Assim, o povo da Brava quer “chamar a atenção do Governo e as demais autoridades do país, para que estes analisem a situação que a ilha está enfrentando”, sobretudo a nível de transportes inter-ilhas.

Edília Gonçalves, irmã da vítima afirmou perante a imprensa que nem a ambulância havia para transportar a vítima, que acabaria por ser conduzida para o porto da Furna numa viatura particular, oferecida pelo proprietário de um minimercado.

A complicar ainda mais a situação pesou as más condições no trajeto Brava/Fogo.

Entretanto, num comunicado, a Delegacia de Saúde, declara ter feito tudo ao seu alcance para salvar a vida da parturiente e do seu bébe.

O delegado de Saúde da Brava, Carlos Dias, assegurou ainda que a parturiente não tinha antecedentes obstétricos e não era considerada uma grávida de risco.

Todavia, durante o parto, Mónica teve complicações com paragem de progressão fetal, e quando assim é a solução é a realização de uma cesariana.

As péssimas condições climatéricas também contribuíram para o desfecho fatal, pois o barco teve sérias dificuldades em atracar e só veio a conseguir na terceira tentativa, porém tarde para salvar a vida da Mónica e do seu bebé.

Casos do tipo são sempre dramáticos e levantam muitas questões no imaginário coletivo. O Ministério da Saúde e da Segurança Social (MSSS), por seu turno, já informou que vai avançar com uma auditoria técnica para apurar os factos relacionados com esta tragédia e assim assacar responsabilidades.



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar