Pub

Luanda Angola

Ao todo são 3 mil observadores, angolanos e estrangeiros, para acompanhar as eleições de 23 de Agosto próximo em Angola. Pedro Pires e José Maria Neves integram a missão.

A Comissão Nacional Eleitoral de Angola (CNE) espera 3 mil observadores eleitorais no país durante as eleições gerais de 23 de Agosto. O Jornal de Angola diz que a Comissão Nacional de Eleições já começou a enviar os convites para os observadores estrangeiros, onde se destacam o ex-presidente da República de Cabo Verde, Pedro Pires, e o ex-primeiro ministro José Maria Neves.

De acordo com a mesma fonte, o governo, a Assembleia Nacional e os partidos políticos apresentaram uma lista ilimitada de observadores para acompanhar o escrutínio que vai escolher o novo presidente de Angola, a substituir José Eduardo dos Santos – a lei eleitoral angolana permite também que instituições, organizações e indivíduos proponham missões de observação.
angola eleições
"O presidente José Eduardo dos Santos convidou a União Africana, a União Européia, a SADC, a ECCAS e a CPLP, bem como entidades individuais, como ex-presidentes Lucas Pohamba (Namíbia), Ramos Horta (Timor Leste), Pedro Pires (Cabo Verde) Joaquim Chissano (Moçambique), Manuel Pinto da Costa (São Tomé e Príncipe), John Mohama (Gana) e José Maria Neves (ex-primeiro-ministro de Cabo Verde) ", disse a porta-voz da CNE, Julia Ferreira.

Já no país estão as delegações do Conselho Consultivo Eleitoral da SADC e da União Africana (UA) que estão em uma missão de avaliação para se preparar as próximas eleições gerais, em que além de deputados nacionais vai se votar ainda para o presidente da república..

Existem seis candidatos presidenciais em disputa. Mas a concorrência maior é entre o candidato do partido no poder (MPLA), João Lourenço, e o candidato principal da oposição (UNITA) Isaias Samakuva. Também concorre, pela CASA-CE, Abel Chivukuvuku.

 



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Jose António Martins 03-07-2017 13:56
Espero que estas eleições não venham ter desfechos iguais às de 1992. O MPLA desde sempre fez questão de eternizar no poder. Temo que a historia repita. Pedro Pires e Ze Maria Neves, como Observadores, é aberração sem precedente. Estes não são confiáveis. Os ex-ditadores e ex-governantes dos países da CPLP não podem ser Observadores. Angola não merece estar sob olhos desses anti-democráticos.
Responder
0 # Bartolomeu 04-07-2017 02:09
De acordo com o José Antonio martinz estes basta que o candidato do mpla ganhar para que as eleições fossem justas e. livres
Responder