Pub

Jovens

Três em cada dez jovens cabo-verdianos, a maioria mulheres, não trabalha nem estuda, segundo dados estatísticos sobre o emprego no país, relativos a 2018, que apontam ainda para a diminuição da população empregada.

De acordo com os resultados das Estatísticas do Mercado de Trabalho referente ao ano 2018, apresentados esta segunda-feira, 1 de abril, na cidade da Praia, três em cada dez jovens com idades entre os 15 e os 34 anos não tinham trabalho nem estavam a frequentar um estabelecimento de ensino ou formação.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) ressalva que, apesar da taxa de desemprego ser maior entre os jovens (27,8%), registou-se uma diminuição de 4,6 pontos percentuais face ao ano de 2017 (32,4%).

Uma das metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, definidos internacionalmente, é “reduzir substancialmente a proporção de jovens sem emprego, educação ou formação”.

Em 2018, Cabo Verde tinha 29.967 jovens, com idades de 15 a 24 anos, e 32.163, com 25 a 34 anos, que “não estavam a trabalhar e nem se encontravam a frequentar um estabelecimento de ensino ou de formação”, sendo a maioria mulheres (54,1%), segundo o mesmo estudo.

Com um número médio de nove anos de escolaridade, mais de três quartos estão disponíveis para trabalhar, independentemente de terem procurado ou não trabalho, e cerca de um terço está à procura de emprego há mais de um ano.

Os mesmos dados referem que a população empregada foi estimada em 195 mil pessoas, menos 8.775 do que no ano anterior, apesar de se ter registado um aumento da população com mais de 15 anos, ressalva o INE.

A taxa de emprego/ocupação situou-se em 48,8%, menos 3,1 pontos percentuais que a taxa registada em 2017 (51,9%).

O Sal e Boavista continuam a ser os concelhos do país com maiores taxas de emprego/ocupação, 68,8% e 62,6%, respetivamente. Ainda assim, registou-se uma diminuição face a 2017.

Em relação à população desempregada, ascendia em 2018 a 27.028 pessoas, menos 1.396 do que em 2017.

A taxa de desemprego em 2018 situou-se nos 12,2%, valor igual ao registado no ano anterior.

São Salvador do Mundo e Santa Cruz registam as maiores taxas de desemprego, 20% e 22% respetivamente, com os maiores aumentos face a 2017 (9,7 pontos percentuais e 15,8 pontos percentuais).

A taxa de subemprego, que envolve ativos empregados que, na semana de referência, trabalharam menos que 35 horas nas atividades que exerceram e que declararam estar disponíveis para trabalhar mais horas, caso tivessem encontrado uma outra atividade, foi estimada em 14,7%, sendo maior no meio rural: 22%.

Santa Catarina do Fogo apresenta a menor taxa de desemprego (3,2%), mas a maior taxa de subemprego do país: 41,3%.

O INE estima um aumento da população inativa em 17.403 pessoas, passando de 160.157 em 2017 para 177.560 em 2018 e, consequentemente, da taxa de inatividade, que passou de 40,8% em 2017 para 44,4% em 2018.

“A principal razão para a não procura de trabalho depende da idade, sendo a frequência escolar a principal razão entre os jovens 15-24 anos (64,5%) e o facto de considerarem que não há emprego entre os jovens 25-34 anos (40,6%)”, lê-se na nota do INE.

Com Lusa



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+1 # LTavares 02-04-2019 21:57
Aqui se faz, aqui se paga. UCS e MPD, estao a digerir o que nos fizeram engolir. Quem promete felicidade, ou é um GRANDE BOBO ou pisou outros planetas e nunca CABO VERDE. Alias a maioria do pessoal que tomou a nossa politica de assalto, sao meros paraquedistas é nisso que da tanta irresponsabilidade. Um País sem recursos, quando a nossa divida ultrapassa o limite e os que governam este País, prometem aeroporto internacional para o Maio, aeroporto para Brava, aeroporto para Santo Antao e muitas outras obcenidades eu acho que o País de facto precisa email de um SANATORIO para todo esses paraquedistas da nossa politica e para mim tambem. Haja juizo!
Responder
0 # PJLopes 02-04-2019 12:20
Sete em cada dez trabalha ou estuda.Assim o tìtulo seria menos negativo. Não acha SM? Tenha mais cidadania! Aqui se faz, aqui se paga.
Responder
+1 # Daniel Carvalho 02-04-2019 07:51
Um dado que eu gostaria de ter com segurança, é de entre esses jovens "desocupados" qual é a percentagem que abandonou os estudos por insuficiência económica das famílias. É que de há muito venho alimentando uma ideia de que os sucessivos Governos da República, enquanto gestores dos negócios do Estado de Cabo Verde, não têm dado a devida atenção à nossa juventude.
A título de exemplo, a propina que se pratica na Uni-CV, a universidade pública de Cabo Verde praticamente igual ao salário mínimo estipulado que ainda assim muitas famílias não auferem, é absolutamente proibitivo. Esta questão é muito séria, pois quando a Juventude se despertar, Cabo Verde tremerá com risco de responsabilização directa de decisores nacionais.
Responder
0 # Augusto Borges 06-04-2019 18:44
O governo apenas contribui com 34%. Para um funcionamento efetivo a universidade precisa de 64%. A universidade não privilegia apenas ensino, mas tem outras prioridades como investigação e extenção. Para uma universidade que ainda está a dar os primeiros o governo devia apostar mais no ensino superior. A maior vítima do abandono do ensino superior pelo governo é a ilha de Santiago.
Responder