Pub
Por: César Schofield Cardoso

césar cardoso

Pela primeira vez o Ministro da Cultura e das Indústrias Criativas (MCIC) da República de Cabo Verde prejudica diretamente a minha vida profissional. É um evento de toda a gravidade a várias dimensões!

Tendo sido convidado a produzir uma série fotográfica por um jornal estrangeiro que, junto com um jornal em Cabo Verde, está a desenvolver um trabalho sobre a Morna, em que o MCIC apoia ou co-patrocina, ao tomar conhecimento do meu envolvimento no projeto, o Ministro da Cultura e das Indústrias Criativas da República de Cabo Verde, opõe-se aberta e despudoradamente, alegando que sou não-alinhado com o Governo!!..Que não concorda com a minha indicação, sem explicitar nenhuma razão objectiva, a não ser esse “não-alinhamento”. Vamos a ver onde já chegamos!

Para esse trabalho fui indicado por uma curadora internacional que já trabalhou comigo e que de mim guardou boas referências. Fui também indicado por pessoas em Cabo Verde, que forneceram as melhores referências. Para esse trabalho, em conversa franca com o editor do referido jornal, expliquei as diferenças entre o meu trabalho artístico, de forte pendor político, e do meu trabalho por encomenda, o qual tenho feito e tento ser o mais aprimorado possível. Para esse trabalho, o editor do referido jornal, que acredito que tenha as mais elevadas preocupações com a qualidade, não tendo experiência de trabalhar comigo, apostou na minha sensibilidade, franqueza, experiência e nas referências dadas. Poderia o jornal, com o seu gabarito, avançar na mesma com as negociações comigo, que até já estavam no ponto de acertar detalhes de produção? Podia sim, mas alguém está para indispor um governante de outro país? Não e nem eu próprio aconselharia.

Sr. Ministro da Cultura da República de Cabo Verde - país de onde sou nascido, criado e cidadão - eu vivo exclusivamente do meu trabalho. Não tenho participação em Conselhos de Administração, não sou financiado pelo Estado de Cabo Verde, não tenho riquezas herdadas e outras fontes de rendimento. Sou fotógrafo, videógrafo e desenvolvedor Web independente. Nessas áreas que referi, luta-se todos os dias por trabalho, por sobrevivência e mal conseguimos ganhar para outros luxos que não sejam viver. A sua interferência é pessoalmente grave, além de outras considerações, como sejam a sua postura enquanto dirigente do Estado e do sector onde tento trabalhar. Além de interferir diretamente com as escolhas de órgãos de comunicação social, pondo em causa o trabalho dos editores, condiciona o trabalho de um profissional e logo da sua sobrevivência. A sua postura faz lembrar censura, centralismo, dirigismo e mais outros atributos normalmente atribuídos a regimes totalitários.

Falando de alinhamento, espera o Governo que os seus cidadãos sejam “alinhados”?! Espera o Governo que não hajam vozes críticas, por mais erradas que as considerem? “Alinhamento” não é um termo demasiado ideológico, redutor e totalitário? Até a data de hoje, sempre vangloriei a “liberdade de expressão” em Cabo Verde, ou pelo menos a “tolerância de expressão”. Mas, pelos vistos, o exercício da opinião vem com uma pesada fatura. Uma fatura que interfere diretamente com a nossa vida, com o nosso ganha-pão. Por diversas vezes, políticos de ambos os lados, imbuídos do seu empoderamento que os cargos lhes dão, torceram o nariz ou indispuseram-se claramente com as minhas opiniões. Mas nunca se tinha desenhado um cenário objetivo de violência simbólica como esse. Mesmo tendo consciência das intrigas e envenenamento social de que sou alvo, nunca me senti claramente prejudicado, como estou a sentir-me agora.

Mas a razão de ser dessa situação é derivada de um sector em que, apesar de haver instituições e dessas instituições à partida terem dirigentes, o Ministro ocupa-se diretamente dos mais pequenos detalhes. É um centralismo absoluto. É uma gestão pessoal e pessoalizada, que não se coíbe de ter critérios baseados em simpatia com este e aquele, ou, pelo cúmulo, do “alinhamento” deste ou aquele. É tão sintomática também de um sector sem segurança jurídica e sem solidariedade de classe. É um sector onde o Ministro, tal como um senhor feudal, tem poder absoluto.

Sr. Ministro, eu nunca fui alinhado e duvido que venha a sê-lo em algum momento da vida. Sou politizado, que é completamente diferente de ser partidarizado, sou engajado, sou de esquerda, sou direto, não tenho rodeios e vivo pelas minhas escolhas. Sou opinativo desde criança e isso já as pessoas crescidas diziam-me. Tive e tenho a sorte de conviver com familiares e amigos que cultuam o desenvolvimento de espírito. Tenho a consciência de ser uma voz crítica, pelos vistos demasiado crítica para o seu gosto, mas também tenho pautado sempre a minha postura pelo mais elevado respeito pelas instituições da República. Não espero que concorde comigo, não espero vida facilitada e até tenho a consciência que as minhas opiniões, se não me prejudicam, também não abrem portas aqui neste burgo. O que não esperava é que fosse tão fácil condicionar-me o ganha-pão. É um evento grave pessoalmente, mas é um evento grave para um país que se diz moderno, progressista e respeitador dos direitos e liberdades individuais. É um evento que sinaliza uma distorção institucional, num país onde já devíamos estar libertos desse centralismo. É um evento grave porque informa-me que, por mais indicado que o meu trabalho seja, não importando a sua qualidade ou contribuição para o país, se depender de si, não trabalharei! No limite é um problema de direitos humanos.

Por fim, também tenho a consciência que a minha indignação não deslocará uma folha de árvore, porque é o status quo. É o momento de paralisia a que o sector foi votado. Mas, no mínimo saberá e outros saberão do tamanho da minha indignação, este texto terá, espero, um efeito auto-terapêutico e a partir de agora tenho a configuração clara do lugar onde estou. Um lugar não saudável.



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+7 # CHINESA 18-10-2019 08:48
INFELIZMENTE este ministro mostrou e tem se mostrado o ministro com menos preparo de toda a história da nossa jovem república. e o pior é que durante todo esse tempo ainda não ganhou nenhuma experiência. só sabe dar show de estrelismo! e mostrar aos demais que é MINISTRO ......... PACIENCIA #NuCordaCV
Responder
+12 # Atento 17-10-2019 20:54
Esses ministrinhos, diretorzecos de gabinete, presidentezecos de camaras podem pensar que que estão a vontade em fazem o que bem entenderem ... uma coisa é certa, BALA vai chover nesses bandidos !!!

Já começou com o Oscar Tavares a ser avisado ( da próxima vez que passares a linha vai ser um headshot! ) ... o Rafael está no caminho certo de levar uma bazukada ... podes ir brincando com as propriedades e direitos de pqp ... vamos deixar-te pensar que mandas ... mandaremos flores ...
Responder
0 # lino tavares 18-10-2019 15:02
mandem foto e endereço, vou enviar o meu nr de conta. 50 mil euros por cabeça
Responder
+12 # Ilitrius 17-10-2019 19:45
Não é que esse é o mesmo princípio proibitivo constante do famigerado código de ética da RTC. Está-lhe no cerne, no âmago. Mas, o Abraão que se ponha a pau porque "li ki é tapadinha". Hoji é sta la! Manhã é ka ta sta! Pé ka tem dúvida!
Responder
-18 # Alb 17-10-2019 19:14
Ui. Coitado do Cessar. Ficou indignado é? Coitadinho. Relaxa que isso passa.
Responder
+14 # SÓCRATES DE SANTIAGO 17-10-2019 18:36
Isto, a ser verdade, é de uma gravidade de todo tamanho. GRAVE, MUITO GRAVE! O nosso ministrinho Abraão virou mesmo Cabrão.
Responder
+14 # Atento 17-10-2019 18:14
Até onde chegamos. É gravíssimo num paíd que se vangloria de ser o mais democrático de África. Imagino se não fosse.
Responder
+8 # José Pedro Candeias 17-10-2019 18:56
Infelizmente o povo é que percebeu mal desde a primeira hora. O que o MpD prometeu infelicidade, e o povo dito eleitorado percebeu ao contrário. Mas, partindo do princípio qeu não era possível fazer tal oferta (seria o mesmo que encomendar o seu próprio enterro político, os cabo-verdiano, convencidos que eles é perceberam mal, deram o benefício da dúvida e o resultado é o desastre nacional em que vivemos neste mandato infernal. Neste caso só resta ao povo de Cabo Verde corrigir mal que em 2016 aceitou por engano. Caso contrário, e a continuar assim, a situação será tão caótica e sem conserto que, ao despertamos, poderá ser tarde demais para se levar o País a reentrar nos eixos. É nosso dever corrigirmos o mal que fomos incutidos a fazer, ingenuamente.
Responder
+11 # paiol 17-10-2019 17:30
Dexa homis bai di ses manera. Povo sa ta assisti tudo ki sta passa na nos tera ku es guverno dimagogo.
Responder
+9 # Atento 17-10-2019 17:24
Infelizmente estas numa terra de CORRUPÇÃO onde estes sem Caracteres estão aliados a estes partidos sem vergonha, corruptos sangue sugas, com apenas o propositivo de ferrar todos que não opinam sobres as tolices e asneiradas que andam a fazer. Estes são todos uns lixos que um dia terão na mesma moeda toda o mal quem tem causado. Este mundo é pequeno mas DEUS É GRANDE. Boa Sorte no teu caso, mas els são muito pequeninos, é o sistema funcionando!
Responder
+10 # Jesus 17-10-2019 20:08
A prudência em opinar recomenda ouvir, primeiro, a outra parte. Entretanto, penso que os artistas, sobretudo os desta terra onde o vento faz a curva, porque escasseiam recursos de apoio, devem ser acalentados, sem exceção, pois a arte é multicolor, não rima com a partdarização. Espero que o Sr ministro, Abraão venha dar os devidos esclarecimentos ou, então, que venha o núcleo duro do governo demarcar-se da medida do ministro em questão, pois, ser verdade essa denúncia, ganham a razão os maldizentes do Governo da República.
Responder