Pub

“É preciso treinar o olhar e aprender a ver, através do tempo, toda essa fina interligação que existe entre as coisas à nossa volta”

 francisco carvalho

1. Estávamos em plena campanha eleitoral para as câmaras municipais de 2008 e, mesmo à entrada do bairro de Vila Nova, amanheceu um enorme cartaz outdoor, com uma vista paradisíaca das ribeiras que fazem fronteira deste subúrbio da Praia com Achadinha e Fazenda. Uma longa ciclovia a perder de vista, seguia em paralelo com os muros das ribeiras – chamadas de avenida –, enquanto vários largos chapéus de sol apresentavam-se a cobrirem cadeiras espreguiçadeiras estendidas ao bordo de piscinas de águas azuis, projetadas nas aureolas da ribeira. Uma maqueta com uma imagem de sonho! Num passe de mágica transportou os transeuntes – potenciais eleitores municipais – para um sentido suspiro: “Avé! Odja modi ki rubera de Vila Nova ta bem fika bonito!Passaram-se mais de dez anos, nem ciclovia, nem chapéus de sol, nem piscinas. Nada! Era apenas para ludibriar!
i1

Fig. 1 - Recorte da contracapa do programa eleitoral do MPD para a Câmara Municipal da Praia, 2008

2. Parece que foi assim que ficou traçado um estratagema para ganhar eleições e governar na Câmara Municipal da Praia: desenhar portentosas maquetas capazes de impressionar os praienses, anestesiando-os duplamente. Primeiro, leva os munícipes a deleitarem-se com as cores vivas e os desenhos inovadores das maquetas nunca antes vistas. Em segundo lugar, é uma aposta em criar um outro significado daquilo que deve ser o trabalho da Câmara Municipal da Praia, isto é, uma aposta em criar a ideia de que o único trabalho da câmara significa fazer essas obras bonitas. A partir daí, a avaliação do desempenho passa a ser com base nessas obras bonitas, mesmo que fiquem apenas pelas maquetas espetaculares. Passado algum tempo, ninguém há de se lembrar! É básico, mas é assim que a Câmara Municipal da Praia tem vindo a atuar;

3. A partir de 2008 até 2019, são diversas maquetas apresentadas com grande alarido, sem nunca terem chegado ao processo de sua construção. Já vimos o caso da ciclovia e piscinas de Vila Nova.  Há também o pavilhão multiuso de Achada Santo António apresentado de forma pomposa em 2013, numa maqueta de um pavilhão inspirado no formato impressionante de uma tartaruga! Passados dois anos, face ao falhanço da sua construção, faz-se um novo lançamento em dezembro de 2015, a menos de três meses antes das eleições legislativas de março de 2016. O pavilhão tartaruga é substituído por uma outra maqueta, bem mais modesta num estilo mais focado no lucro de arrendamentos de espaços adjacentes. Hoje, passados meia dúzia de anos, o terreno à frente do “A Bolha” é um enorme cerco de latão!

Fig. 2 - A famosa maqueta formato tartaruga

Fig. 3 - Uma maqueta para lucrar com arrendamento

 i3  i2

 

Fig. 4 - Seis anos depois: o buracão da realidade

 14

 

4. Exatamente o mesmo aconteceu com o mercado de Côco, lançado e relançado com o aproximar de cada eleição. A maqueta inicial, em 2011, é de um enorme edifício com restaurantes, creches, parques de estacionamento e lojas, num conjunto de quatro pisos, que, quatro anos depois, é transfigurada na maqueta de um enorme barracão de um único piso. Hoje, oito anos e mais de um milhão de contos depois, o resultado é um amontoado de chapas e vigas de ferro.

Fig. 5 - Maqueta inicial do mercado do Côco

Fig. 6 - Passados oito anos: monte de sucata

 i5  i6

 

5. Do mesmo modo, se olharmos para a última maqueta para a zona de Quebra Canela, deparamo-nos com um arranjo de sonho que até inclui marinas! Passados cinco anos, hoje o que se tem é uma crescente cortina de construções entre o areal da praia de Quebra Canela e a terra. A praia da Gamboa sofre o mesmo processo de ilusão: uma maqueta bonita com prédios de encantar para dar sustentação ao argumento superficial: “odja modi ki Praia ta fika bonito, li!” Não importa o futuro, o ambiente, a orla marítima, a gestão do território urbano, nem tão pouco, a transparência na gestão da coisa pública!

6. Ao analisarmos estas obras no tempo, a primeira conclusão é a de que as maquetas são usadas para ludibriar os munícipes, através das suas apresentações. Mas, em outras ocasiões, quando se instala uma onda de contestação pública ou de questionamento das decisões da Câmara Municipal em relação à construção de determinadas obras, então, as maquetas são usadas para acalmar os ânimos e, mais uma vez, ludibriar. Foi o que aconteceu, recentemente, com a apresentação das maquetas para a praia da Gamboa, quando a CMP se viu confrontada por dar o aval intransparente para o arranque das obras sem ter passado pela Assembleia Municipal; e, mais recentemente ainda, com as maquetas do Liceu da Várzea, desenhadas na hora, como forma de esvaziar a condenação pública gerada pela polémica da “venda do Liceu Cónego Jacinto”;

7. A questão que se coloca é saber se os praienses vão continuar a votar em maquetas tendo em conta a sua já bastante gasta utilização para os ludibriar num estratagema de apresentar maquetas bonitas aos olhos, sem nenhuma intenção de as construir, como ficou comprovado pelos casos de piscinas e ciclovias de Vila Nova; pavilhão polidesportivo de Achada Santo António; Plano Detalhado de Quebra Canela; e Mercado de Côco! Ao entrarmos neste último ano de pré-campanha, virá uma inundação de maquetas de toda a espécie, desde túneis, teleféricos, piscinas municipais, pedonais, jardins suspensos, trilhos urbanos, campos de campismo e, quem sabe, uma outra coisa qualquer que seja a maior de toda a África Ocidental! O desafio mantém-se: mesmo com todas estas maquetas, umas a meio e outras com a construção por arrancar, os praienses vão se iludir com mais maquetas?



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+1 # Maria M. Costa 05-08-2019 23:28
Silverio Marques, desculpa, mas eu concordo com o autor Francisco Carvalho. Está tudo muito bem dito. É só maquetagens. O MPD vai fazer mais maquetas para enganar as pessoas. Desculpa estar a dizer a verdade, senhor Silverio Marques. Não leva a mal.
Responder
-1 # Silvério Marques 28-07-2019 19:15
O articulista apresentou a garrafa meio cheia ou seja o que não se fez. Quando se projecta há sempre percentagens de cumprimento das promessas. Qualquer piraiense poderia dar uma versão diametralmente oposta à do articulista. Interessa bater nesta tecla, não. O objectivo continua a ser fazer oposição a todo o sistema MpD, que este on line persegue a todo o custo. A verdade é que a Praia está a melhorar a olhos vistos dentro da limitações todas do município e do país
Eu imagino o que seria este país se o PAICV em 2001 tivesse aproveitado a muita coisa boa que herdou e tivesse evitado a entrega das muitíssimas coisas más que legou em 2016. Um país endividado com empreendimentos de betão que jamais serão rentáveis ou com uma rentabilidade nos próximos 30 anos. O mau relacionamento entre o Governo e a Câmara Municipal da Praia entre 2008 e 2016, ditou muitos fracassos. O Santiago Magazine financiado todos sabemos por quem e é dirigido por quem deve ter um pouco de raciocínio lógico e buscar a causa das coisas. Caso contrário será um on line de claque. Todos sabemos a camisola e qual a equipa.
Responder
+3 # Piduca Brito 26-07-2019 23:52
Já acontece também na ilha do Sal e com imagens 3D sem qualidade estética nenhuma.

Já virou moda em Cabo Verde, os políticos dirigentes do país andarem, à toa e mal intencionados, a publicar imagens de síntese informatizadas em 3D, que deixam muitas dúvidas se essas mesmas imagens correspondem de facto a projectos de arquitectura.

Todos sabemos (e eu sou suspeito), que as imagens de síntese informática são enganadoras e podem ser facilmente feitas por qualquer "buldonhe" num com[censurado]dor qualquer e sem nenhuma base arquitectónica.
Responder
+5 # Sen djobi pa 25-07-2019 01:11
"Dinheiro é o que não falta", país precisa de "gestores adequados" - Olavo Correia
Responder
-1 # Djosa Neves 02-08-2019 05:03
E tem toda razão o VPM: Não só de gestores competentes, como colocar a competencia ao serviço do país. Sair desta CULTURA flagelista e assumir uma cultura de competencia, vencedora, capaz de construir um presente e prepara um futuro de sucesso e felicidade. E a competencia ao serviço do país deve também atravessar os midia!!!
Responder
+1 # Maria M. Costa 05-08-2019 00:38
Djosa Neves, está a falar de quê? VPM com dinheiro para dar na rua? Tenha paciência!
Responder
+4 # Atento sen djobi pa 25-07-2019 01:06
Sem duvida e maïs uma vez um bom artigo.
Ao mesmo tempo um bom research job. Agora gostaria de perguntar ao sr. columista qual é a razäo de näo candidatar ele para o nosso CMP? Desde a muito leio e observo serenamente, e com muito prazer pela forma como escreve e principalmente " bu ta poi dedo na frida" atraves the facts e doente facts... por isso a pergunta directa:
1. O quë que precisas tu para candidatar:);
Responder
+2 # Francisco A Carvalho 26-07-2019 06:57
Muito obrigado por esta confiança! A Praia tem potencial para muito, mas muito mais do que acontece atualmente!
Responder
-2 # Djosa Neves 02-08-2019 05:07
Campeões de "potencial", pobretões nos resultados. Essa a avaliação realista para os que tiveram á sua disposição uma enormidade de recursos, que resultaram em pouco ou quase nada. Admiro a lata destes doutorados em potencialidades, lembrando-me bastante a história da cigarra...
Responder
+6 # neves 24-07-2019 10:29
A CMP mais parece com um ministerio de infraestruturas, com muito poder acima de qualquer outro serviço central do governo (ministerios, direções gerais, institutos), e até mesmo dos órgãos de soberania!!
Estou para entender isso, porque funciona assim, se está na lei?
Responder
+7 # Atento 23-07-2019 22:44
Agora fica esperando o tal de parque tecnológico que já derrapou cerca de 30% +/- 12 milhôes de euros. Daqui a 10 anos, será só buraco kkkkk
Responder
-5 # José Gomes Gomes 23-07-2019 16:30
Tchiku papai é skêsi flâ di kêl barku ki ta da volta ilha na 24 hora i kel famosu Elikópteru ki na 2011 dja stába kumprado ki ti inda ka tchiga Kabo Verde
Responder
+7 # Caboverde 23-07-2019 15:38
Infelizmente o povo quer viver de marketing.
Responder
-4 # Jorge Neto 23-07-2019 13:53
Esta análise é muito boa. Mas falta alguns exemplos. Praia Towers que foi lançado com pompa e circunstâncias. Hilton Praia. Pedra lançada em 2015. Santiago Shopping. Cidade administrativa, etc etc. Isso é o problema da parcialidade. O artigo ficaria perfeito se tivesse tido em conta os dois lados.
Responder
+5 # Francisco A Carvalho 23-07-2019 16:30
Jorge Neto, tendencioso é este comentário que faz. Se não, vejamos:
a) Praia Towers: quem apresentou a proposta perdeu eleições, logo não tinha como materializar o projeto;
b) Hilton Praia é uma iniciativa privada, certo? Quer culpar o público porque um privado não avançou com a sua própria obra?
c) Cidade administrativa não avançou porque surgiu uma onda de contestação por vários atores públicos e privados.
Portanto, nenhum dos exemplos que aponta se enquadra no artigo acima escrito.
PS: Santiago Shopping?!
Responder
+6 # remoaldo m cardoso 23-07-2019 11:28
Maquetas e sonho e o resultado e pixadelo. E ha quem ganha. e tem quem que ta xa otus
atolado.
Responder
+5 # Xalana 23-07-2019 07:22
Uma boa analise, infelizmente a grande maioria das pessoas vão embarcar de novo nesta estratagema, os marqueteiros sabem muito bem a arte de iludir as pessoas, cada povo tem os politicos que merecem.
Responder
+5 # Tartaruga 24-07-2019 16:57
Felicito o F. Carvalho pelo brilhante desmontar da "maquetagem". Tenho por mim que Praia tem estado a ser txapado apenas o rosto (imagem superficial) com pinturas "coloridas" que não enchem a barriga; com becos calcetados que não enchem a barriga; com reuniões, seminários, feiras, festivais, eventos que levam $$ apenas para alguns poucos bolsos; Ontem o VPM disse ao discurso direto, cito "em democracia, o trabalho da oposição é falar... e o da situação é governar". Talvez ele não tenha seguido o Programa Espaço público de sábado 20, quando dois dos convidados reprovaram a "verborreia" do VPM. Será que o MPD, além de falar de 2001-2016 fez outra coisa?? A CMP ainda tem lata de asfaltar grande parte de Cidadela (propriedade de um rabentola) sem dar cavaco a ninguém pelos exorbitantes montantes dispendidos. Conclusão a que cheguei é que o que a CMP tem feito ultimamente não é nada que utilizar os "trocos" pelo balúrdio de dinehiro desviado do mercado Coco que já vai para cima de um milhão de contos.
Responder
+1 # Francisco A Carvalho 26-07-2019 06:48
Obrigado, Tartaruga, por este excelente resumo sobre a situação da Praia! Infelizmente, esta é a Praia que temos hoje.
Responder