Pub

João Serra 01

O governador do Banco de Cabo Verde garantiu esta terça-feira, 1, que o banco central ainda não recebeu nenhum pedido para a venda das acções da Caixa Geral de Depósitos no BCA.

“Fomos informados da intenção da alienação da parte do capital social que é detida pela CGD junto do BCA, mas ainda não recebemos nenhum pedido”, disse João Serra aos jornalistas no final do primeiro encontro de gestão de reservas dos Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa, ocorrido na Praia.

O governador esclareceu que qualquer tipo de transação tem de ter previamente autorização do BCV e acrescentou que o banco central só vai autorizar o negócio tendo garantidas de que não haverá quaisquer problemas para o sistema financeiro nacional.

Questionado se a retirada da CGD do BCA vai enfraquecer os investimentos externos português em Cabo Verde, João Serra disse que não, já que a própria CGD vai manter a sua participação no Banco Interatlântico, onde é acionista maioritário.

“Pelos dados de que disponho, penso que não, porque o banco que vai sair do BCA vai manter com outro banco que é o Banco Interatlântico. E segundo informações obtidas, o accionista principal do Banco Interatlântico vai apostar fortemente na transformação desse banco por forma a transforma-lo num banco de investimento e, enquanto tal, acho que por esta via não haverá redução dos investimentos externos português aqui em Cabo Verde”, sustentou.

O anúncio da decisão de alienar as acções da CGD no BCA foi feito em Dezembro de 2018 e em meados de Setembro desde ano o Presidente da República de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, promulgou o diploma sobre a venda das acções, isto apesar de considerar que pode enfraquecer a presença financeira de Portugal em Cabo Verde.

O capital social do BCA ascende a 1.324 milhões e 765 mil escudos e, conforme o relatório de 2017, o agrupamento CGD/Interatlântico ascende a um total de 52,65 por cento (%) do capital. O INPS tem 12,54%, a CGD 6,76%, a Garantia 5,76%, a ASA 2,17%, os trabalhadores 2,07% e outros accionistas 18,05%.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # toto 02-10-2019 08:02
Não recebeu pedido de venda pela CGD das acções no BCA, mais sabe ,então ?
Responder