Pub

inauguração da delegação

O primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, afirmou, este sábado, 3, que a reabertura da Delegação Aduaneira de Santiago Norte, em Assomada, vai resolver os desembaraços aduaneiros de proximidade, realçando que é um ‟avanço importante que beneficia directamente os emigrantes”.

O chefe do Governo fez essas considerações à imprensa, após presidir o acto da inauguração da Delegação Aduaneira de Assomada, interior de Santiago, e a abertura da 10 edição do tradicional encontro com emigrantes de Santa Catarina, no Liceu Amílcar Cabral.

‟Esta delegação vai disponibilizar serviços de proximidade para beneficiar os comerciantes de todas as zonas da região norte, como também os nossos emigrantes”, frisou.

Ulisses Correia e Silva lembrou que foi associada uma medida de agilização de desembaraço aduaneiros de pequenas encomendas, sublinhando que ‟vão ser rápidos e imediatos, com taxa única”, facilitando, assim, os procedimentos actuais.

A outra medida, salientou, é a isenção de taxa que se paga actualmente, quando a mercadoria circula de uma ilha para outra.

Por sua vez, o presidente da Câmara Municipal de Santa Catarina, José Alves Fernandes, afirmou que a reabertura da Delegação Aduaneira em Assomada já resolveu a questão que tinha ‟maior reivindicação”.

Para o autarca, Santa Catarina regista um processo de desenvolvimento à ‟vista desarmada e a bom ritmo”, por isso, querem informar os seus emigrantes, que ‟são partes importantes” no processo de desenvolvimento do concelho.

‟Organizamos este encontro para mantê-los [os emigrantes] informados, para que continuem a fazer investimentos porque são visíveis as marcas dos seus trabalhos a nível de Santa Catarina”, indicou.

Sob o lema ‟Ku emigrantes Santa Catarina ka ta para” (Com os emigrantes Santa Catarina não para), José Alves Fernandes enfatizou que querem transmitir ‟confiança” de que os emigrantes são úteis no processo de  desenvolvimento e prometeu continuar a trabalhar para que sintam orgulhosos e satisfeitos com o desenvolvimento do concelho.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+1 # Terra-terra 05-08-2019 09:38
A ideia de reabrir os servicos alfandegarios em Santa Catarina e louvavel, mas se deve ter em conta as razoes do seu fechamento anteriormente: uma autentica corrupcao!:Havia, mesmo, empresarios e oessoas singulares da Praia que faziam tudo para que as suas cargas fossem para Assomada, onde sao desoachadas a preco de banana, sem sequer serem descarregadas dos camioes que as haviam levado.
Os policias que prestavam servicos nesse estabelecimento enriqueceram-se ou levavam vida boa de se ver. Outros ate abriram estabelecimentos oara vender whisky e outros presentes con que eram agraciados. A esses, de nenhum jeito, devem ser permitido o regresso aos servicos alfandegarios de Santa Catarina, pois estao aibda viciados nessa manobra. A vida de alguns deles, confessadamente, retornou ao normal com o fechamento do servico, pois a vaca emagreceu consideravelmente. Muito cuidado com o compadrio e amiguismo! Alguem ja me confidenciou que, para ele, a mama vai regressar ja! Tenho dito!
Responder