Pub
Por: Manuel Alves*

 Manuel Alves

O meu colega “Comandante Elias Silva”, para além de ser uma pessoa íntegra, honesta e um digno oficial de polícia, é um excelente especialista de segurança pessoal com provas dadas, mas que, maquiavelicamente, foi escorraçado por um pequeno grupinho de indivíduos incompetentes que se armam em entendidos em matéria de segurança. Isto vem a propósito da banalidade do uso e abuso das armas de fogo que ele simplesmente questionou e a cruzada que se travou contra ele...

No país onde eu me formei oficial de polícia eu aprendi que qualquer decisão errada pode ter consequências políticas, pelo que se deve ter muita atenção nas decisões que se tomam, da mesma forma que se deve evitar a omissão. Porém, no meu país não há consequência alguma para as más decisões, mormente para as inações... enquanto prevalecer o “status quo”...

Num país tão pequeno, numa cidade também pequena, passadas aproximadamente duas semanas, um VIP é barbaramente atacado na sua integridade física, num atentado falhado contra a sua vida, não se sente e nem se percebe alguma acção de ciclo completo que visa os bárbaros desse atentado... a política da segurança interna encontra-se desorientada, sem GPS...

O pior não aconteceu, provavelmente, porque a vítima desse atentado é uma pessoa disciplinada e na sua rotina diária não apresentava muitas vulnerabilidades exploráveis pelas ameaças que lhe perseguiam, a não ser o seu hábito saudável de manutenção física matinal, uma situação estudada e explorada, premeditadamente, pelos malfeitores.

Pode-se brincar com tudo, mas não com a segurança, mormente com a segurança pessoal dos titulares dos cargos públicos democraticamente eleitos.

A segurança é uma questão de igualdade, é uma condição indispensável para a afirmação de um Estado de Direito Democrático, em que cada um se sente livre, em qualquer lugar e ou hora, independentemente da sua condição social.

Até quando?...

Demita-se MAI!

*Especialista em segurança pessoal e Comandante das Unidades Especiais da Polícia nos anos 90

Texto original publicado pelo autor no facebook



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # JOSÉ SANCHES 15-08-2019 06:28
íntegra…. como … quando… onde….
Responder