Pub
Por: DRC

Quando o mundo inteiro corre contra o tempo para parar uma doença que tem assumido dimensões globais, o governo de Cabo Verde se presta a criar mais mecanismos para botar mão aos recursos da nação e aos sectores estratégicos do desenvolvimento do país.

 covi191

Casa roubada, trancas à porta! É um ditado antigo, a demandar mais sabedoria nas decisões, nos atos, nas omissões… na vida. Porque, acredita-se, um homem prevenido vale por dois.

Pouco ou nada vale chorar sobre o leite derramado. Esta premissa é "tão velha como as montanhas".

Quando o coronavírus começou a percorrer o mundo, muitas pessoas entre nós sugeriram que o país fechasse as fronteiras. Sugestões apenas!

O governo não reagiu. Ficou silencioso, de tocaia, como lobo no covil.

Apareceram, no entanto, alguns guardiões do templo a atacar a ideia, defendendo o turismo, a economia, com fundamentos de que dificilmente conseguiremos sobreviver com a fronteiras fechadas, sendo Cabo Verde um país totalmente dependente desta movimentação entre os continentes.

Um conselheiro do primeiro-ministro teve a "delicadeza"  de chamar aos que defendiam a ideia de se fechar fronteiras de “kamikazes de serviço”, dizendo que são medidas “francamente irracionais”. Escreveu que fechar as fronteiras seria um “autêntico disparate”, ao mesmo tempo que se afirmava “benevolente” na sua sentença.

Na opinião do ilustre conselheiro público, o país deve agir com “prudência e inteligência”, baseado num dado por ele considerado relevante – “o nosso país NÃO tem ainda nenhum caso de coronavírus”.

Este artigo foi publicado no dia 17 de março, um dia depois de o turista inglês – que infelizmente faleceu hoje – ter procurado as estruturas de saúde da Boa Vista com sintomas da doença. E desde então registamos já três casos confirmados, um óbito, e segundo o diretor Nacional da Saúde, Artur Correia, 150 casos suspeitos estão sendo seguidos pelas estruturas de saúde no arquipélago.

A 19 de março Ulisses Correia e Silva – dois dias após a publicação do seu conselheiro - fala ao país sobre a doença, afirmando que se trata de uma guerra. Fecha definitivamente as fronteiras e aconselha as pessoas a ficarem em casa.

De seguida fala do orçamento retificativo, do apoio para socorrer a Cabo Verde Airlines dos impactos da pandemia e marca o Conselho de Concertação Social.

Posições. Medidas. Acções. Todavia, enquanto diz que a prioridade é lutar contra o coronavírus, vai criando mecanismos para financiar a Cabo Verde Airlines, aprova uma lei para vender a CV Handling – decreto-lei nº 31/2020 -, cria duas empresas para gerir assuntos (recursos) do Estado – Parpública CV, SA, Sociedade Gestora de Participações Sociais do Estado (SGPS) – decreto-lei nº 28/2020 – e Imopública CV, SA, Sociedade Gestora dos Imóveis do Estado (SGI) – decreto-lei nº 29/2020, sem, no entanto, deixar escapar um único pio sobre os desempregados, o pessoal da economia informal, enfim, o povo.

Quando o mundo inteiro corre contra o tempo para parar uma doença que tem assumido dimensões globais, o governo de Cabo Verde se presta a criar mais mecanismos para botar mão aos recursos da nação e aos sectores estratégicos do desenvolvimento do país.

Diz-se que a ocasião faz o ladrão. O coronavírus tem criado ocasião privilegiada para o governo resolver dossiers complicados, ou encalhados, estando o país naturalmente entretido com uma doença que só chegou aqui por incúria desse mesmo governo que goza de  autoridade para gerir a nossa vida.

Grave! Porém, verdade. E, sendo verdade, a solução é aguentar o tranco – de um lado as maleitas do coronavírus, do outro os golpes e contragolpes de um grupo que nos quer, a todos, cada dia mais "irracionais", para usar a terminologia do ilustre conselheiro do primeiro ministro. Que Deus tenha Misericórdia desta nação!

Comentários  

0 # Sara 26-03-2020 21:00
Mas que jornalismo é este??????? Deixem opinião para quem deve. Vão investigar e façam jornalismo sério. Caramba
Responder
0 # Joana Carvalho 26-03-2020 11:38
Mau momento de fazi politiquices.
Santigo Magazine, por favor!!!!
Responder
0 # SÓCRATES DE SANTIAGO 26-03-2020 09:08
Artigo muito bem escrito, uma visão crítica da nossa CABOVERDURA face à grande crise mundial provocada pelo COVID 19. Que cada qual tire suas ilações.
Responder
-10 # Monteiro cia 24-03-2020 19:57
Irresponsável é ter um Jornal no país que produz artigos de tão baixo nível. E a AJOC fica defendendo a liberdade de imprensa nesse país. É lamentável
Responder
+1 # Avelino Sanches 24-03-2020 17:20
O grande problema de governaçao de cabo verde sao os proprios militantes do partido de governo. Desde PAICV passando pelo MPD que andam a defeder todas as asneiras. No MPD tem o porta voz Janiel Lobo na Merka, Gualberto do Rosario e tantos outros. O governo devia desde inicio tomar medias que tomou agora e cabo verde estaria livre dessa doença. Agora todo o mundo tem que entrar na guerra.
Responder
-4 # Tuko 24-03-2020 16:57
DRC se identifica mais com um irracional do que com um ser humano. Esses entre dentes, por sinal, mal lavados, só podem ser de um miolo animalesco. Santiago magazine não precisa publicar isso; basta ler, será o suficiente.
Responder
+1 # Joana Dias 24-03-2020 16:07
Bem, num editorial o rigor deve ser a linha condutora. As pessoas que estão a ser seguidas não são suspeitas. São seguidas, porque vieram de paises assinalados pela doença e alguns sairam da Boa Vista nos últimos dias. Suspeito é quem tem sintomas.
Responder
+1 # toto 24-03-2020 15:37
A raiz do COVID19 o Gov saco dinheiro para comprar ventiladores q ainda não tem chegado a CV , logo saio o FNE e agora a OMS entrega 5M$ e ainda o SNS/ tem uma terapia intensiva de verdade nos hospitais centrais nem nos hospitais regionais como de Santiago Norte, Sal, Fogo ,SA nem no próprio budista !!!! Não chega os ventiladores , e' necessário equipamento de Gasometria ,Rx ,TAC e especialista dessas áreas em função 24/24 hrs o MS tem q pedir a opinião deles q nestes mtos tem q comandar as estratégias de saude ,pois eles tem visão larga adiantando sintomas e atuando atempadamente ,isso e' PREVENÇÃO outra coisa e' so poder .
Responder
+1 # Pedro Santos 24-03-2020 15:32
Enqunto temos o Sr. Gualberto do Rosario na Ilha do Sal a orientar o governo para poder defender o interesse da sua empresa o resultado nao pode ser diferente. Esse homem sempre defendeu que nao se deve fechar fronteira desde o aparecimento do virus na China. Perante situaçao medonha que sempre desenhou como é possivel permitir entrada de turistas todos os dias no pais sem controlo? Existe corentena Uma pessoa na sua casa juntamente com os familiares? Com todo o respeito isso é uma palhaçada:
Responder
+1 # toto 24-03-2020 15:25
nestes tempos de unidade solidariedade a generosidade ,de calamidade econômica ,o MS vem a assinar subsidio (DINHEIRO) de risco a classe medica ,q alias pediu em reunião na Praia !!!!!!!!Ainda não tem uma terapia intensiva como manda a OMS ,qdo os ventiladores ainda não tem chegado ,o MS vem em despacho ministerial a garantir subsidio de risco !!!!!!
Responder
+1 # Paulo Varela 24-03-2020 14:04
Muito pertinete a reflexão. No entanto caberá à parte aqui chama, a reagir e esclarecer o porque dos pronunciamento e censurados, das deliberações criticadas e da conduta em "contra mão", como nos deixa perceber o autor, que não tem "papas na Lingua"

Acrescentaria eu a tudo isto, apenas os produtos farmacêuticos de desinfecção que faltam nas farmácias, quando temos a sorte de ter a capacidade de produção nacional nacional. Entende-se que a demanda disparou e o stock se esgotou. Entretanto, a necessidade é cega e que respostas temos a dar, sem especular, como estipulado na lei.

Cabo Verde mesmo com os desafios, continua a ser uma grande Nação, vamos nos organizar e avançar, irmão!
Responder
-9 # Fantonneli Mariah 24-03-2020 13:55
Blablabla. E os outros cento e tal países que contraíram o Covid-19? Todos esses governos são irresponsáveis por não fecharem a fronteira. E os EUA cujo Donald Trump fechou a sua fronteira com o mundo e que provocou uma enérgica reacção da OMS, dizendo que se trata de uma pandemia, de um problema global e que os EUA não devia tomar uma medida unilateral. Pergunta que se faz a diversas insinuações deste artigo, é se o Donald Trump foi irresponsável ao isolar em tempo oportuno, a sua fronteira com o resto do mundo? Mas uma vez, discordo desses comentários "politiqueiro", com o objectivo único de atacar um governo, um Primeiro Ministro e sobretudo um homem e pai de família. É fácil apontar o dedo e/ou arranjar culpado, esquecendo que estamos a falar de Cabo Verde, um país frágil em todos os sentidos que está sendo fustigado com três anos de seca consecutivo. Fazer a nossa parte para combater a pandemia que é BOM, nada.
Eu recomendo ao articulista a informar sobre as decisões saídas do Conselho de Concertação Social em que todos os parceiros presentes, congratularam com os planos de mitigação que o governo pretende por em acção.
Mais uma vez, apelo para que todos sem excepção, façamos a nossa parte e paremos de apontar dedo.
Responder
+1 # Jonh 24-03-2020 16:22
Ouh, então é não prevenir e depois deixar entrar e vada um faz a sua parte. Todos os que derem prioridade ao dinheiro face à saúde pública estão pagando o preço, e todos estão reconhecendo que nfalharam redondamente. Por isso não tenho partidos e pior ainda os daqui, que bricam com o país e sempre os que estão na perto do círculo vão defendendo os mesmos, quer de um lado, quer do outro. Pessoas pequenas de mentalidade pequena!!
Responder
+6 # José Lima Borges 24-03-2020 13:47
Tenho seguido as notícias com atenção redobrada com intuito de estar informado e de saber as medidas que o nosso governo irá tomar para com as pequenas e medias empresas assim como para aqueles/as que têm os seus negócios e que foram obrigados a fechar as portas seguindo as determinações do governo.
Curioso é que antes de qualquer medida, decisão ou encontro com os representantes dos vários setores de actividades económicas o governo anuncia que irá ajudar a Cabo Verde Airlines.
Será a referida empresa a única afetada?
Isso demonstra que uns têm mais prioridades que outros para esse governo.
Estou nesse preciso momento a ouvir o nosso primeiro ministro a anunciar as medidas para reduzir o impacto.
Responder
+4 # Jaquelina lima 24-03-2020 13:19
Infelizmente o povo das ilhas continuará sofrendo as desmandas desses imbecies que está com autoridade para decidir quem vive ou quem morre. Justiça Divina já.
Responder
-5 # Pedro 24-03-2020 13:06
Dada a importancia do assunto em questao, gostaria de saber o nome do articulista (DRC) . O Santiago Magazine devia pautar por maior profissionalismo neste aspect.
Um bem haja.
Responder
+6 # Raul Fonseca 24-03-2020 13:02
Muito bem, este país vai de mal a pior, o governo ja anunciou apoios chorudos a empresa cv airlines empresa essa que nao presta contas a 5 anos, empresa essa de capital privada e estrangeira, a primeira medida econômica anunciada foi de socorrer a cabo verde arlines, os mesmos chicos espertos esqueceram que antes da pandemia a cabo verde airlines vivia em porcademia financeira, rotas extinguidas, falta de passageiros, salários atrasados, falta de pagamento aos fornecedores. Como diz o outro ainda esta novela esta no inicio, agora os chicos espertos vão resolver muitos dos problemas bicudos da familia e dos compadres do partido
Responder
0 # Felisberto Pinto 25-03-2020 06:42
A quem pensa com os cotovelos e decide de cocoras nao se deve confiar a ingente missao de decidir sobre os destinos de um Povo. Cada Povo tem o Governor que merece, fruto de decisoes irrefletidas e ou tomadas com base em interesses irracionais. Num bom crioulo de Santiago se diz " oras ki kabesa ka ten juis kadera ta paga (sic).
Pena e que as datas das eleicoes nem sequer " soma na kutelu". Valha-nos Santo Deus!
Responder