Pub

Mascara de proteção

O responsável pela Direcção Comercial e Gestão de Clientes da Emprofac, Esmeraldo Gomes, garante que não há ruptura de máscaras em Cabo Verde e nem nas farmácias, pelo que tranquiliza a população sobre a matéria.

Em declarações à Inforpress, Esmeraldo Gomes, disse que o stock existente é suficiente para distribuição aos hospitais e farmácias, afirmando haver apenas controle nas vendas. “Não temos ruptura de máscaras de protecção no país. A Emprofac tem stock suficiente, mas por precaução, em situações de crise, controlamos a venda”, acrescentou.

Na Cidade da Praia, a Inforpress, após contactos com algumas farmácias, averiguou junto dos responsáveis que tem havido um aumento na procura e compra em quantidades anormais de máscaras de protecção.

As farmácias, segundo informações das mesmas, têm recebido pedidos de informação em como podem dar resposta à procura dos clientes, pois, neste momento, todos estão preocupados com a possibilidade de o vírus chegar ao arquipélago.

Em Cabo Verde, desde que se noticiou sobre a chegada dos estudantes nacionais da China, país onde o coronavírus surgiu, estão a circular informações de ruptura de stock de máscaras de protecção nas farmácias, situação que a Emprofac, empresa de comercialização de produtos farmacêuticos, desmente.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Aguinaldo Fonseca 08-02-2020 13:02
Extraído do jornal português Público de 06-02-2020 (Negócios da China)

[A ministra da Agricultura frisou que a crise na China “pode ter consequências bastante positivas” para as empresas portuguesas

Numa visita às empresas portuguesas que participam, esta semana, na Fruit Logistica de Berlim, a exposição mais importante no sector das frutas e legumes, a ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, admitiu que o coronavírus poderá bene ciar as exportações de países que tentam entrar nos mercados asiáticos, como é o caso de Portugal.

“Acho que [o coronavírus] até pode ter consequências bastante positivas [para as exportações portuguesas na China]. Ainda assim, não tenho dados que me permitam poder fazer uma avaliação. Mas, atendendo a que é um mercado emergente e em crescimento explosivo, temos de nos preparar para corresponder aos nossos objectivo e ambição de podermos contri- buir para as nossas vendas e ajudar a equilibrar a nossa balança comercial ”, afirmou a ministra.]
Responder