Pub

Arlinda Mendes Isa

Completam-se hoje dois anos que Nina e Filú, dois primos, desapareceram sem deixar rastos, enquanto a Polícia Judiciária (PJ) garante que o caso ainda está em investigação.

“O caso ainda está em investigação”, disse à Inforpress o responsável da Secção de Investigação de Crimes contra Pessoas da PJ, Adérito Moreno, ao ser instado a pronunciar-se sobre o caso que deixou as famílias daquelas crianças “afundadas num mar de dor”.

Perguntado se os familiares têm sido informados sobre o andamento do processo de investigação, aquele responsável respondeu: “Na medida do possível, temos mantido os familiares informados”. Mas, a porta-voz da família, Arlinda Mendes, mãe de Sandro Mendes, (Filú), contraria essas informações.

Isa, como também é conhecida, afirma que no  primeiro ano que se seguiu ao  desaparecimento dos dois primos  foram algumas vezes contactados pelas autoridades cabo-verdianas, mas que há “mais de ano que ninguém contactou à família para dizer alguma coisa”.

“Quando se completou um ano [do desaparecimento], fui ter com a PJ, mas não consegui falar com quem queria porque me disseram que não se encontrava presente”, lamenta, acrescentando que não pôde  ir à Polícia Judiciária mais vezes por causa  do seu trabalho.

Ela é empregada doméstica e no período em que podia estar a descansar, se dedica à venda de fresquinha  (sorvete) no Liceu Domingos Ramos.

“Quando se vai lá [PJ], ficamos a perder praticamente um dia de trabalho e a resposta que nos dão é sempre a mesma, ‘estamos na investigação’”, queixa-se Isa.

As famílias, conforme revelou à Inforpress, sempre naquela expectativa  de um dia serem surpreendidas com a notícia do aparecimento das duas crianças, “não largam a televisão”.

“A vida da minha mãe é estar à frente da televisão para ouvir alguma coisa sobre o aparecimento da Nina e Filú”, asseverou.

Na altura, quando desapareceram, as duas crianças viviam entre Castelão e Achada Limpa, na companhia da avó Marcelina Mendes Tavares, conhecida por Bianina. Saíram de casa, a pedido da avó, para comprar açucar em Água Funda, bairro de assentamentos informais da Cidade da Praia, situado a pouca distância da localidade onde moravam.

Depois de dois anos, continua a pairar um sentimento de angustia no seio das famílias que ainda acreditam que Filú e Nina possam estar vivos e um dia regressem ao seu convívio.

“Temos esperança que as nossas crianças ainda estão vivas. É esta fé que ainda me mantém de pé”, afirma a mãe Isa, por entre lágrimas. Hoje, conforme revela, sente-se  “perturbada pelo sono”  porque está sempre a pensar nas duas crianças.

“Sentimos muita falta desses meninos, que eram muito queridos nas nossas ruas. Todo o mundo chamava pelos nomes de Nina e Filú, porque eram crianças divertidas”, declarou, acrescentando que os seus dois filhos mais velhos, um de 21 anos e outro de 15, se sentem “revoltados”  com a situação dos dois primos desaparecidos.

“O mais velho passa o tempo deitado, enquanto o mais novo está sempre sentado com a cara virada para o chão e, algumas vezes, têm dito que na nossa terra não há justiça, confessa Isa.

Às autoridades, apela para continuarem a investigar sobre o caso dos dois primos com vista a serem localizados e devolvidos às respectivas famílias.

Mostra-se, entretanto, “decepcionada” porque, segundo ela, num ano “desapareceram  cinco meninos em Cabo Verde e não há resposta [por parte das autoridades] ”.

“Temos o Governo e temos autoridades competentes e por que razão essas crianças não aparecem?”, pergunta, deixando transparecer  que se aquelas crianças fossem filhas de “famílias com maior posse já teriam sido encontradas”.

Para Isa, é preciso que se descubra o que está a passar em Cabo Verde com o desaparecimento de pessoas.

“Num ano, desaparecem cinco pessoas e acham que isto normal. Às vezes, nem quero ver a televisão, pois, um dia, vi uma senhora a dizer, no debate no telejornal, que sempre houve  desaparecimento de pessoas em Cabo Verde. Já tenho 40 anos de idade e nunca tinha ouvido a dizer que essas coisas aconteciam”, assegurou.

Na sua perspectiva, na impossibilidade de as autoridades lhes devolverem os seus filhos, ao menos que lhes apresentassem as pessoas que praticaram tais actos.

Além de Nina e Filú, continuam ainda desaparecidos, desde 28 de Agosto de 2017, um bebé e a sua mãe Edine Jandira Robalo Lopes Soares que residiam em Achada Grande Frente (Praia).  A mãe alegou que ia levar o recém-nascido para o controlo no PMI (Programa Materno-Infantil), na Fazenda, e nunca mais foram vistos.

No dia 14 de Novembro de 2017, Edvânea Gonçalves, criança de dez anos, do bairro de Eugénio Lima, saiu de casa para fazer um mandado, a pedido da mãe, junto de uma vizinha a pouco mais de 100 metros da sua residência, não voltou.

Entretanto, a 14 de Julho, dia em que completaria oito meses fora de casa, a PJ comunicava aos pais que ossadas  identificadas, em Janeiro,  em Ponta Bicuda, Praia, por um grupo de cidadãos à procura de búzios  no mar, pertenciam à menina.

A 06 de Fevereiro de 2018, em nota de imprensa, o Ministério Público anunciou a criação de uma equipa conjunta de magistrados, Polícia Nacional e Polícia Judiciária para investigar o desaparecimento de crianças na Cidade da Praia.

A 22 de Fevereiro, em declarações à imprensa, o ministro da Administração Interna, Paulo Rocha, deixou transparecer que aquelas crianças podiam estar prestes a serem libertadas, ao afirmar que quem as tinha na sua posse sabia que estava “a ser caçado nessa altura”.

No dia 10 de Maio de 2019, o então procurador-geral da República, Óscar Tavares, traído pelas investigações, que não foram direccionadas como devia ser,  garantiu aos jornalistas que o processo sobre o desaparecimento de pessoas em Cabo Verde tinha avançado do ponto de vista da investigação e que havia indícios de que as mesmas pudessem  estar vivas. Só que a Edvânea já estava morta.

O desaparecimento misterioso de pessoas já levou à realização de várias manifestações de rua, sobretudo na capital do país.

O Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, preocupado com a situação, exigiu que as autoridades competentes esclarecessem os casos, ainda que fosse com o apoio de peritos internacionais.

À voz do chefe de Estado associaram-se outras, como a da primeira-dama, Lígia Fonseca, do cardeal Dom Arlindo Furtado e de líderes políticos.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Eunice Maria Garcia 04-02-2020 01:04
Sinceramente meu filho também esta desaparecido desde 21 de novembro 2017 até agora nada. Muito triste para nós familiares. Um muito obrigada ao Santiago magazine.
Responder