Pub
Por: Redacção

os suspeitos

Dos cinco suspeitos pelo bárbaro homicídio de Luis Giovani Rodrigues, um foi militar do Exército e outro era, até 2019, bombeiro em Bragança. Todos foram identificados por gravações de videovigilância que registaram parcialmente as agressões.

Roupas e câmaras de vigilância ajudaram a identificar os supostos agressores de Giovani e de outros três estudantes cabo-verdianos em Bragança. Segundo avança o Correio da Manhã, os cinco suspeitos, já presos a aguardar julgamento, foram identificados por gravações de videovigilância que registaram parcialmente as agressões.

As câmaras não conseguiu captar os seus rostos, mas ajudaram a descobrir a sua identidade através das roupas que tinham vestido nesse dia e hora em que aconteceu a agressão. A Polícia Judiciária portuguesa conseguiu ainda encontrar várias outras provas, como paus e correntes, para chegar aos cinco suspeitos, que, na verdade são o núcleo duro de um grupo maior que só não foram detidos porque não tiveram participação directa nas agressões, conforme assumiu o director da PJ na sexta-feira, 17, ao anunciar a detenção do grupo dos cinco.

De entre os suspeitos, com idades entre os 22 e 35 anos, dois merecem alguma atenção: Ângelo Morais, que foi bombeiro em Bragança, pelo menos até 2019; e Bruno Coutinho, um ex-militar do exército português, indivíduos cuja formação de base deveria evidenciar comportamento totalmente contrário.

Os outros suspeitos de homicídio qualificado e homicídio na forma tentada (contra os três outros estudantes cabo-verdianos que estavam com Giovani) são Filipe Liberato, mais conhecido por "Renault", Carlos Rebelo e Bruno Gomes Fará.

 

angelo moraisfilipe liberatobruno coutinhobruno gomes farácarlos rebelo

 Por ordem: Ângelo Morais (bombeiro), Filipe Liberato, Bruno Coutinho (ex-militar), Bruno Gomes Fará e Carlos Ribeiro

 

Os cinco suspeitos da morte de Luis Giovani, em Bragança, Portugal, vão aguardar julgamento em prisão preventiva, indiciados pelos crimes de homicídio qualificado e três tentativas de homicídio, determinou o tribunal, que afasta a motivação por ódio racial.

O tribunal sustenta que a decisão, em síntese, “se traduz na afirmação da existência de fortes indícios da prática, por cada um dos arguidos, em coautoria material e concurso real, de quatro crimes de homicídio qualificado, um dos quais consumado, sendo dele vítima Giovani Rodrigues, e os restantes três na forma tentada”, relativos às agressões aos outros três elementos do grupo de cabo-verdianos.
O estudante cabo-verdiano Giovani Rodrigues foi encontrado sozinho caído numa rua em Bragança em 21 de dezembro e acabou por morrer 10 dias depois, num hospital do Porto.

Luis Giovani Rodrigues foi a entrar ontem, 18, nos Mosteiros, Fogo, sua terra natal.



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # toto 19-01-2020 23:57
Não será a motivação p ódio racial, mais ao ser estrangeiros as vitimas ,os agressores covardes sentiram-se animados ate' a brutalidade . Suma-se que não se apresentaram voluntariamente ,pelo q não tem demostrado arrependimento ,isto agrava a condena .
Responder