Pub

pgr cabo verde 

A Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou esta sexta-feira, 3 de janeiro, a decisão de arquivamento da queixa contra um juiz do tribunal da ilha do Sal, em resposta a um recurso à decisão anterior, interposto pelo advogado Amadeu Oliveira.

Em comunicado, a PGR refere que o Departamento Central de Ação Penal (DCAP) investigou a sequência de denúncia apresentada por aquele advogado contra o juiz de Direito Ary Santos, “por alegados factos criminosos cometidos no exercício das suas funções”, no Tribunal Judicial da Comarca do Sal.

A queixa, que denunciava situações “suscetíveis de integrar crimes de prevaricação de magistrado, denegação de justiça e inserção de falsidade em registo ou documento”, foi arquivada pelo DCAP, acrescenta agora a PGR, com o “fundamento na não verificação de certos crimes e bem assim na prescrição do procedimento criminal de outros”.

Contudo, o advogado Amadeu Oliveira requereu em dezembro passado a intervenção do procurador-geral da República, enquanto superior hierárquico do Ministério Público, pedindo, para além da revogação do arquivamento, o afastamento do magistrado do Ministério Público titular da instrução do processo.

A PGR refere em comunicado que, apesar de ser “extemporâneo”, por ter dado entrada fora do prazo legalmente previsto, o recurso foi analisado, mas recusado, por não se verificarem as acusações.

Há vários anos que o advogado Amadeu Oliveira denuncia publicamente alegados casos de fraudes e manipulação de processos judiciais, visando juízes.

Neste processo em concreto, o juiz, que estava a ser investigado desde 2018 na sequência da denúncia apresentada por Amadeu Oliveira, era visado por alegadas ações e omissões que terão prejudicado duas empresas de pesca de investidores estrangeiros baseados no Sal.

O advogado apontou anteriormente que as empresas foram lesadas em valores que, em conjunto, ultrapassaram os dois milhões de dólares (1,8 milhões de euros), num caso que afirmou envolver práticas de crime organizado com a prestação de serviços ao setor das pescas e apontado a conivência dos agentes da Justiça.

Relativamente ao crime de inserção de falsidade em processo, a PGR concluiu pela inexistência de indícios, não tendo vislumbrado igualmente qualquer “pretensão alheia ao sistema de justiça, qualquer desvio das suas funções, procurando beneficiar ou prejudicar alguém”, entre outra argumentação que iliba o magistrado visado.

O comunicado da PGR refere que com esta decisão o processo deixou de estar em segredo de justiça, passando a estar disponível para consulta “por qualquer pessoa, com interesse legítimo, que o requeira, para que, com base em evidências, possa formar a sua própria convicção sobre os factos investigados”.

Com Lusa



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # FIDEL CASTRO 06-01-2020 10:29
Como sempre o "Sistema" protege o "sistema".
Responder
+3 # Manuel 04-01-2020 06:54
Os maiores criminosos deste país estão nonsector da justiça, advogados corruptos, juizes e procuradores corruptos e criminosos, policia bandidos e politicos traficantes essa è a realidade de cabo verde, estamos num país aonde os advogados são conselheiros de traficantes e são colocado ainda nos lugares de embaixadores e de[censurado]dos da nação. Cabo verde vai ficar pior que a Nigeria
Responder