Pub

assalto

A Polícia Judiciária (PJ) deteve esta segunda-feira, 2 de dezemmbro, um quinto militar suspeito de integrar o grupo que, em agosto, realizou um assalto violento a uma residência na cidade da Praia, sequestrando a proprietária.

O caso remonta a 13 de agosto, tendo sido inicialmente detidos quatro militares e a mulher que trabalhava como empregada doméstica na casa visada pelo grupo, namorada do militar de 22 anos hoje detido.

De acordo com um comunicado da PJ, a detenção deste quinto militar, na Praia, foi realizada por elementos da Brigada de Combate ao Banditismo, em cumprimento de um mandado do Ministério Público.

O agora ex-militar é suspeito, em coautoria, da prática de crimes de roubo com violência contra pessoas, de sequestro e de posse de arma.

O suspeito terá integrado o grupo de cinco indivíduos, “todos militares à data dos factos”, que segundo a PJ “terão orquestrado um plano de assalto” a uma residência no bairro da Cidadela, cidade da Praia, “na qual a namorada do ora detido trabalhava como empregada doméstica”.

“Esta que, por saber onde eram guardados o dinheiro e outros bens da casa, terá colaborado com os suspeitos, na prática dos crimes”, acrescenta uma nota da PJ.

O grupo terá levado mais de 1,2 milhões de escudos (quase 11.400 euros), além de outros bens que se encontravam no interior do cofre da residência.

“Munidos de armas de fogo de fabrico artesanal ‘Boca Bedju’ e branca, os detidos terão, ainda, ameaçado a proprietária da casa, a quem, ato contínuo, terão amarrado e sequestrado”, esclarece a PJ, acrescentando que o suspeito hoje detido ainda será presente a primeiro interrogatório judicial para aplicação de medidas de coação.

Todos os restantes suspeitos – incluindo a mulher - ficaram a aguardar o desenrolar do processo em prisão preventiva.

O chefe do Estado-Maior das Forças Armadas (CEMFA) cabo-verdianas, Anildo Morais, disse em agosto que o caso "mancha a imagem" da instituição e que seria instaurado um processo disciplinar aos militares.

Anildo Morais indicou que os assaltantes são soldados da última incorporação na tropa cabo-verdiana e que praticaram o crime no seu período de folga, mas não utilizaram qualquer material militar.

O CEMFA explicou ainda que os soldados serão julgados por um tribunal civil, porque não se trata de um crime militar.

Com Lusa

 



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar