Pub

jose manuel cabra

O advogado de Arnaldo Silva no caso em que este foi detido por indícios de práticas ilícitas na compra e venda de terrenos da Praia, José Manuel Pinto Monteiro (foto), disse o Ministério Público (MP) “está a fazer política”.

“O Objectivo do Ministério Público está claro”, afirmou o advogado de defesa, ou seja, o MP “está a fazer política”, prosseguindo que o procurador-geral da República, Óscar Tavares, “está numa actividade puramente política”, quando pega num processo que foi arquivado por um “dos mais rigorosos” procuradores da praça, Vital Moeda, e o abre “do nada, sem constituir Arnaldo Silva arguido e sem alguma vez ter tido cuidado de ouvi-lo, começa logo com a medida de detenção”.

O jurista defendeu ainda que o objectivo do MP é “atingir o presidente de Câmara Municipal da Praia de 2014”, uma vez que estriba a sua argumentação num memorando de entendimento que foi celebrado naquele ano pelo vereador Rafael Fernandes e proprietários de alguns prédios grandes na cidade da Praia.

“No memorando de entendimento que foi celebrado permitiu-se que a câmara municipal vendesse os terrenos para depois pagar aos proprietários”, explicou Pinto Monteiro, sem citar nomes arrematando ainda que todos sabem quem era presidente da câmara na altura e que é “essa pessoa que o Ministério Público, numa manobra puramente política, pretende atingir”.

Conforme este causídico, depois de quase 20 anos de investigação deste caso, não se sabe que funcionário da câmara foi corrompido para alterar a matriz e para arrancar as folhas do livro, nem que funcionário do Notariado foi corrompido para celebrar os actos e muito menos que funcionário da Conservatória foi corrompido para fazer os tais registos.

“Não entendemos quando se fala em falsificação e de se ter arrancado folhas do livro, quando esses livros estão devidamente guardados no Arquivo Histórico Nacional”, argumentou Pinto Monteiro, completando que a primeira vez que Arnaldo Silva é confrontado sobre este processo cai sobre ele “uma bomba atómica”, que é a detenção, “sem que o Ministério Público tenha quaisquer dados palpáveis sobre o envolvimento de Arnaldo Silva, seja no que for”.

Ainda nas suas declarações, José Manuel Pinto Monteiro afirmou que este caso tem apenas “uma única personagem”, o advogado Vieira Lopes que, segundo disse, tem em curso “essa armação” contra Arnaldo Silva, acusando-o de falsificação, burla e outras coisas.

Tudo isto, explicou, depois de se ter entrado com uma acção de despejo contra Vieira Lopes de uma moradia pertencente a Fernando Sousa na cidade da Praia.

“Foi-lhe metido uma acção de despejo e ele defende que não pagou a renda porque foi advogado de Fernando Sousa que, por sua vez, não o pagou os honorários e por isso não paga a renda da casa onde mora na Praia”, completou.

Mais à diante, José Manuel Pinto Monteiro afirmou que o MP ainda não esclareceu quem são os outros seis suspeitos no caso.

“Uma das medidas tomadas em relação ao Arnaldo Silva é a proibição de contactar com outras pessoas visadas no processo, mas até este momento ainda não nos foi dito quem são essas pessoas”, queixou-se.

Neste sentido, o advogado disse que entregou, na sexta-feira, 06, um requerimento pedindo ao juiz para que diga quem são esses outros envolvidos, uma vez que “milhares de pessoas” têm ligado, enviado e-mail, mensagens e visitando o Arnaldo Silva e, por isso, este deve saber quem são estes visados.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # mare alta 09-09-2019 15:26
O problema é o suspeito poder eventualmente contactar os outros suspeitos por nao saber quem são esses seis, ou há pressa em saber quem são esses 6 outros suspeitos, para os devidos efeitos, isto é, para os devidos contactos?
Responder
+1 # honrizon 09-09-2019 15:13
Mesmo que se trata-se política o sr. advogado vá discutir isso com os tribunais. Porque é que o sr. ataca o PR? O Sr. Está a por em causa as investigações levada a cabo pela PJ?
Responder
+3 # Gregório Gonçalves 09-09-2019 08:15
Li, reli, dekali e não consigui perceber por que o Procurador Geral da República está a fazer política. O PGR pode levar as intenções que entender ao Juiz mas cabe a este determinra a medida de coação - e creio que esse Juiz fez política que pelo fato que se determinou nas acusações o homem devia era estar na cadeia a aguardar julgamento. Mas caricato é porque a PJ esteve envolvida na detenção do homem e ninguêm diz nada
Responder
0 # Gérôme 08-09-2019 18:13
Kkkkkiiiii estes rapazes sao bem conhecidos deste Cabo Verde mdr. Os bodes bodecos, cabras e cabritas os Santos e jac’s sao muito bem conhecidos!!!! Desavergonhados!!!!! O que possui duas mamas e cujos filhotes denominan - se cabritos !!! Até malcriado e gressivo é MDR. Prepare - se Se. Procurador parque o Pedrao Alexandre est à a caminho de Praia para participar na defesa do amigo dos anos 90. T’enjambe vergonha rapazes. Tenham Pena desta populacao pobre deste pobre Pais!!!!
Responder
+5 # SÓCRATES DE SANTIAGO 08-09-2019 11:53
Não é este o famoso advogado KABRA que estava envolvido no caso dos MARABUS/DJABAKOS DO PAIOL, a FAMOSA ASSOCIAÇÃO CRIMINOSA DA COSTA AFRICANA QUE LUDIBRIAVA E EXTORQUIA DINHEIRO AOS BANCOS E AOS COITADOS DESTA TERRA? Pelo curriculum do Homem, vê- se claro que NANÁ está bem representado, pois, como diz o povo, DJON KI KONCHE DJON, ou seja, LADRON KI KONCHE LADRON.
Responder
-2 # José Manual 08-09-2019 16:07
Kkkkkk. Si nhu fla ma Djon Ki contche Djon, a nhó ê Djon! Hora ki nhu Djon ta ponta alguém dedo quato ta fika apontadu pa Djon.
Responder
+7 # Daniel A. 07-09-2019 17:50
Com esta tirada o Kabra acabou de confirmar na opinião pública a condenação do Arnaldo Silva. Quem tem argumentos de facto e de direito para se defender nos tribunais não lança mão de quimeras e banalidades. Acusar o MP de estar a fazer política no caso dos terrenos da Praia em que todos nós conhecemos um pouco dos esquemas p, significa precisamente a Assumpção da impotência defensiva perante a assertividade da acusação. De todo o modo, este ataque a justiça Caboverdiana põe-na perante a necessidade de não tetubiar e de não transigir, mesmo frente a poderosa rede que os praienses muito bem conhecem. A rede de poder, dinheiro, capacidade de controle da máquina pública com suborno e ainda de fortes tentáculos com o crime organizado. Finalmente entramos no túnel donde ou se credibiliza a justiça e salvamos a Nação, ou nos intimidam, recuamos e destruiremos a luta de A. Cabral, P. Pires, Abilio Duarte, Aristides Pereira e demais homens íntegros .
Responder
0 # Gastão Elias 08-09-2019 12:03
Daniel A. Saia do anonimato e assine esta opinião que é válida e nem podia deixar de ser. A entrevista falou de forma a que toda a gente entenda o que está em jogo. A sua opinião não tem nada se substantivo. Levanta suspeitas apenas. Por esta razão utiliza o anonimato.
Responder
+5 # Maria Rodrigues 07-09-2019 14:04
Meu caro, como sabe que o processo foi aberto do nada ???

Pelo que sabemos, a medida recente do MP foi o culminar de mais de 10 anos de investigação ...

Quem viver verá ...
Responder
+1 # toto 07-09-2019 11:00
Comprova-se que pelos dados exposto a morosidade e ausência da justiça arquivando casos.
Responder
+3 # Manel Bandid 07-09-2019 10:54
Então.. a investigação da PJ também não vale nada? Tudo uma armação?
Responder
-6 # Curandeiro do Monte 07-09-2019 10:47
Já é altura dos Tribunais começarem a julgar falsas denúncias e pessoas irresponsáveis. Querer atingir pessoas inocentes, via processo judicial, como forma de se conseguir objectivos políticos constitui uma perversão inaceitável da democracia. Mander prender um advogado sem ouvi-lo uma única vez põe a nu o nosso Sistema Judiciário. A Procurador Geral da República tem de verificar factos e ter provas consistentes antes de privar um cidadão da sua liberdade individual e por em causa o seu bom nome. Estou seguro de que Vieira Lopes ou Estado de Cabo Verde sofrerão responsabilidade civil por esta barbaridade jurídica. Se querem derrubar a Câmara da Paria via processo judicial esqueçam. O Óscar é uma pessoa íntegra, séria, religiosa praticante e vai ganhar novamente, principalmente se conseguir renovar a sua equipa, deixando cair os membros mais criticados.
Responder