Pub

marcelo1

O Presidente da República português, Marcelo Rebelo de Sousa, revelou que um ex-autarca do Mindelo, que não identificou, lhe ofereceu uma casa em domínio público marítimo, mas que recusou, o que verificou, a prazo, ter sido uma decisão sensata.

 

O chefe de Estado falava numa cerimónia de receção à comunidade portuguesa, num hotel do Mindelo, onde na terça-feira terminaram as comemorações do Dia Portugal, iniciadas em Portalegre, perante o primeiro-ministro cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva, e o Presidente de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca.

“Aqui tive a oferta de um autarca de outros tempos da oportunidade de vir a ter teoricamente uma casa situada em domínio público marítimo, em condições idílicas, mas que a minha intuição me disse que não deveria aceitar em termos de doação”, afirmou.

Marcelo Rebelo de Sousa considerou que tomou a opção certa: “Foi correto. Porventura não teria chegado a Presidente da República”.

“Teria tido o prazer de agradar a cabo-verdianos, mas não teria tido realmente aquela preocupação de isenção levada ao extremo, mas que a prazo de umas décadas acabou por se verificar que tinha sido sensata”, acrescentou.

No final da sua intervenção, o Presidente da República condecorou o escritor cabo-verdiano Germano Almeida e o ator e encenador português João Branco.

Germano Almeida, autor de “A Ilha Fantástica”, “Os Dois Irmãos” e “O Testamento do Sr. Napumoceno da Silva Araújo”, entre outras obras, vencedor do Prémio Camões 2018, recebeu o grau de comendador da Ordem do Infante D. Henrique.

João Branco, que chegou em 1992 a Cabo Verde, onde fundou o Grupo de Teatro do Centro Cultural Português do Mindelo, do qual é diretor desde 2014, recebeu o grau de comendador da Ordem do Mérito.

Com Lusa e Observador



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # João Pedro 12-06-2019 15:59
COISA FEIA HEIN SR. PRESIDENTE DE PT, VIR DE VISITA A ESSAS ILHAS, FAZER AQUELE RIDÍCULO DESFILE DE DIA DE PORTUGAL COMO SE AINDA FOSSEMOS COLONIAS DE PT E AINDA FAZER riolas, UUFF, NOJEIRA.
Responder
+1 # Rogério Monteiro 12-06-2019 08:15
O Onésimo Silveira foi quem tentou corromper o Marcelo Rebelo de Sousa, assim como fez com o Presidente da Câmara Municipal de Oeiras.
O Onésimo devia estar preso.
Responder