Pub
Por: Janira Hopffer Almada

JHA ponto de vista

Desta vez, veio o Senhor Vice-Primeiro-Ministro e Primeiro-Ministro em exercício, Dr. Olavo Correia, acusar o PAICV de “sede, sem limite, do poder”!

Senhor Vice-Primeiro-Ministro e Primeiro-Ministro em exercício,

Podemos não defender as mesmas coisas!

Mas, deveríamos defender a causa que está acima de todos nós: Cabo Verde!

Mais do que discutir quem tem, ou não, sede de poder, o Governo da República deveria estar a assumir o Mandato que o Povo lhe deu, para resolver os problemas gigantescos que o País ainda tem, em sectores estratégicos, como os Transportes, o Turismo, a Agricultura, sem esquecer a Saúde e a Educação, e sobre os quais prometeu mundos e fundos, nas campanhas eleitorais!

Os Senhores, ao invés de estarem preocupados com o PAICV, deveriam estar concentrados em gerir, com sensatez e ponderação, os escassos recursos deste País, para resolver os problemas prioritários da população, de forma séria e responsável, e com uma visão para o desenvolvimento!

Isso, infelizmente, não está a acontecer, pois o V. tempo é repartido, salvo o devido respeito, entre viagens e deslocações, fóruns e conferências no exterior, caminhadas e festivais!

Vejamos:

Os mesmos Senhores que prometeram gerar uma poupança de 200.000.000$00 por ano, com um Governo pequeno e eficiente (vide a página 9 do V. Manifesto), e que, hoje, já aumentaram as despesas do Governo em mais de 5 milhões de contos (mais concretamente 5.590.598.584$00) é que acusam o PAICV de sede do poder!

Os mesmos Senhores que prometeram a imediata reestruturação e privatização dos TACV (vide a página 9 do V. Manifesto) e que, depois de ganharem, decidiram privatizar 51% da Empresa por 48 mil contos (dos quais o Estado não recebeu ainda nem um tostão, e, muito pelo contrário, já deu o seu aval para a nova Companhia, na aquisição de novos aparelhos) é que acusam o PAICV de sede do poder!

Os mesmos Senhores que prometeram organizar, unificar e qualificar o mercado agrícola nacional (vide a página 19 do V. Manifesto) e que, depois de ganharem, pararam todos os investimentos no mundo rural, desmantelaram o Programa de Luta contra a Pobreza, e abandonaram o campo, os agricultores e os criadores de gado, em 2 anos consecutivos de seca, é acusam o PAICV de sede do poder!

Os mesmos Senhores que gastam rios de dinheiro que o país não tem, apenas para irem a Paris, numa operação de marketing, anunciar a mobilização de 850 milhões - dos quais apenas 49 milhões são reais e haviam sido mobilizados antes dessa famosa ida a Paris – é que acusam o PAICV de sede do poder!

Os mesmos Senhores que prometeram um crescimento económico médio mínimo de 7% (vide as páginas 21 a 24 do V. manifesto), e, até este momento, não conseguiram apresentar uma única medida consistente para o motor da nossa economia – o Turismo – para além de promovido um monopólio privado nos transportes aéreos internos (com os danos que todos conhecemos, para os cabo-verdianos) e da atabalhoada medida de isenção de vistos (que teve de ser “substituída” pelo aumento da Taxa de Segurança Aeroportuária, quando se foi fazer as contas, onerando os cabo-verdianos) é que acusam o PAICV de sede do poder!

Os mesmos Senhores que prometeram eliminar todos os desperdícios do Estado na Administração Directa e Indirecta, e já aumentaram os gastos em 9 milhões de contos, de 2016 a 2018 (mais concretamente, em ECV – 8.595.297.665$00), sem que se conheça uma única Reforma estruturante com a V. marca, é que acusam o PAICV de ter sede do poder!

Senhor Vice-Primeiro-Ministro e Primeiro-Ministro em exercício,

Num momento em que o Sistema de Saúde dá sinais claros de não estar capaz de responder às necessidades do país, o seu Governo deveria estar concentrado em trabalhar para garantir uma sociedade com mais saúde.

O seu Governo deveria estar concentrado em promover o desenvolvimento no domínio das infraestruturas, dos recursos humanos, do desenvolvimento institucional, e da regionalização dos serviços do subsistema farmacêutico e de tecnologias de saúde - incluindo a telemedicina - do sistema de informação sanitária, e da mobilização de recursos financeiros para o financiamento do Serviço Nacional de Saúde.

O Senhor, ao invés de duplicar os custos com o pessoal do Quadro Especial do seu Gabinete (de escolha pessoal, livre e directa), deveria estar concentrado em trabalhar para aumentar a capacidade de fornecer tratamento diferenciado, tal como a quimioterapia, a diálise e a neurocirurgia, e, ao mesmo tempo, reforçar as respostas dos serviços de atenção primária, para evitar aquilo que tem acontecido, lamentavelmente!

O Senhor, ao invés de estar a anunciar milhões e biliões semanalmente, deveria estar concentrado em fazer com que esse dinheiro (que nunca mais acaba) chegasse á população e respondesse aos anseios deste Povo que V. escolheu como Solução, e só tem tido, como resposta, a desilusão da V. governação inconsistente e intransparente.

E veja Senhor Vice-Primeiro-Ministro e Primeiro-Ministro em exercício:

Nem lhe vou falar do perdão das dívidas a “algumas Empresas” que o Senhor concedeu, e das eventuais razões que o levam a não divulgar essa bendita lista de “beneficiárias” deste perdão!

Só lhe direi que bastaria que o Senhor não duplicasse os gastos do seu Gabinete, com o Pessoal do seu Quadro Especial, que não aumentasse os gastos do Governo em mais de 5 milhões de contos e não aumentasse os gastos do Estado em mais de 9 milhões de contos, para que este Povo tivesse mais e melhores respostas, pelo menos na Saúde, na Educação e na Luta contra a Pobreza.

Só lhe vou dizer que bastaria que o Senhor fizesse melhor uso das Embaixadas e realocasse parte dos 636 mil contos das V. viagens, na agricultura, para que o Povo do campo tivesse mais esperança!

Só lhe direi que, enquanto o seu Governo insistir nessa Governação Inconsistente, com medidas avulsas, numa autêntica navegação á vista….

Só lhe direi que, enquanto o seu Governo insistir em fazer uma “Politica de Rico” apenas para uns poucos, deixando a Maioria da População a passar por grandes dificuldades, o Senhor e o seu Governo terão de acusar o PAICV de ter sede do poder até o fim do seu Mandato!

Artigo original publicado pela autora no facebook



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

-1 # Daniel A. 13-08-2019 14:10
Tudo o que foi dito ao Olavo Correia é verdade . O problema é a situação do PAICV para poder constituir-se em alternativa, uma vez que a Sra Janira afastou os homens credíveis e maduros para ficar com gente que não merece nem respeito e nem credibilidade. Quem é que acredita na Eva Ortet que nem criolo sabe falar? E os outros: Nando e Paula Moeda; Joanilda; Nuias; Zé Black, João do Carmo, Móises Borges, Julião tudo gente constituído arguido por desvios de dinheiro do Estado . Acha que algum cabo-verdiano idôneo reconhece nesse seu PAICV alternativa a Ulisses e Olavo? Já agora, a Senhora, que pergaminhos ostenta. Transparência ? Seriedade ? Respeito pelas regras da Democracia ? Capacidade de liderança ? Austeridade ? Respeito pelos bens do Estado ? Espero que não haja censura !
Responder