Pub
Por: Carlos Fortes Lopes

 Carlos F. Lopes

Caso este assunto da morte do Giovani não for esclarecido e os criminosos não forem julgados os estudantes africanos continuarão sendo os mais vulneráveis nos Campus universitários e nas discotecas frequentadas por esses estudantes de cor da pele escura. Esta situação destrutiva do bem-estar e da livre circulação de jovens estudantes africanos na sociedade racista portuguesa é um sinal preocupante e do estilo orwellianismo.

Concretizando as nossas suspeitas, estaremos perante uma total falta de respeito para o ser humano e violação dos direitos humanos dos estudantes africanos em Portugal.

Caso o assunto não for levado à comissão dos direitos humanos da UE, Cabo Verde terá que solicitar o apoio do tribunal internacional. Entretanto, caso o Governo de Cabo Verde não agir de acordo com as regras constitucionais do país, declararei violação dos direitos constitucionais do cidadão Giovani.

O Governo de Portugal terá que responder à Comissão dos Direitos Humanos na União Europeia para justificar esse assassinato. Caso Portugal não for capaz de responder às leis estipularas pela UE o assunto é lá com eles. O que é certo é que Cabo Verde tem agora uma justificação para solicitar a retirada dos governos de Portugal, das nossas negociações com a UE.

E os alunos africanos são a partir de agora incentivados a relatar "incidentes de preconceito" (racismo), sem medo de qualquer tipo de represália.

O discurso do Primeiro Ministro de Cabo Verde carece de detalhes e não pode ser considerado sinal de representação dos direitos humanos do jovem Giovani e nem tao pouco como consolo à família e amigos do malogrado.

O Estado de Cabo Verde, através do seu presidente, terá que ter uma posição mais firme e para além da amizade entre os dois chefes de Estado.

Na minha opinião político-social, considero certas opiniões governamentais carentes de conteúdo e vazios de sensibilidade para com o sofrimento da família do Giovani.

A Voz do Povo Sofredor

 



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+1 # pedro 07-01-2020 19:37
Caro Carlos Lopes.

A sua opiniao e uma miseria. Caramba pa.
Responder