Pub
Por: DRC

 trabalhadores

Cabo Verde está a comemorar a semana da República. Ontem, 13 de janeiro, comemorou-se o dia da liberdade e da democracia. Corridas pelas ruas da capital e discursos na Assembleia Nacional marcaram oficialmente o dia. Antes, aconteceu um megajantar na cidade do Mindelo, onde 700 jovens terão participado, segundo nota da organização, ou seja, da JpD. Esses são os eventos oficiais já realizados!

Fora do campo oficial, ou melhor cá em baixo onde o cabo-verdiano labuta, sendo dia da liberdade e da democracia, os trabalhadores resolveram sair à rua para reivindicar melhores salários e melhores condições laborais.

Com o país a crescer acima dos 5%, segundo dados oficiais, os trabalhadores entendem que deve haver uma melhor repartição desse crescimento, sobretudo no rendimento das famílias, concretamente na mesa de cada cabo-verdiano.

Mas o governo e o partido que o sustenta têm entendimento diferente, ou seja, esse grupo entende que a manifestação dos trabalhadores se deve às birras políticas, associadas ao facto, hipotético, de hoje haver mais liberdade no país. Dito de outro modo, para o MpD e o governo, os trabalhadores cabo-verdianos estão a chorar de barriga cheia, alimentados pela intriga política e pelos encantos da liberdade.

Sendo o crescimento de que oficialmente se fala real e verdadeiro, então somos forçados a admitir que a manifestação dos trabalhadores cabo-verdianos ganha automaticamente legitimidade, sendo um ato natural de exercício da cidadania, a defender mais justiça social na repartição das riquezas que, dizem os dados oficiais, estão sendo gerados no país.

Cabo Verde regista uma longa e bonita história de superação, de luta e de conquistas. É um país com elevada autoestima e ciente dos seus limites e desafios.

O cabo-verdiano também é assim, como o seu país, persistente, corajoso, portador de uma capacidade ímpar para transpor barreiras e desafiar o impossível.

Filho de um país pobre, arquipelágico, seco, o cabo-verdiano cedo se percebeu que devia explorar o mundo para além do horizonte azul que lhe perdia de vista todas as manhãs, e se lançou ao mar, transportando consigo, no coração, na alma, essas pobres ilhas pelos quatro cantos do mundo.

Escravo, marinheiro, operário, emigrante, soldado, político, o cabo-verdiano soube sempre se definir e se posicionar face às diversas contingências que o destino lhe confrontara ao longo dos tempos, com sabedoria e sentido de nobreza.

Venceu a escravidão, o colonialismo, a fome, a seca, o abandono, a insularidade. Ganhou a independência, a liberdade e a democracia.

Lutando sempre!

Porque o cabo-verdiano conhece o seu valor, o ónus de ser independente e a decência da sua liberdade. Sabe o custo do seu país e distingue pessoas de coisas e coisas de pessoas. Conhece o preço da liberdade e jamais trocaria causas por coisas e coisas por causas.

Foto: Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # copyright 14-01-2020 14:02
todos temos q refletir e honrar a Lei começando na casa cumprindo com os direitos das domesticas , dos donos dos comércios q aproveitar-se da necessidade do empregado para fazer-lhe trabalhar mais de 8 hrs , dos funcionários públicos q esquece que não estão fazer favor pois são servidores públicos não donos do pedaço , etc e' crescente o egoísmo a falta de solidariedade neste abismo social ,as pessoas tem mais medo reclamar em "dimo" que na época colonial !!!!!!!!!!! o ditadura !!!
Responder