Pub
Por: DRC

68525496 444452812820685 2711775649852293120 n

Muito já se escreveu por aí sobre as trapalhadas do MpD e do seu governo, mas parece que este grupo, de facto, não consegue tomar tino, inúmeras as confusões em que se mete, tanto por palavras e atos e omissões. 

Ulisses Correia e Silva e a turma que o segue são, de facto, trapalhões. E confusos. Dizem coisas que nunca fazem, fazem coisas que nunca dizem. Governam consoante as pressões e são especialistas na manobra de intimidação. 

Para o MpD, e o seu chefe, criticar a governação é um ato ignóbil, condenável, de lesa pátria, porque antipatriótico. Com o MpD, o bom cidadão é aquele que aplaude tudo o que o governo faz, mesmo quando falta pão na mesa, falta saúde, falta segurança, falta emprego, falta rendimento para as necessidades básicas do ser humano. Mesmo quando a corrupção, o assalto aos recursos públicos, são sintomas evidentes para todo e qualquer cidadão, por mais distraído que seja…  

Aliás, o próprio Ulisses Correia e Silva acaba de inventar um conceito de cidadania, à sua imagem e semelhança, convidando os cabo-verdianos, os jovens, a amarem o sofrimento... porque, convenhamos, propor o silêncio a quem esteja a passar por situações de falta de trabalho, de educação, de formação… a quem esteja a assistir à delapidação dos recursos estratégicos do Estado a favor de privados, como esta que está aqui a acontecer entre nós, é contranatura... ninguém consegue ficar calado face ao estado de calamidade institucional por que passa o país. 

Exagero... nada. O governo e o partido que o apoia estão a convidar os cabo-verdianos a adotarem comportamentos masoquistas. Esquece o MpD, que se arroga de ser o pai da democracia em Cabo Verde, que a palavra e a indignação são os ingredientes essenciais que  aromatizam a democracia.

Enfim, é muita trapalhada, com desconsiderações, intimidações e zombarias pelo meio.

Vejamos. O governo havia anunciado, logo nos primeiros meses do mandato, a morte da Cabo Verde Fast Ferry, pela boca do então ministro da economia, José Gonçalves. 

O anúncio foi objeto de severas críticas da sociedade civil, da oposição e dos acionistas da referida empresa. Não se sabe se por motivo das críticas ou por outro motivo qualquer, o certo é que, pouco tempo depois do anúncio do então ministro da Economia, apareceu o ministro das Finanças, Olavo Correia, a desmentir o Gonçalves, afirmando que tinha um plano para a Cabo Verde Fast Ferry. 

Só que ninguém imaginaria que o plano do Olavo Correia era concessionar os transportes marítimos inter-ilhas a uma empresa privada estrangeira, num concurso carregado de vícios, conforme atestam inúmeras queixas dos armadores nacionais e outros concorrentes, oferecendo os barcos da Cabo Verde Fast Ferry ao presumivel vencedor do referido concurso, porque, ao que tudo indica, este nem barcos tem. 

O vídeo junto mostra o plano que o Olavo Correia tinha para a referida empresa. Afinal, Gonçalves tinha razão... Cabo Verde Fast Ferry era uma vez. Agora é CV Inter-ilhas. Já começou o processo de substituição do nome. Sen djobe pa lado.

 



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+1 # JORGE 16-09-2019 10:33
NÃO SOU APOLOGISTA DESSA FORMA DE JORNALISMO VOSSO POIS PARA ALÉM DA FALTA TOTAL DE ÉTICA, NÃO ASSINAM AS DITAS NOTICIAS NUM ATO FRACO DE MANDADORES DE BOCAS APENAS, O QUE VOS DESCREDIBILIZA MUITO EMBORA SABE-SE QUE SÃO DO PAICV!! MAS FALANDO DA CV INTERILHAS O POVO TEM DE RECLAMAR SAIR AS RUAS PORQUE ISSO ESTA DEMAIS: ROUBAM DOS CABO-VERDIANOS PARA DAREM AOS PORTUGUESES??? VÊ-SE CLARAMENTE QUE É UM ATO DE CORRUPÇÃO TOTAL, PERGUNTO QUANTO DINHEIRO O OLAVO CORREIA VAI TOMAR DEBAIXO DA MESA COM ESSE SUBSIDIAR EMPRESAS PORTUGUESA?? ELES NÃO TEM, BARCO NENHUM E USAM AS DOS ARMADORES DE CV E AINDA SE COMPRAREM ALGUM BARCO VAI SER COM O DINHEIRO DOS CABO-VERDIANOS PARA ENRIQUECEREM E MANDAREM OS LUCROS PARA PORTUGAL???? QUE RAIO DE BANDIDAGEM É ESSA???? REVOLTAM SAIAMOS AS RUAS SIM!!!!!
Responder
0 # toto 14-09-2019 20:44
#todo$$$ $omo$$ NaNa&#
Responder
+2 # Tati 18-08-2019 17:46
MPD ka ta sirbi pa guvernu. Ez podi ser camara mas guvernu ka pa ez. Um dizastri kompletu. Ez ki passa bida ta manda boka di barkus di Fast Ferry gossi ta uzass komu aez ki inkontra soluson pa cauberdi. Uma disgraça. MPD é so um mandatu e mais nenhum. Aez ka ta sirbi pa guverna.
Responder
-5 # Kelvin da Luz 17-08-2019 14:57
A isto chamam jornalismo??? Vcs estao vendidos ou sao um jornal do paicv. Nem tem dignidade de assinar o artigo e nao se viu nada de mais no video. E para piorar vcs sao mentirosos, os barcos da CV Inter ilhas sao todos barcos de armadores caboverdianos. Se fosse como querem vcs dizer , os armadores ficariam calados????? Vcs sao a escumalha ao serviço do paicv
Responder
+1 # Luisa G Silva 17-08-2019 13:23
Uma cambada de incompetentes! Afinal, a solução é pintar os barcos da Cabo Verde Fast Ferry com o nome da nova empresa. Os portugueses devem estar a rir e a fazer chacota destes ministros!
Responder
+7 # A. Fortes 17-08-2019 10:07
Como disse o inglês-crioulo : "txacota took account of txada"! Lembro-me agora quando, em época de campanha, o cãodigato, hoje atual Primeiro Ministro, a proferir o "sem djobi pa ladu" na altura isto, calhou bem, pois os CV Tep tinham isto na moda! Hoje o sem djobi pa ladu, ficou sem grasa! Sem gosto! É como se o pastel da Sra. Janira, que tanto zombaram, caiu numa panela de água. Esta equipa, está a meter os pés pelas mãos e a trocar a boca pelas n*degas. Porque dessas bocas só sai m*rda! O Didi e os Trapalhões - Versão Cabo Verde
Responder