Pub

Quem quiser tornar-se importante entre vocês deverá ser servo (Marcos 10:43b)

Na escola aprendemos que estrelas são corpos celestes que emitem luz própria, enquanto os planetas gravitam em torno das estrelas e se limitam a receber e refletir a luz delas. Morando desde pequena numa cidade grande, ver um céu noturno coberto de estrelas não é algo comum para mim, e costumo aproveitar cada chance que tenho de admirar esse espetáculo da natureza.

Não é à toa, portanto, que o termo “estrela” passou a ser usado também para pessoas que se destacam de alguma forma, especialmente nas artes. Essas pessoas são admiradas, imitadas, bajuladas e paparicadas. Como a necessidade de obter reconhecimento é algo natural no ser humano, ninguém considera a busca por essa admiração como algo negativo. Muitas vezes, ela é até incentivada.

Tiago e João também devem ter sentido essa necessidade. Por isso foram pedir a Jesus que lhes concedesse lugares de honra no céu.  Claro que os demais seguidores não gostaram nem um pouco disso. Talvez tenham pensado: “Ei, eu também mereço esse lugar!” Mas, como em muitos outros ensinos de Jesus, ele inverte a perspetiva humana: o mais importante é aquele que serve. Os discípulos estavam vendo só o aspecto externo da vida de Jesus: as pessoas que buscavam sua companhia, a admiração que ele recebia ao fazer milagres. Mas Jesus avisa: se nem ele, o Filho do próprio Deus, tinha como objetivo obter reconhecimento, quanto menos seus discípulos devem agir assim.

Para um seguidor de Jesus, é melhor ser planeta: para este a luz da estrela é suficiente. Ele nunca sai do rumo em seu giro constante em torno da estrela, dependendo dela para obter luz, calor e vida. O máximo que ele faz para brilhar é servir de espelho para refletir a luz da estrela à qual ele pertence. A luz de Deus é suficiente para que eu me contente em ser planeta? Lembre-se que sob a luz do sol não adianta tentar ser estrela: nem se verá o brilho dela.

“Onde existe a luz da justiça de Deus, não há lugar para estrelas” (autor desconhecido). 



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar