Pub

Quando é que o Estado de Cabo Verde irá assumir que o tráfico de droga é uma ameaça para o país? Quem manda em Cabo Verde – o povo & as instituições ou os traficantes? Há que salvar o Estado e as suas instituições!

 narco estado

Nota prévia: os factos que entre nós ocorrem demonstram que Cabo Verde está um pouco sonolento no que tange ao crime e às suas complexas ramificações. Parafraseando o imortal Norberto Tavares, é melhor cobrirmos a nossa casa com palha, mas na paz, do que morar em prédios com canseira de espírito.

Cabo Verde já esteve melhor – sem luxo, sem viatura top de gama, mas com paz, com tranquilidade. Atentemos, pois, sobre este país, a ver se ainda estaremos a tempo de corrigir os passos e cortar veredas, para salvar esta paz de Deus que, como cantou o nosso colossal Bana, não existe por este mundo fora.

Em 2006 (https://www.rtp.pt/noticias/mundo/em-cabo-verde-lider-paicv-acusa-mpd-de-comprar-votos-com-dinheiro-droga_n121247) o então Primeiro-ministro José Maria Neves tinha publicamente acusado o “ MpD de comprar votos com dinheiro da droga”.

O atual embaixador de Cabo Verde em Portugal, Eurico Monteiro, foi advogado de defesa (em nenhum país decente seria embaixador) de suspeitos de tráfico de droga na “Operação Voo de Águia” e “Lancha Voadora”.

Tivemos um presidente da Bolsa de Valores condenado por associação criminosa com traficantes de droga (https://asemana.publ.cv/IMG/pdf/Sentenca_LV_2.pdf) que, no entanto, continua a sua atividade em negócios com o Estado. A compra de automóveis - Táxis (Estado como garantia através do Pró-Capital,) - por 37 mil contos pelo atual Governo à empresa do Ex-presidente da Bolsa de Valores de Cabo Verde pode ser o sinal de que se pretende normalizar e socializar que o “crime compensa”, e tem o agravante de o ministro Olavo Correia ter sido testemunha (http://www.rtc.cv/index.php?paginas=13&id_cod=24809) a favor desse indivíduo, enquanto ex-Governador do Banco de Cabo Verde e “perito”. Será que o atual ministro das Finanças quis defender que as decisões financeiras eram legais? Qualquer pessoa de bom senso que lesse a acusação (https://asemana.publ.cv/IMG/pdf/Sentenca_LV_2.pdf ) ficaria a sete léguas deste processo.

Será que Governo e a Bávaro Motors estão tão empenhados nas suas parcerias que querem mobilizar financiamento exclusivo para trazer 500 (https://jornaleconomico.sapo.pt/noticias/cabo-verde-mobiliza-financiamento-para-comprar-500-carros-eletricos-409202) veículos elétricos (milhões de euros em compras)? Se sim, é natural e aceitável que alguém que tenha sido acusado e julgado por crimes de associação criminosa, com o agravante de tais acusações terem sido numa altura em que exercia as funções de presidente da Bolsa de Valores do país, esteja a ser ajudado pelo Governo para alavancar o seu negócio (https://www.inforpress.cv/responsavel-da-bavaro-motors-defende-parceria-efectiva-entre-governo-e-privado-para-que-haja-a-mobilidade-electrica-no-pais/)?

O governo criou mais uma lei de benefício fiscal à medida para uma empresa amiga, no caso a Tecnicil? Recomendam o bom senso e o interesse coletivo que alguém que tenha por algum motivo ou subterfúgio  “destruir” o Estado jamais deveria fazer negócios com o Estado.

Somos, de facto, um país onde a linha que separa um criminoso de um cidadão natural, ou um santo, é ténue.

Em 2012, o então governador do Banco de Cabo Verde tinha sido solicitado por Parlamentares (http://rtc.cv/index.php?paginas=21&id_cod=3805) para “dar esclarecimentos sobre supostas ligações de alguns bancos comerciais ao tráfico de drogas no caso Lancha Voadora.”

A diretora da Unidade de Informação Financeira (UIF) de Cabo Verde, Eldefrides Barbosa[i] (https://www.dn.pt/lusa/cabo-verde-com-risco-elevado-de-lavagem-de-capitais-associado-ao-trafico-de-droga-8941325.html), alertou recentemente que “de acordo com as variáveis do Banco Mundial, chegou-se à conclusão de que temos um risco elevado em matéria de lavagem de capitais, sendo que o crime antecedente com maior peso, neste momento, é o tráfico de droga.”

Em 2015, estávamos no 29º lugar do ranking dos países com elevado risco em matéria de lavagem de capitais, com foco no rendimento do tráfico de droga. Em 2019  Cabo Verde está na 11.ª posição. Em três anos de governação estamos à porta do Top 10. Qual o impacto para não atrair IDE de qualidade para o país?

A União Europeia (https://www.dinheirovivo.pt/economia/ue-cabo-verde-na-lista-cinzenta-de-paraisos-fiscais-e-macau-fica-de-fora/) acabou de colocar Cabo verde na lista “cinzenta” de paraísos fiscais. Há Bancos Comerciais com ligações ao tráfico de droga em Cabo Verde

mãe de uma inspetora da Polícia Judiciária (PJ) cabo-verdiana que investigava o "Caso Lancha Voadora" foi assassinada.

Três dias depois tentaram matar o Ex - PGR (http://www.rtp.pt/rdpafrica/noticias-africa/ex-pgr-de-cabo-verde-escapou-a-tentativa-de-assassinato_3251). O filho do Ex- primeiro-ministro foi baliado, e na ocasião José Maria Neves havia afirmado ser “uma tentativa do crime organizado para intimidar as nossas instituições.”

Recentemente Santiago Magazine escreveu um editorial a relatar o branqueamento de capital, através do Câmbio na Rua do Plateau, sem que as autoridades sequer tenham tomado qualquer medida. E, na Assomada, a segunda cidade de Santiago, a situação é ainda mais gritante.

A recente tentativa de assassinato do presidente da Câmara Municipal da Praia (http://www.rcv.cv/index.php?paginas=21&id_cod=21656), que, passados 4 meses, ainda não se sabe quem foi o autor ou autores do atentado, significa que há uma forte pressão do mundo do crime para silenciar qualquer pessoa que ousar questionar os negócios que estão sendo feitos entre o Estado e os privados, porque, pelo facto de ninguém saber quem são os donos (podem ser traficantes de drogas), qualquer pessoa está em alto risco de sofrer um atentado e tudo ficar em águas de bacalhau, ou seja, em vão. Estamos a matar o Estado de Direito Democrático.

Em 2019, no seu Facebook (https://www.facebook.com/ImaBrito/posts/10216035216848337) , Emanuel Almeida Brito, escrevia uma crónica, ''Cabo Verde: Candidato a Narco-Estado?, onde diz que “segundo um magistrado, citado por um conceituado jornal, o narcotráfico atingiu já a totalidade das estruturas do Estado”.

Um Policia foi morto e suspeita-se que os mafiosos estão envolvidos. Há polícias a proteger criminosos? O país precisa de respostas, a fim de acalmar a população.

Querem que sejamos um narco-estado?

No dia 3 Novembro de 2019, o Jornal The Telegraph , assinado pelo conceituado jornalista Colin Freeman[ii](https://www.telegraph.co.uk/news/drug-trafficking-in-cape-verde/) fez uma análise exaustiva, mas assustadora, de como o tráfico de droga está a desmoronar a sociedade cabo-verdiana, num artigo intitulado: Cabo Verde: o paraíso que é uma autoestrada de cocaína. Este artigo é um apelo e uma chamada de atenção. Quem tem ouvidos ouça!

A direção,

[i] https://www.dn.pt/lusa/cabo-verde-com-risco-elevado-de-lavagem-de-capitais-associado-ao-trafico-de-droga-8941325.html

[ii] https://www.telegraph.co.uk/news/drug-trafficking-in-cape-verde/



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Uvid Impe 07-12-2019 11:10
Bom artigo....mas pq tudo exe situação inumerado li contce so na Santiago?
Responder
0 # Alex 06-12-2019 06:03
Não é o momento de discutir o partido A ou o partido B. É momento de nos unirmos como povo, é momento de ampliar os nossos horizontes, ver alem das cores partidarias. É momento de dizer um basta a todos os corruptos que já governaram e que andam a governar o nosso país.
Responder
0 # toto 03-12-2019 22:33
Cv esta sustentar umas FFAA incensarias que não resolvem problema nenhuma nem em Cv nem na região com alto custo ,estas devem ser dissipadas na guarda nacional da sociedade com prioridade na guarda costeira e luta contra corrupção na administração da coisa publica .
Responder
0 # Paulo 04-12-2019 08:22
Sinceramente, o teu comentário tem tudo a ver. O que é que o artigo disse que motivou o teu comentário?
Responder
+2 # Gastão Elias 03-12-2019 16:59
Muito obrigado, Santiago Magazine. Irei pedir ao MpD que interpele a Procuradoria Geral da República acerca da queixa feita contra José Maria Neves acerca da denúncia feita no dia das eleições quando o acto eleitoral ainda decorria. Ele nunca apresentou provas ou agiu como primeiro ministro. Quem era amigo íntimo do Paulo Pereira, o principal arguido da Lancha Voadora ? José Maria Neves era amigo com troca de visitas e presentes e de cartão de crédito. O narcotráfico começou a agir em força em 2016 ? Antes não havia nada. O filho de José Maria Neves foi baleado por razões concretas e o Paulo Pereira, mesmo, mandou um aviso ao amigo que o traiu.
Responder
+1 # Casimiro de Pina 05-12-2019 14:10
O JMN apresentou sim queixa na PGR.
Está registado pela RTC.
Não conte mentiras Gastão desinformado.
Responder
+1 # Barbosa Mendes 03-12-2019 16:29
O que eu tenho a dizer depois de ter lido com muita atenção o que foi bem escrito,sò tenho a dizer que pelos vistos tudo que se tem passado ali ainda não é nada,visto mais estão para acontecer.Porque todos os grandes homens que fazem parte do bloco do Estado estão encurralados sem tempo de se libertarem!
Responder
+7 # Armindo Tavares 03-12-2019 07:14
Parabéns Santiago Magazine por este excelente trabalho editorial. Por esta autêntica e perfeita cartilha subsidiária para investigadores académicos, quiçá, criminalistas e politólogos que se prezem e que se pugnam por uma investigação profissionalmente aprumada.
Uma leitura atenta desta análise leva-nos a questionar, cadé o remorso dos nossos governantes? Por onde saltita o pudor ou a vergonha dos nossos de[censurado]dos? Onde está a coerência ou a equidade dos nossos justiceiros?
É o povo deveria tirar suas ilações e ser mais criterioso na escolha do seu THUG, seu CARRASCO é SALTEADOR.
E a nossa Polícia Judiciária, a famosa polícia que muitos o intitulam de Polícia Científica? Caramba, pah! Vergonha das vergonhas.
Responder