Pub

central solar definicion

O Governo prevê que privados avancem até o mês de Maio com a construção de duas centrais solares, nas ilhas do Sal e de São Vicente, numa capacidade total de produção de eletricidade de 10 MegaWatts (MW).

A informação consta do concurso público internacional para atribuição de capacidade de recepção na rede para duas centrais solares fotovoltaicas, cada uma com uma capacidade de 5MW, o qual arrancou no dia 31 de Dezembro, através da Direção Nacional de Indústria, Comércio e Energia (DNICE).

O concurso, segundo a mesma informação, consultada hoje pela Lusa, envolve a solicitação para Manifestação de Interesse (SMI) para “mobilizar promotores, consórcios ou ‘joint ventures’ do setor privado para desenhar, projetar, construir, comissionar, financiar, possuir, operar e manter” as duas centrais, em regime de produtores independentes. As duas centrais serão instaladas em Santa Maria, ilha do Sal, e em Salamansa, ilha de São Vicente.

A apresentação de propostas decorre até 31 de Janeiro e todo o processo de seleção, segundo o calendário do concurso, deverá estar concluído até 15 de maio. Estas duas centrais, cuja produção elétrica será adquirida para injeção na rede nacional, inserem-no no Plano de Desenvolvimento Sustentável (PDES) preparado pelo Governo, que define a meta de penetração das energias renováveis de mais de 50% até 2030.

A produção de eletricidade em Cabo Verde através da empresa pública Electra repartia-se no final de 2018 por 11 centrais térmicas, um parque eólico e dois parques solares, acrescidos de quatro parques de produtores independentes. A potência disponível do parque produtor da Electra, segundo informação da própria empresa, totalizava no final daquele ano 132 MW, repartida pelas centrais térmica 124,664 MW (94,4 %), centrais eólicas 0,6 MW (0,5%) e solar 6,750 MW (5,1%).

A produção de eletricidade em Cabo Verde no ano de 2018 atingiu os 429,6 GWh, sendo 79,2% de origem térmica, 18,7% eólica e 2,1% solar.

Com Lusa



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar