Pub

Ana Graça SIDS

Cabo Verde está com dificuldades em aceder ao Fundo do Clima, por ser bastante complexo, mas a coordenadora residente do Sistema das Nações Unidas, Ana Graça, acredita que será possível lá chegar.

“O processo de acesso ao Fundo do Clima é muito complexo e requer estudos de viabilidade que, à partida, terão que ser financiados pelos Estados ou por parceiros”, precisou Ana Graça, acrescentando que se está a apelar no sentido de haver tais apoios.

Reconheceu, entretanto, que o arquipélago tem “algum acesso” ao Fundo do Ambiente e que as Nações Unidas estão empenhadas em ajudar a se encontrar parceiros para apoiarem Cabo Verde na realização do estudo de viabilidade, de modo que o país consiga aceder ao Fundo do Clima.

A coordenadora do Sistema das Nações Unidas fez essas considerações ao apresentar à imprensa o balanço, a meio percurso, do II Encontro dos Pequenos Estados Insulares que decorre na Cidade da Praia.

Segundo a embaixadora Ana Gomes, uma das questões que serão apresentadas durante a próxima Assembleia Geral da ONU, prevista para Setembro próximo, em Nova Iorque, em que se fará a revisão a meio percurso da Agenda de Samoa, tem a ver com medidas que facilitem aos Estados insulares o acesso a estes tipos de financiamento que requerem muitos requisitos.

Espera que na conferência a ser efectuada durante a Assembleia Geral das Nações Unidas tenha “alguma ressonância prática” e, por conseguinte, haja “mais apoio e facilidade” no acesso aos referidos financiamentos.

Referindo-se ao encontro de Praia, avançou que nesta sexta-feira os representantes dos vários estados insulares presentes apresentaram preocupações atinentes à implementação da Agenda 2030 com a interligação da Agenda de Samoa e, neste caso, entendem que deve haver um “tratamento específico”.

Samoa Pathway é um documento adoptado pelos Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento, em Setembro de 2014, durante a conferência da ONU, em Samoa, visando o desenvolvimento sustentável através do combate às vulnerabilidades climáticas e não só.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar