Pub

 jorge carlos fonseca

O Presidente da República de Cabo Verde defendeu esta terça-feira, 28 de maio, “muita cautela” em relação à moeda única que a União Africana (UA) pretende adotar até 2020, tendo em conta a “situação específica” do arquipélago e as relações com a Europa.

Jorge Carlos Fonseca falava durante o seu discurso de abertura da conferência “Os Desafios Atuais da Integração Política, Económica e Cultural na África Ocidental”, que decorre na Faculdade de Educação e Desporto, na Assomada, interior da ilha de Santiago.

“A UA pretende adotar, até 2020, uma moeda única, com vista a facilitar as trocas comerciais. Considerando a situação específica do nosso país, nomeadamente as relações com a Europa, esta questão tem sido encarada com muita cautela”, disse.

E assegurou: “É evidente que procuraremos sempre uma integração que não prejudique os nossos interesses nacionais”.

Na sua intervenção, reconheceu que “África continua a ser um continente relativamente desconhecido para o mundo e para a maioria” dos cabo-verdianos.

“Acredito que é chegada a hora de sairmos do discurso belo de reconhecimento da grandeza deste continente e passarmos para a ação (…)”, prosseguiu.

Segundo Jorge Carlos Fonseca, “além dos riscos potenciais que a instabilidade, particularmente a derivada do terrorismo e dos tráficos ilícitos” poderá representar para Cabo Verde e para as populações vizinhas, “é fundamental que o seu controlo ou a sua erradicação ocorram para que importantes questões políticas sejam debatidas e soluções sejam concretizadas”.

O chefe de Estado referia-se, especialmente, às políticas de transporte que devem ter em linha de conta a condição de Cabo Verde enquanto Estado insular, que “tem de merecer tratamento específico, como, aliás, as normas da Comunidade preveem”.

Com Lusa

Lusa/Fim



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Jorna Lista 28-05-2019 21:45
Ai ai ai.... Senhor Presidente!
Responder