Pub

Seidy de Pina

O deputado do PAICV na Assembleia Municipal de São Domingos, Seidy de Pina, foi detido este semana por burla. Apresentado hoje ao Tribunal daquele concelho, o jovem jurista ficou sob Termo de Identidade e Residência (TIR).

Santiago Magazine sabe que Seidy de Pina, ex-lider da JPAI em São Domingos, estava prestes a embarcar para Portugal, quando foi surpreendido pela Polícia ainda no Aeroporto Nelson Mandela, na Praia. Este deputado municipal do PAICV está acusado de vários crimes de burla em que as vítimas eram os estudantes ou os pais destes.

É que, Seidy de Pina, licenciado em Direito, aparecia junto aos familiares dos estudantes pré-universitários das zonas mais distantes do concelho oferecendo vagas e garantia de matrícula numa institutição de ensino superior em portugal, de que seria o representante. Por conta disso, cobrava 120 euros a cada estudante, referente às despesas de matrícula e vistos. Ao todo, terá arrecadado mais de 3500 euros de famialiares inocentes que pretendiam ver os seus filhos matriculados na universidade.

Tudo estava aparentemente bem encaminhado, até que a embaixada de Portugal rejeitou o pedido dos vistos, uma vez que os justificativos de matrícula exigidos tinham o nome de uma instituição de ensino superior em Portugal que alegadamente não existe, ou, segundo uma suposta versão da missão lusa na Praia, "não é reconhecida". Ou seja, Seidy de Pina terá inventado essa escola para supostamente extorquir dinheiro aos pais dos estudantes. Accionada as autoridades, o alegado burlão foi detido pela Polícia de Fronteira no aeroporto internacional da Praia.

Depois de apresentado ao Tribunal, o deputado do PAICV em São Domingos, frequentemente nas páginas dos jornais com vários artigos de opinião, Seidy de Pina ficou sob Termo de Identidade e Residência. Além disso, foi-lhe interditada a saída sair do país e de contactar com as vítimas.

 



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Pedro Veríssimo 04-10-2019 10:51
Pergunto-me porque é que a entidade noticiosa, não põe como título que o "De[censurado]do municipal detido por burla fica sob medida de interdição de saída do país e de proibição decontactar com as vítimas", em vez de ludibriar os leitores dizendo que ficou sob TIR. É maneira de enganar os leitores? Ou de denegrir a justiça?
Responder
-1 # Carlos 04-10-2019 09:46
Quem prevaricar, e ser provado pela justiça, deve pagar.
Responder
+2 # Paulo Silva 03-10-2019 19:58
Aguardo com toda a paciencia a versao do Sr. Seidy dde Pina
Responder