Pub

Paula Moeda

O Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV-oposição) manifestou-se esta sexta-feira, 18 de outubro, na cidade da Praia, “preocupado” com o “fraquíssimo desempenho” do Governo em matéria de segurança dos cidadãos, particularmente na cidade da Praia.

A preocupação foi manifesta em conferência de imprensa pelo membro do secretariado do partido, Paula Moeda, para chamar a atenção do Governo no sentido de intensificar e combater a “onda de criminalidade”.

Na ocasião Paula Moeda disse ainda estranhar o “silêncio” da Comunicação Social do Estado, “com o intuito de ocultar a realidade nos bairros da Capital e no país” e de desresponsabilização das autoridades na promoção da paz, tranquilidade e convivialidade dos cabo-verdianos.

“O aumento claro dos crimes e assaltos contra pessoas e património em Cabo Verde, especialmente na cidade da Praia, é uma das grandes preocupações dos cabo-verdianos neste momento”, indicou.

A dirigente do maior partido da oposição considerou que a insegurança pública, “reconfirmada por aparatosos casos recentes”, indicia que o actual Governo não tem tido uma estratégia bem-sucedida na prevenção e no combate à criminalidade, bem como na percepção da insegurança.

Para o PAICV, apesar da propaganda política sobre a melhoria dos níveis de segurança, “reforçada pela leitura enviesada e descontextualizada dos dados estatísticos e pelo silenciamento do jornalismo do Estado”, os cidadãos têm sido vítimas quotidianas de assaltos à mão armada.

“Apesar das medidas ditas estruturais como a vigilância electrónica e do policiamento dito de proximidade, temos vindo a ser vítimas quotidianas de assaltos à mão-armada, inclusive em áreas mais inusitadas da cidade da Praia”, sublinhou Paula Moeda.

Perante essa situação, o PAICV apelou às autoridades, tanto da Administração Interna como da Justiça, a tomar medidas mais eficazes e consentâneas com o agravar da insegurança, da violência e da criminalidade.

“Quem falha na criação do emprego, do rendimento e da segurança está a falhar em sectores fundamentais e a oposição democrática não pode deixar que as coisas sejam silenciadas e escamoteadas pelos discursos da actual maioria que governa o país”, concluiu.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar