Pub

 

Cabo Verde e Angola manifestaram hoje durante um encontro realizado na Cidade da Praia, entre delegações dos dois países, o interesse em potencializar a cooperação no domínio das políticas sociais públicas.

Esta intenção foi manifestada pela ministra da Educação, da Família e Inclusão Social, Maritza Rosabal, e a secretária de Estado para a Família e Promoção da Mulher de Angola, Ruth Madalena Mixinge, num encontro de trabalho entre as delegações dos dois países visando transmitir “as boas práticas” que vêm sendo desenvolvidas pelo Governo de Cabo Verde em áreas sociais.

Em declarações à imprensa, Maritza Rosabal sublinhou a importância da reunião e da visita da delegação governamental multissectorial angolana a Cabo Verde que, segundo disse, visa aprofundar a cooperação e conhecer a experiência cabo-verdiana na implementação de políticas sociais públicas no país.

“Vamos ter durante a visita, intercâmbio de conhecimentos entre as duas delegações, com visitas ao terreno para que possam conhecer o que Cabo Verde está a fazer na área de género, do processo de municipalização, do ambiente, da educação pré-escolar, da acção social, do rendimento social, de inclusão entre outros sectores sociais”, salientou Maritza Rosabal.

Segundo a governante, durante a visita a delegação cabo-verdiana vai também conhecer a experiência angolana no domínio social. “Há uma vontade de aprendizagem mútua para melhorarmos o processo nos vários sectores sociais. É uma visita de intercâmbio de informações e experiências”, frisou.

Por seu turno, a secretária de Estado para a Família e Promoção da Mulher de Angola, disse acreditar que “esta troca de experiência entre as duas delegações vai permitir que Angola possa melhorar e reforçar toda a dinâmica de intervenção junto das populações, principalmente aquelas que carecem de uma atenção especial, nomeadamente as pessoas com deficiência e outros grupos mais vulneráveis”.

A governante disse que Angola tem a noção do trabalha que está sendo feito em Cabo Verde no domínio social, permitindo “uma melhor dinamização” dos projectos nesta área no seu país.

Na ocasião, Ruth Madalena Mixinge sublinhou que a família está no cerne da intervenção do seu governo que pretende chegar aos municípios e poder dar resposta a sua necessidade das populações.

“Cada vez mais precisamos criar mecanismos para que as famílias possam ser sólidas, coesas e harmonizadas. Estamos no processo de municipalização dos serviços sociais. Temos que dar uma resposta integrada no domínio da educação, do registo de nacimento, da acção social, da promoção dos direitos da mulher, da família, em particular da criança”, salientou a governante angolana.

Para Ruth Madalena Mixinge esta visita a Cabo Verde é importante porque permite à delegação angolana conhecer “um pouco melhor” o processo de municipalização. “Queremos conhecer o atendimento que é feito no município a nível da família, enfim todos aspectos sociais”.

Integram a delegação angolana, os secretários de Estado da Ação Social, Lúcio Amaral, e da Cultura, Maria da Piedade Jesus, bem como representantes das áreas da família, igualdade de género, deficiência, educação e ambiente.

Durante nove dias, a delegação vai visitar as principais instituições públicas e Organizações Não Governamentais (ONG) ligadas às áreas sociais em Cabo Verde.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar