Pub

submarino

O submarino fez escala em Cabo Verde e rumou em direção ao Minho, mantendo uma linha de navegação paralela à costa portuguesa a 40 milhas.

A PJ portuguesa tentou “caçar” o submarino, mas não conseguiu. Acabou por ser a Guarda Civil espanhola a detetar o submarino, ontem, em Cangas de Morrazo, com mais de três mil quilos de cocaína.

O submarino terá partido da Colômbia com três tripulantes, indivíduos estes que vão entrar para a história com a primeira viagem – conhecida – do narcotráfico submarino. O submarino fez escala em Cabo Verde e rumou em direção ao Minho, mantendo uma linha de navegação paralela à costa portuguesa a 40 milhas.

As autoridades portuguesas – através do Centro de Análise e Operações Marítimas do Tráfico de Drogas (Maoc-N), com sede em Lisboa – sabiam do submarino, mas não o conseguiram apanhar em águas lusas e comunicaram para o lado espanhol que avançou com operação.

Terá sido uma avaria no submarino, juntando a falta de combustível, que levou as autoridades a conseguiram apanhar os narcotraficantes, depois destes terem tentado um contacto em Finisterra para tentar “salvar” o produto. O submarino está fundeado nas Rias Baixas, especificamente em Cangas, depois de na madrugada de hoje, pelas 03h00, as autoridades galegas terem conseguido, com binóculos infravermelhos, localizar a proa do submersível pairando a 80 metros da costa.

Os três tripulantes saíram do submarino, antes de o fundear a cinco metros de profundidade, com equipamento de mergulho para atingir a costa. Quando colocaram o pé na praia, a Guarda Civil deteve os indivíduos. Um espanhol e dois equatorianos.

As autoridades estão a tentar aceder ao interior do submarino, encalhado na península de Morrazo.

Na operação, que ainda decorre, estão a participar agentes da Guarda Civil, Polícia Nacional e da Agência Tributária.

Com A Nação/Diário do Minho



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # JB 26-11-2019 03:09
se fez escala em CV, possivelmente foi abastecido, agua comida e combustivel. ,as por quem onde ,Ilha. e quem foram os contactos?
Responder
0 # César Isabel da Cruz 26-11-2019 11:27
Por isso é que se deve sempre empregar as palavras na sua acepção correcta. É preciso ter-se a noção do que significa "fazer escala". Passar em águas de Cabo Verde não é fazer escala.
Responder