Pub

 HS

Escrevo este texto com profunda angústia. Acredite que estou mesmo triste e decepcionado com o meu país de 44 anos de existência. Porque, tal como o leitor, poderei ser a vítima seguinte do sistema nacional de Sáude ou da falta dele. E me moveu a dissertar sobre este sector por causa de um nome: Sheron Alina Silva Lopes, um anjo de 4 anos de idade, que acaba de falecer, sem chance de tratamento adequado e atempado, por pura insensibilidade politico-administrativa do Estado e do Governo que o gere.

Sharon

A menina é de São Vicente e estava há meses à espera de autorização para tratamento no exterior devido a um tumor maligno que lhe atacou o intestino e estava a espalhar-se por todo o corpo. O processo para determinar a sua evacuação esteve, ao que se sabe, pendente entre o Ministério da Saúde e o Instituto Nacional de Previdência Social desde então, apesar da urgência que o caso merecia. Nem os apelos nas redes sociais convenceram as autoridades nacionais de Saúde a agilizar a ida da pequena Sharon a Portugal.

A mãe desesperou-se, enquanto assistia ao sofrimento da filha. O país inteiro comoveu-se com o drama da menina e quis ajudar. Fora de tempo, a criança acabou por não resistir à grandeza da enfermidade e à pequenez da Nação onde nasceu. Uma vergonha! Como acreditar nas pessoas que fazem propaganda de mais e melhor saúde, se, na prática, deixa morrer o futuro de Cabo Verde. Como não se revoltar, quando, via TV, assitimos passeios opulentos de governantes por este país afora e ao estrangeiro às custas dos nossos impostos e no entanto não há dinheiro para salvar uma criança? Como ficar mudo se as politicas económicas postas em prática, a ponto de já haver “dinheiro que nunca mais acaba”, não servem para garantir aos cabo-verdianos educação e Saúde básica?

Dou-vos mais três exemplos recentes que espelham como o sector da Saúde está enfermo, nada a ver com a propaganda governativa, nada a ver com as promessas sociais das forças politicas do país. Há coisa de duas semanas um homem sexagenário de São Domingos dirigiu-se ao hospital local com metade da face dormente e inchada. Receitaram-lhe um medicamento para dores de dente e foi mandado de volta a casa. Os familiares não acreditaram nessa estória – o paciente nem conseguia falar – e levaram o homem à Praia onde lhe foi diagnosticado princípio de Acidente Vascular Cerebral (AVC), tendo permanecido internado no Hospital Agostinho Neto durante vários dias. Isso que aconteceu é crime de negligência médica que, por pouco, não ceifou a vida do senhor.

Esta semana regressou de um hospital de Dakar, Senegal, uma jovem a quem fora diagnosticada no HAN um cancro, ao que diziam, no útero e inclusive esteve a ser medicada nesse sentido, enquanto aguentava as dores angustiantes. Sucede que, quando fez os exames no Senegal, descobriram que a menina, afinal, não tinha cancro nenhum, as dores eram de restos de sangue que os médicos do HAN deixaram ficar por baixo da sua bexiga após uma intervenção cirúrgica anterior a que fora submetida nesse hospital central. Ora, neste caso, o prazer de voltar a viver normalmente revolta pelo facto de o diagnóstico feito na Praia ter causado traumas psicológicos na jovem, durante o tratamento cancerígeno a que fora sujeito. Nota: ela saiu com ajuda de amigos, familiares e da associação SafendeTudoHora, sem qualquer intervenção do Estado.

O caso do senhor Olímpio Varela já é público: um cidadão octogenário, com doença coronária grave e que necessita de tratamento fora, não consegue sair às custas do INPS, porque a Junta, com base em pareceres de médicos não cardiologistas, que derrubaram o parecer de cardiologistas que recomendaram a sua saída para cuidados especializados em Portugal. Varela contou a sua estória neste jornal digital (título condizente, “A forma subtil de matar sem ser criminalizado") e trouxe a nu que tipo de peripécias os doentes em Cabo Verde são obrigados a passar para poderem ter acesso à saúde. Ele já está em Lisboa às custas do seu bolso, porque não pode e nem quer esperar pela Junta Médica.

E Sheron? Esta menina de 4 anos, não tinha dinheiro para suportar essa despesa. Esperou, esperou, esperou até morrer. Quantos outros cabo-verdianos estão nessa situação? Quantos padecem em Portugal, abandonados pelo INPS, a sobreviver em condições desumanas? Quantos estão a mendigar pela vida, enquanto o Estado não assume o seu papel de garantir saúde à população? Aliás, não é por acaso, que os próprios profissionais de Saúde vêm reivindicando melhores condições de trabalho, como de resto, aconteceu com os enfermeiros que ameaçaram entrar em greve no ano passado.

No tempo do anterior Governo, também aconteceram casos similares, porque, ao fim e ao cabo, é o sistema de saúde que não tem tido melhor atenção dos governantes. Enquanto o PAICV e o MpD discutem paridade do género, regionalização, mais benesses para os titulares de cargos políticos este país continuará com futuro hipotecado. Precisamente porque as prioridades estão invertidas.

Enfim, dante disso tudo, ainda querem que fiquemos – nós, o povo – calados a ver a caravana passar. Porque convém. Convém manter os cabo-verdianos de olhos fechados, tapados, furados, a troco do Poder – o de passear em carros de alta cilindrada, paquerar ‘membras’ e acenar com crescimento burguês que não chega à plebe.

 



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Telmo Pinto 10-08-2019 15:30
É triste o sucedido! Pais ter que perderem um filho em tão tenra idade, talvez por inércia do sistema. Mas, mais triste é ver os "urubus" a tirar proveito político da desgraça dos outros. Sempre foi assim! Todavia, houve a tragédia da ponte da Boa Vista que até hoje não se sacou responsabilidades. Teve gente que morreu por causa de atrasos na evacuação, para os hospitais centrais ou para o exterior. Sejamos humildes para construir um país melhor, sem procurar aproveitamento pessoal ou partidário!
Responder
+2 # ernesto rodrigues 09-08-2019 20:56
Grande artigo.
Infelizmente nesta terra queimada, ninguém (políticos) é responsabilizado pelos seus atos.
Responder
+2 # SÓCRATES DE SANTIAGO 09-08-2019 16:56
Faço minhas as palavras do nosso jornalista Herminio Silves. Eu, Sócrates, também me sinto angustiado e profundamente revoltado face a este insólito caso e outros que têm vindo a acontecer neste nosso País. Meu Deus! A culpa, desta feita, não poderá morrer, como sempre, solteira. Alguém terá que ser chamado à responsabilidade, à pedra. Não basta apenas chorar lágrimas pela Sheron e outras vítimas e manifestar condolências às famílias enlutadas. NÃO! A JUSTIÇA TEM DE SER FEITA E CABEÇAS TAMBÉM TÊM DE SE ROLAR. Esperemos que sim!
Responder
+1 # Djodji 09-08-2019 15:59
Eu falo por mim, na minha infância sofria de um problema de saúde que suscitava atenção médica especializada inclusive uma intervenção cirúrgica. eu precisava do tratamento o quanto antes para que não fica-se com sequelas permanentes, mas no entanto a junta levou anos a decidir sobre o meu caso, acredito que existe-se casos mais urgentes que o meu, mas no entanto ninguém me tira da cabeça que se hoje convivo com sequelas é por causa da negligência e a burocracia endêmica do nosso sistema nacional de saúde. Aos meus pais um muito obrigado pelo vosso sacrifício se e insistência graças a vos e aos médicos em Portugal hoje posso caminhar sem precisar de muletas ou um carinho de rodas.
Aos demais não fiquemos pelos comentários nas redes sociais e outros meios na internet, vamos para a rua clamar pelo o que é nosso por direito já basta de dar de mamar a esses políticos que só querem saber das suas agendas pessoais, #oestadoeopovo, #labantabracobugritabuliberdadi, #basta!!!
Responder
+2 # José Luís 09-08-2019 15:49
Concordo com tudo aqui apresentado. O povo de Cabo Verde tem de revoltar à sério e sair as ruas de todas essas ilhas reclamando a sério. sem, MPD, PAICV UCID ou SKOLLS são os caboverdianos a exigirem mais e melhor saúde para os caboverdianos. Eu aqui de São Vicente sinto revoltado quando vejo essa criança linda falecer porque os burocráticos de M**** do INPS, dos médicos, aqueLes arrogantes que pensam que o instituto lheS pertence tratando mal as pessoas. DEUS É PAI E ESSA gente UM DIA HÁ DE PAGAR. DEPOIS TEMOS OS POLITICOS TODOS A CHEGAREM PARA FESTIVAL DA BAIA DAS GATAS, QUE CUSTA 40 MIL CONTOS DEPOIS DO CARNAVAL DE VERÃO, QUE SABE DEUS QUANTO CUSTOU. ASSASSINOS!!!!!!
Responder
+3 # A. Fortes 09-08-2019 15:16
Acho que este diário digital não chega aos olhos destes políticos. Não é possivel, continuar a trabalhar de consciência sã, tendo a cara lata de fazer análises surreais na televisão enganando coitados. Triste notícia esta sobre a pequena Sheron, triste este nosso país que não consegue duagnosticar nada se não for em clínicas especializadas, onde a maioria dos caboverdeanos não consegue frequentar! Porque promessas não deduzem o custo destas consultas. É inconcebível e inacreditável o descaso do governo (quer este, quer o anterior) discutir medidas pouco prioritárias para o nosso país, enquanto a saúde é esquecida. Lamento e temo este país...
Responder
+2 # gregorio goncalves 09-08-2019 13:33
Bem, tempo curto atraz morreu o ex-militar e combatente de liberdade da Patria Antonio Goncalves, de Paiol. Porque? Em construcao na sua casa, um "bloco" caiu de cima e bateu-lhe na cabeca. Foi para HAN e somente saturam a ferida com uns ponto. Imaginem um "bloco" a cair de cima da casa e baer na cabeca de uma pessoa que se encontra no chao. Sera que nao merecia uma analise aprofundada do impato? Pois, menos que 6 (seis) mese morreu. Morreu por causa da coagulacao de sangue no cerebro. Morreu internado durante mais de 2 (dois) meses no HAN. Morreu a espera de melhor tratamento. Sera que o Ministerio Publico houve essas situacoes?
Responder