Pub

 caboverdeairlines

A Cabo Verde Airlines adiou para o verão de 2020 o início da ligação aérea entre a ilha cabo-verdiana do Sal e Luanda, operação que deveria arrancar em dezembro, com a companhia a alegar “razões comerciais”.

A companhia afirmou, em comunicado, que mantém a aposta no mercado angolano, garantindo que este adiamento “permitirá uma adequada implementação de todos os mecanismos de promoção, venda e parcerias” da futura ligação.

A Cabo Verde Airlines acrescentou que tudo será feito “respeitando as características próprias do mercado de Angola e dos diversos intermediários que prestam serviço na indústria do turismo e transporte aéreo”, e assegurou que iniciou o processo de “proteção dos passageiros” que já tinham adquirido bilhete para a rota Sal/Luanda.

A companhia, privatizada em março deste ano, quando passou a ser liderada pelos islandeses da Loftleidir Icelandic EHF, disse manter o interesse naquele mercado, incluindo o acordo de ‘code share’ com a companhia aérea angolana TAAG, que desde 26 de abril assegura voos entre a capital angolana e a ilha do Sal, com escala em São Tomé e Príncipe, duas vezes por semana.

Até ao final do ano, além da anteriormente prevista rota para Luanda, a Cabo Verde Airlines tem em curso o processo para novas ligações a Lagos (Nigéria), Washington (Estados Unidos da América) e Porto Alegre (Brasil), tendo ainda reforçado a rota para Lisboa, com voos a partir da Praia.

A companhia aérea cabo-verdiana garante também ligações do arquipélago para Dakar, Paris, Milão, Roma, Boston, Fortaleza, Recife e Salvador.

Com Lusa



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar