Pub

IGAE Caipirinha

A Inspecção Geral das Actividades Económicas (IGAE) informou esta terça-feira, 20, que foi apreendido num dos estabelecimentos na zona de Quebra Canela, aguardente de matéria-prima não identificado, que era utilizado para produção da caipirinha.

Sem citar o nome do referido estabelecimento, a IGAE, num comunicado, explicou que a aguardente de produção proibida era comercializada em boias (baiões) de 25 litros, sem nenhuma informação que garanta a sua rastreabilidade de agressão à saúde.

Conforme indica a nota, cada litro desta “bebida ilegal” é vendido em torno de 200 escudos e a caipirinha originária é vendida por 400 escudos cada unidade.

“Uma das pistas de que a aguardente usada na produção da caipirinha não é de cana-de-açúcar são as consequências que aparecem depois do seu consumo, nomeadamente náuseas, vómitos e dor de cabeça”, pode-se ler.

A IGAE já iniciou a instrução do processo para apurar a origem da bebida e fazer devida punição ao produtor e ao comerciante.

Nesta linha, a IGAE alerta ainda aos consumidores para evitarem consumo de aguardente que não esteja devidamente engarrafada e rotulada, para melhor protecção da saúde e para permitir as autoridades de fiscalização facilidades na localização dos seus produtores.

Esta operação foi feita em parceria com a Polícia Nacional, Guarda Municipal e Câmara Municipal da Praia, em seguimento das acções preventivas realizadas por envio de informações, mensagens telefónicas e por nota oficiosa.

As operações aconteceram durante o último fim-de-semana, no qual foram feitas várias intervenções para verificar o cumprimento do regulamento e normas que disciplinam as actividades económicas, fazendo intervenções relativas à poluição sonora e horário de funcionamento.

Com Inforpress

Comentar