Pub

enceramento conselho nacional cdao

O ministro de Estado, Fernando Elísio Freire, garantiu esta sexta-feira, 22, que Cabo Verde aposta forte na segurança, para tingir os objectivos estruturantes de desenvolvimento, sendo um activo estratégico para a paz social e credibilidade.

Fernando Elísio Freire fez esta observação no seu discurso de enceramento da 1ª Mesa Redonda dos Conselheiros de Segurança Nacional da África Ocidental, evento que decorreu na cidade da Praia e que contou com presença de países da CEDEAO como Cabo Verde, Burkina Faso, Costa do Marfim, Gâmbia, Gana, Níger, Senegal e Serra Leoa, Togo mais Marrocos e Mauritânia.

O governante começou por dizer que a realização da mesa redonda dos Conselheiros de Segurança Nacional da África Ocidental na cidade da Praia é sinal de “confiança” no nosso país e nas nossas instituições.

De acordo com o ministro de Estado, dos Assuntos Parlamentares e da Presidência do Conselho de Ministros e ministro do Desporto, em Cabo Verde a segurança “é um activo estratégico e económico”, porque é fundamental para a paz social, que são “elementos importantes” na atracão e materialização de investimentos.

Segundo informou, o Governo encara a segurança como um elemento chave para atingir os quatro objectivos estruturantes, nomeadamente fazer de Cabo Verde uma economia de circulação no Atlântico Médio, garantir a sustentabilidade económica e ambiental, assegurar a inclusão social e a redução das desigualdades e assimetrias, reforçar a soberania, valorizando a democracia e orientando a diplomacia para os desafios do desenvolvimento do país.

“O nosso objectivo a nível de segurança é oferecer aos residentes um padrão de segurança aceitável e de tornar Cabo Verde um país com bom nível de segurança para o turismo, enquanto principal eixo da actividade económica”, afirmou.

Salientou que nos últimos anos já foi reforçado a securização das fronteiras aéreas, documental e do espaço marítimo e aumentou-se, a nível da ordem pública, a capacidade de protecção da integridade física, da propriedade e do património, e das empresas.

Apontou também a implementação de uma política segura, focada no homem, que aborde uma perspectiva global e integrada, abrangendo em temos conceptuais, além da segurança pública e combate à criminalidade, a segurança alimentar, a preservação do ambiente, a segurança nos transportes, as questões macroeconómicas com reflexos na vida dos cabo-verdianos.

Por outro lado, referiu o ministro, as migrações e os crimes transnacionais “exigem uma cada vez mais estreita” colaboração e cooperação entre os serviços de segurança e, ajuntou, o executivo está empenhado em reforçar a integração do arquipélago no espaço da CEDEAO ao nível da segurança.

“Estamos empenhados numa integração regional crescente, baseada no conhecimento mútuo dos desafios e oportunidades que enfrentamos, enquanto países e enquanto sub-região”, disse o governante.

“Estou certo que com este encontro e com a declaração de praia, os mecanismos de concertação e cooperação saem reforçados”, adiantou.

Realizada em parceria com o Centro de Estudos Estratégicos para África (ACCS) da Universidade de Defesa dos Estados Unidos da América, esta 1ª Mesa Redonda reuniu todos os conselheiros e altos funcionários detentores do cargo que coordenam as questões de segurança dos respectivos países, para discutir os desafios transnacionais de segurança na região da África Ocidental.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar