Pub

 barraca

O fogo deflagrou por voltas das 22 horas. Mais de meia dezenas de barracas já foram consumidas pelas chamas. Ainda não se sabe se há vítimas mortais. Bombeiros, polícias e populares estão no local a combater as chamas.

O ambiente é de muita tristeza. Gritos e choros por todos os lados. Residem no bairro mais acima de 3 mil pessaos, na sua maioria oriundos de Santiago e da costa oeste africana.

Os residentes neste bairro de latas são trabalhadores das obras, hospedeiras de hoteís, entre outros pequenos ofícios pontuais, numa ilha dominada pelo turismo e pelos grandes resorts.

Uma testemunha ocular informou ao Santiago Magazine que ouviu explosões de garrafas de gáz. E viu uma criança sendo transportada para o hospital. A cidade de Sal Rei está em polvorosa. As autoridades policiais já cercaram o local, mas tudo indica que os meios disponíveis estão sendo insuficientes para o volume das chamas.

As causas do incendio também ainda não conhecidas, porque tudo foi muito rápido e as pessoas estão atónitas.

O bairro das barracas na cidade de Sal Rei envergonha qualquer cidadão, sobretudo quando se sabe que residem ali as pessoas que fazem a economia daquela ilha funcionar. 

Várias tentativas dos poderes públicos no sentido de resolver o problema ainda não saíram do papel, enquanto pessoas de bem correm o risco de vida, por causa da falta de saneamento, da água e dos bens básicos num país que se diz de rendimento médio.

O bairro não oferece as mínimas condições de habitabilidade e não é a primeira vez que pegou lume.



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # SÓCRATES DE SANTIAGO 16-01-2019 10:21
A nossa solidariedade para com as famílias fustigadas pelo incêndio. Já é tempo de se resolver os graves problemas dos bairros das Barracas na Boa Vista e no Sal e os bairros de Latas por todas as ilhas de Cabo Verde, sobretudo, aqui nesta Cidade da Praia, Capital do País.
Responder
0 # Terra-terra 16-01-2019 08:56
O Presidente da Republica e muitos outros politologos acham que a nossa democracia esta consolidada. A justica social, que e o fim da democracia esta consolidada?
Responder
0 # ALCINDO AMADO 16-01-2019 08:21
Este jornal está MAL informado ou anda mergulhado num sono profundo que urge acordar. Meus senhores, Atualmente a ilha da Boa Vista tem cerca de 15 mil pessoas e nessa cidade fantasma (a zona das barracas) sobrevivem mais de metade desses 15 mil. Mais, não se compreende como é que as autoridades nacionais permitem que estrangeiros venham para Cabo Verde, sem qualquer tipo de meios de sobrevivência e para construírem BARRACAS.
Responder
0 # Castaignos 16-01-2019 07:05
Na ilha do Sal, o bairro de Alto Santa Cruz, segue a mesma pisada. No ano passado houve vários incêndios e um, no inicio de ano. O poder político faz vista grossa e a criminalidade, principalmente, é entregue nas mãos da policia, num bairro sem iluminação pública, com proliferação de barracas e "desurbanizada".
Responder
0 # MARIA de Fatima Dos 16-01-2019 04:20
O pior é que não é o primeiro incendio nesse local. Ha uns Anos atraz houve Mais dois incendios uma das quais .com duas vitimas mortasi.
Responder