Pub

"...apelamos às autoridades competentes desta tribuna para que tomem as medidas adequadas e urgentes para eliminar a violação dos direitos fundamentais de Alex Saab e, consequentemente, para pôr fim à sua prisão injusta."

justiça

Excelentíssimo Senhor Jorge Carlos de Almeida Fonseca

Presidente da República de Cabo Verde

Excelentíssimo Senhor José Ulisses de Pina Correia e Silva

Primeiro Ministro da República de Cabo Verde

Vossas Excelências,

A presente carta tem por objectivo denunciar perante a opinião pública a responsabilidade por acção e omissão em que incorrem as autoridades competentes do sistema prisional e os líderes políticos que os dirigem pelo tratamento humilhante e abusos que o cidadão colombo-venezuelano e agente do Governo Bolivariano da Venezuela, Alex Saab, sofre desde a sua detenção ilegal e arbitrária, em 12 de Junho de 2020; bem como denunciar o desrespeito sistemático dos seus direitos humanos e a violação da inviolabilidade e da imunidade diplomática de que goza nos termos do direito internacional, decorrente do seu estatuto de agente do governo da República Bolivariana da Venezuela, cargo que goza de imunidade diplomática. Apesar deste estatuto, as autoridades policiais procederam a sua detenção arbitrária, em violação do direito nacional e internacional, mantendo-o na prisão há mais de 80 dias numa situação deplorável e em condições que violam toda uma série de normas internacionais.[1]

Nós, abaixo assinados, expomos às autoridades da República de Cabo Verde e aos cidadãos deste grande país os actos ilegais cometidos pelo primeiro contra o cidadão da República Bolivariana da Venezuela, Alex Saab, com passaporte diplomático e encarregado de missões junto ao Governo da Federação Russa, bem como ao Governo da República Islâmica do Irão, o país para onde se dirigia. A sua detenção arbitrária foi efectuada com base num falso mandado da Interpol, administrado pelos Estados Unidos, que foi posteriormente cancelado devido ao seu contexto político e à ausência de bases jurídicas internacionais válidas. Com efeito, trata-se de um processo movido por interesses políticos e económicos, orquestrado a partir de Washington, com a intenção de desestabilizar a República Bolivariana da Venezuela para obter acesso aos seus recursos petrolíferos.

Por esta razão, o agente do Governo Bolivariano da Venezuela, Alex Saab, foi privado da sua liberdade na República de Cabo Verde onde, segundo ele próprio, foi submetido a tortura e pressão por parte das autoridades para aceitar a extradição voluntária para os Estados Unidos apesar de não ter cometido nenhum crime, ter imunidade e inviolabilidade diplomática e, mesmo que houvesse um processo legítimo contra ele, não existe actualmente nenhum tratado de extradição em vigor entre os dois países.

O diplomata venezuelano detido também aponta que até os seus companheiros de prisão estão ameaçados de isolamento se trocarem palavras com ele. Alerta para o facto de a divulgação de informações sobre a sua situação através dos meios de comunicação social ou das redes sociais poder resultar em represálias que poderão deteriorar ainda mais a sua situação dentro da prisão.

Adicionalmente, o agente do Governo Bolivariano da Venezuela, Alex Saab, indica que está confinado numa cela de dois metros por dois metros quadrados, na qual permanece em completa escuridão por 23 horas por dia. Na cela, segundo o seu testemunho, há um buraco onde ele deve fazer as suas necessidades fisiológicas, sobre o qual deve também lavar-se com um balde fornecido pelas autoridades prisionais. O diplomata venezuelano afirma também ter vários problemas de saúde, que podem piorar e colocar a sua vida em risco se essas violações dos direitos humanos persistirem.

Mas estas violações não se limitam à detenção arbitrária e à tortura sofrida pelo agente do Governo Bolivariano da Venezuela, Alex Saab, no contexto da perseguição política. Também se estendem aos direitos e garantias processuais mínimos necessários para um julgamento justo em Cabo Verde e nos Estados Unidos. Produz-se assim uma total ausência de defesa, que impede a entrada no país dos advogados da sua defesa internacional (um deles foi deportado 2 vezes num período de 25 horas), a proibição dos seus advogados estrangeiros de entrar na prisão para se encontrarem com o diplomata Saab, a ausência de uma audiência em que possam expressar os seus argumentos contra a extradição, a aceitação da mesma pelo tribunal de primeira instância, através de uma decisão não fundamentada e a impossibilidade de aceder aos documentos da acusação até após a emissão da decisão judicial, restringindo assim o seu direito à igualdade de armas e o princípio do contraditório.

Esta Carta Aberta é feita com todo o respeito pelo poder judicial de Cabo Verde, na esperança de reverter esta situação o mais rápido possível, mas também com a máxima veemência denunciando os responsáveis pela situação precária, injusta e lamentável em que se encontra o agente do Governo Bolivariano da Venezuela, Alex Saab, o qual, além de ser vítima de uma perseguição política evidente, vê os seus direitos de defesa extremamente limitados. 

Por todas estas razões, apelamos às autoridades competentes desta tribuna para que tomem as medidas adequadas e urgentes para eliminar a violação dos direitos fundamentais de Alex Saab e, consequentemente, para pôr fim à sua prisão injusta.

10 de setembro de 2020

 

Organizações e assinantes

Observatório dos Direitos do Homem e dos Povos

Membros do Conselho Consultivo:

Honduras Manuel Zelaya, ex-presidente das Honduras. Argentina Dr. Atilio Borón, sociólogo, cientista político, professor e escritor argentino, Adolfo Pérez Esquivel, Prémio Nobel da Paz, Stella Calloni, Correspondente da Conferência em Buenos Aires; José Ernesto Schulman, presidente da Liga Argentina para os Direitos Humanos, Nora Podestá, Comité de Amizade com o Povo Saharaui, Argentina. Alejandro Rusconi, Secretário de Relações Internacionais Movimento Evita, Rafael Antonio Araya, jornalista e analista internacional. Brasil Maria José Maninha, Presidente da AASAUHARI, Associação de Solidariedade e pela Autodeterminação do Saara Ocidental, Colômbia Camilo González Posso, Presidente do INDEPAZ, Dr. Piedad Esneda Córdoba Ruíz, advogada colombiana e política do Partido Liberal, atuou como senadora da Colômbia, Dr. Mario Hernández Álvarez, Coordenador Doutorado Interfacultades em Saúde Pública, Universidade Nacional da Colômbia; Chile Esteban Silva Cuadra, Presidente Executivo da Fundação Constituinte XXI. Presidente Nacional do Movimento Socialista Allendista do Chile. María Cecilia Bartholin, Directora do AntiMafia Chile. Claudio Rojas, AntiMafia 2000, Chile. Ricardo Klapp, Presidente do Centro Cultural de Direitos Humanos Salvador Allende, Chile, Pedro Saldaño, Director fundador, Mutual Latino-americano de Trabalhadores em Transportes, Chile. José Cerda, Centro Cultural de Direitos Humanos Salvador Allende, Chile, Rodrigo Loyola, Vice-Presidente do Grupo de ex-presos políticos do Chile. Gregorio Mondaca Crestto, porta-voz e coordenador da Rede de Educação e Comunicação Popular Werken Rojo e da Comunidade do Sul. Chile. Alfonso Ossandón Antiquera, Mapuche/Chileno; Apresentador de TV e comunicador social, Comunidade do Sul, Werken Rojo.

Espanha Ana Andrés Ablanedo, Defensora dos Direitos Humanos de Soldepaz Pachakuti, Ricardo Sanchez Andrés, Conselheiro da Associação Catalã para a Paz (ACP) - Membro da Assembleia Internacional dos (Comunistas da Catalunha) e Membro integral do Conselho de Solidariedade da Cidade de Manresa, María Victoria Fernández Molina, Candidata a Doutoramento em Direitos Humanos, Estados Unidos James Patrick Jordan, Coordenador Nacional da Aliança pela Justiça Global e Eduardo García, Activista da Aliança pela Justiça Global e membro do Observatório de Direitos Humanos dos Povos, capítulo dos Estados Unidos, Devora González, membro de SOA Watch - Observatório de Encerramento da Escola das Américas dos Estados Unidos da América; Suíça José Manuel González López e Gerardo Romero Luna da Rede Latino-americana de Zurique, membros do Observatório dos Direitos Humanos dos Povos, capítulo suíço; Venezuela Nieves Hugo Alberto, membro da Comissão Política e Coordenador da Área de Relações Internacionais da Corrente Revolucionária Bolivar e Zamora (CRBZ); José Miguel Gómez García, Movimento Internacional da Economia dos Trabalhadores; Bolívia Rodolfo Machaca Yupanqui Strio. Director da Confederação Única Sindical dos Trabalhadores Camponeses da Bolívia (CSUTCB); Palestina Jamal Juma, Coordenador do STOP The WALL; Guatemala Ana Laura Rojas Padgett, Rede de Integração Orgânica - RIO - em Defesa da Mãe Terra e dos Direitos Humanos; Panamá Ligia Arreaga, membro da Alliance for a Better Darien - AMEDAR; Brasil Gizele Martins do Movimento de Favelas do Rio de Janeiro; Peru Betty Lucano, Coordenadora Geral do Movimento Alfa e Omega; Peru Aída García Naranjo Morales, membro da Comissão Política do Partido Socialista, Peru Humberto Prado Effio, Comissão Política do Movimento Novo Peru, Comissão Política do Movimento Novo Peru, Peru Cinthia Grace Baquerizo Rojas, Movimento Novo, Peru Jans Erik Cavero Cárdenas, Líder da Comissão Política do Partido Socialista do Peru. Lucía Alvites Sosa, Líder do Movimento LA JUNTA, Peru Luis Isarra Delgado, Secretário Geral da FENTAP, Peru. Alberto Quintanilla Chacón, ex-congressista, Peru Armando Pillado Matheu Herrero, Secretariado dos Negócios Estrangeiros do PS, Peru Ana Muñoz Rueda, Secretariado dos Negócios Estrangeiros do PS, Peru Andrés Luna Vargas, ex-senador, Partido Socialista, Peru Hugo Cabieses Cubas, Secretário de Relações Internacionais do Partido Socialista do Peru. Roberto Lay Ruiz, líder amazónico, Peru México Eduardo Correa, Professor Titular da Universidade Autónoma da Cidade do México - UACM, Dr. José Enrique González Ruiz, Professor da Universidade Nacional Autónoma do México - UNAM, Dr. José Rafael Grijalva Eternod, Doutor em Direitos Humanos, Dr. Felix Hoyo Arana, Professor da Universidade Autónoma de Chapingo; Dr. John Mill Ackerman Rose, Daniela González López, Coordenadora Internacional do Observatório dos Direitos Humanos dos Povos, Soledad Ortiz Vásquez, Conselheira Geral do Comité para a Defesa dos Direitos da Mulher - CODEM, Patrocinio Martínez López, Conselheira Geral do Comité para a Defesa dos Direitos da Mulher - CODEM, Claudia Tapia Nolasco, Conselheira Geral do Comité para a Defesa dos Direitos da Mulher - CODEM, Arquitecto José Márquez Pérez, Presidente do Conselho de Defesa e Conservação do Património Cultural e Natural de Oaxaca PRO - OAX, Miguel González Muciño, Director do Centro Cultural Las Jarillas e Arturo Díaz González Emiliano Zapata, Organização Proletária Emiliano Zapata - Frente de Organizações Sociais de Chiapas OPEZ - FOSICH. Rosa María Cabrera Lotfe, Partido da Revolução Democrática do México

Organizações membros:

Observatório de Direitos Humanos dos Povos; Soldepaz - Pachakuti da Espanha; Observatório de Direitos Humanos, capítulo suíço, Rede Latino-Americana de Zurique da Suíça; Observatório de Direitos Humanos, capítulo dos EUA, Aliança para a Justiça Global, SOA Watch - Observatório para o Encerramento da Escola das Américas dos Estados Unidos Corrente Revolucionária Bolivar e Zamora - CRBZ da Venezuela, Movimento Internacional de Economia dos Trabalhadores da Venezuela; Colombianas e Colombianos pela Paz; Comité Permanente pela Defesa dos Direitos Humanos, Observatório de Paz, Direitos Humanos e Direito Internacional Humanitário, Sudoeste da Colômbia Antonieta Mércury; Instituto de Estudos para o Desenvolvimento e a Paz (INDEPAZ) da Colômbia; Rede de Integração Orgânica - Rio - em Defesa da Mãe Terra e dos Direitos Humanos de Guatemala; Confederação Única Sindical dos Trabalhadores Camponeses, Indígenas e Negras (FENOCIN) do Equador; Confederação Única Sindical dos Trabalhadores Camponeses da Bolívia (CSUTCB); Alliance for a Better Darien - AMEDAR do Panamá; Movimento Alfa e Omega do Peru; Movimento de Favelas do Rio Janeiro do Brasil, Campanha Popular Palestina contra o Muro do Apartheid (Stop the Wall) da Palestina, União dos Agricultores Palestinos (Palestinian Farmers Union), Coligação para a Defesa da Terra Palestina; Comité para a Defesa dos Direitos da Mulher (CODEM); Instituto Mexicano de Desenvolvimento Comunitário (IMDEC) Frente Popular em Defesa da Terra em San Salvador Atenco (FPDT-Atenco); Colectivo para a Paz na Colômbia do México (COLPAZ), Centro de Direitos Humanos para Mulheres e Crianças Indígenas (CADHMMI) e Centro Regional de Direitos Humanos Indígenas “Ñuu-Savi” (CERIDH), Colectivo de Melhoramento do Bairro da Cidade do México - Centro Cultural Las Jarillas; Organização Proletária Emiliano Zapata - Frente de Organizações Sociais de Chiapas (OPEZ - FOSICH) e Colectivo Reexistência Criativa de México.

 

[1] Por exemplo, o Primeiro Congresso das Nações Unidas para a Prevenção do Crime e do Tratamento dos Delinquentes, realizado em Genebra em 1955, e aprovado pelo Conselho Económico e Social através das suas Resoluções 663C (XXIV) de 31 de Julho de 1957 e 2076 (LXII) de 13 de Maio de 1977; as quais foram novamente aprovadas na resolução aprovada pela Assembleia Geral em 17 de Dezembro de 2015, que estabeleceu as Regras Mínimas para o Tratamento dos Reclusos (regras Nelson Mandela).

Comentários  

+1 # OVÍDIO 18-09-2020 16:24
Senhor Daniel Carvalho: Não é bom que esteja a implicar com os do Supremo, pois, para além de serem superes, e por isso intocáveis, gozam de prerrogativas que por sinal, o Senhor não não tem.
Trata-se de uma advertência e não de um ato intimidatório, pois sabe-se muito bem de que esses moços são capazes. Cuida-te e evita de entrar na onda de Amadeu Oliveira, que apesar de ter razão em tudo quanto diz, está no plano de aniquilamento.
Embora não esteja só nessas denuncias das imoralidades e ilegalidades dos do supresso e do nosso sistema judiciário em geral, sabe-se que os seus agentes gozam de proteção especial que os permite continuar numa boa, como se fossem efectivamente superes e intocáveis.
Não se deve meter com grupos de indivíduos organizados, mas sem rosto e sem caráter.
Responder
-1 # Alécio Romão 12-10-2020 09:03
NÃO VALE APENAS DENUNCIAR A INJUSTIÇA! HÁ QUE DAR A VIDA PARA COMBATÊ-LA! Não há causa que valha a pena se não estivermos dispostos a dar a vida por ela! Impôr o medo é a arma dos covardes! Como havemos de concordar, legitimar e seguir um governo ou um sistema judicial injusto e arbitrário? Ou morremos como heróis, ou vivemos com medos, quietos e calados, tempo suficiente para nos tornamos COVARDES, acabando por morrer nessa condição!
Responder
+1 # PITABOLA 18-09-2020 03:05
- NADA EXISTE SEM UMA CAUSA

- A situação está tornando-se cada dia mais bicudo ! Isso tendo em conta que estamos perante um governo que não sabe que fazer, ininteligente, incompetente, que não ata e nem desata, manipulado até ao pescoço, que funciona como um transmissor/receptor obsoleto, sem ilhargas, sem staff competente ou preparado na área da Ciência das relações internacionais ( diplomacia ), mas que só sabe estender a mão para pedir ajudas externas as quais, nem sequer, são aplicadas de forma transparente para os benefícios nacionais, senão aos do movimento político no poder !

- Muitos dizem que este caso, em apreço, está denegrindo a imagem de Cabo Verde, no plano internacional, mas eu diria que esta imagem já está embostada, embodegada, pela política errada, desastrosa, dirigida pelo atual Executivo. Para corroborá-lo é só ouvir vozes correntes e autorizadas de fontes dignas de todo o crédito, vindas dos mais diversos setores sociais nacionais e nternacionais.

- Respeitante à posição do mais alto Magistrado da Nação quanto a esta matéria, esquece-se, este, lamentavelmente, só sabe homologar a nomeação dos embaixadores/comissários políticos do mpd.

- Cabo Verde está como um barco de pescas pescando em águas estagnadas, à semelhança das águas das barragens !!!

Obrigado.
Responder
+2 # SÓCRATES DE SANTIAGO 17-09-2020 17:22
Ken ki dá si pedi, tremi si kadera. O Ministério Público de Cabo Verde soltou um grande peido. Agora vamos ver se a bunda aguenta, pois, meus caros, tão estrondoso foi o acto que os Palácios do Plateau e da Várzea estremeceram e ainda estremecem, com fortes probabilidades de se desmoronarem, qual chuva torrencial de setembro levando a ponte da Vila Nova pela Fazenda abaixo.
Responder
+6 # CABRA DI ROTXA 17-09-2020 16:53
Agora o josé terá obrigatoriamente de responder. Tentou fugir desse assunto mas desta vez não tem como.
Foi o mesmo quem disse que não respondia cartas abertas em jornais. Agora foi-lhe endereçado a carta pelos meios a que ele forneceu ao Saab.
Responder
+1 # DANIEL CARVALHO 17-09-2020 10:12
Instado a pronunciar sobre o mesmo assunto, o Primeiro-ministro de Cabo Verde respondeu uma vez aos jornalistas que não reagia a cartas abertas. A posição do presidente da República não se conhece, mas ele considerou-o um assunto "delicado".
Mas pela consideração que estes dois Senhores devem aos Caboverdianos, é minha opinião que devem responder e tornar público as suas posições, ou seja, a posição do Estado de Cabo Verde, pois está claro que não basta dizer que o assunto é exclusivamente de forum judicial,porque todos já percebemos que não é bem assim.
Mas referindo concretamente ao Supremo Tribunal de Justiça,este deve agilizar-se e evitar ao subterfúgio dos prazos legais para adear no tempo uma decisão tão necessária para a nossa própria estabilidade que continua ameaçada pelo menos enquanto durar a indecisão.
Já sei que desculpa terá que ver com uma falsa questão que é a complexidade do processo,o que mesmo que fosse verdade, a decisão tem que ser tomada, no sentido de confirmar ou não a posição do Tribunal de Relação de Barlavento.
É que o nosso Supremo está muito mal habituado em engavetar processos de cidadãos nacionais, causando danos irreparáveis,sem qualquer consequência, até então. Por causa desse mau hábito e da impunidades dos seus Juízes Conselheiros, julga que pode acontecer o mesmo com esse processo do Alex, mas enganam-se. O País tem que resolver o mais rapidamente possível este embaraço em que se meteu.
Responder
+7 # Gonçalo Amarante 17-09-2020 08:49
Cabo Verde, meteu-se numa camisa de 11 varas, como se costuma dizer. Vamos ver o que isto tudo vai dar. Desde da Independência de Cabo Verde, governos anteriores, sempre astutos, desviaram-se ao máximo de problemas e não se meteram em nenhuma confusão, como esta, que tem o Pais e seus cidadãos na boca do Mundo, que de nada abona o nosso prestigio. Manda a consciência dizer que urge falar verdade ao Mundo...
Responder