Pub

 

Com dizia o outro, de facto o rei vai nu. Em 2017, na primeira remodelação governamental, o primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, deu o dito pelo não dito e aumentou o número do seu elenco governamental para 20 – mais 8 elementos acima dos 12 prometidos durante a campanha eleitoral. Nesta mesma operação, demitiu-se das suas funções, entregando os setores estratégicos da governação do país ao Olavo Correia, passando a chamá-lo de vice-primeiro ministro. Como se isso não bastasse, entregou a coordenação política ao Fernando Elísio Freire, que passou a ser chamado ministro do Estado.

Com esta remodelação, Ulisses Correia e Silva esvaziou-se complemente enquanto chefe do Governo, na medida em que ficou sem pasta governamental. Neste momento, o único setor que se pode atribuir ao primeiro ministro é o da descentralização, que é exatamente onde o governo não conseguiu qualquer resultado até este momento. Sim! Porque aqui, a única promessa digna de nota é a regionalização do país, cuja lei, demandando o voto de 2/3 dos deputados, não passou, ficando o nosso primeiro ministro sem qualquer obra da sua alçada pessoal para apresentar.

Neste momento, o país assiste a um fatiotar de fundos públicos junto dos municípios, a que se convencionou chamar de descentralização. O governo transfere os fundos do turismo e do ambiente para os municípios e estes executam obras, numa relação de promiscuidade em que não se consegue perceber quem é o dono dos projetos, das ideias e dos fundos. As obras executadas, ora são dos municípios, ora são do governo, conforme as circunstâncias e as mensagens que, num momento concreto, se deseja fazer passar. 

Cabo Verde está perante um primeiro ministro a fazer de contas que governa. Um homem que não dá cavaco a ninguém, vende tudo aquilo que tem preço, descapitaliza o Estado - os aeroportos do país já estão de malas aviadas para saltar para os privados -, não presta informações ao país, passa a vida se escondendo de todos – dos seus pares, do parlamento, da nação. 

Um primeiro ministro que ao invés de prestar contas na casa do povo – o parlamento – como manda a lei, chama meia dúzia de jornalistas para tentar intoxicar a cabeça das pessoas, como se este país fosse habitado por nabos. Enfim, um primeiro ministro que quer transformar este país num circo. E que aposta tudo no embrutecimento da nação.

Por exemplo, neste momento, Ulisses Correia e Silva decidiu delegar poderes do Ministério da Agricultura e do Ambiente aos municípios onde não existe uma delegação daquele departamento governamental, a saber: Paul, Ribeira Grande de Santiago, São Miguel, Tarrafal de São Nicolau, Mosteiros, São Salvador do Mundo e São Lourenço dos Órgãos. 

Fernando Elísio Freire falou na Televisão de Cabo Verde e disse que esta medida se inscreve na estratégia de governação para a descentralização em curso, no quadro da complementaridade entre o poder local e o poder central, reforçando as competências e os recursos dos municípios para acompanhar e coordenar no terreno as atividades agrárias e da proteção do ambiente.

Dito desta forma, parece bonito. Porém, faltou ao ministro do Estado informar ao país quando é que o governo vai delegar os poderes dos restantes ministérios que não possuem delegações em vários concelhos do país, como os ministérios da Educação, da Saúde, das Infraestruturas e Transportes, do Turismo, só para citar os mais importantes. Quando? 

Faltou ao ministro do Estado informar ao país se, a partir deste momento, vai passar a haver municípios com competências diferenciadas, uma vez que uns terão poderes para coordenar a agricultura e o ambiente e outros não. Passará a haver municípios mais poderosos que outros?

Faltou ao ministro do Estado informar ao país em que escola é que se estuda este modelo de descentralização e de governação, em que uns terão poderes mais que outros, sendo organismos iguais, com as mesmas competências e atribuições, a funcionar no mesmo país e regido pelas mesmas leis. Que escola é esta?

De salientar que os serviços desconcentrados do Estado jamais serão serviços municipais. As autarquias locais se gerem por um estatuto próprio e jamais substituem o poder central. E vice-versa. Assim, faltou ao ministro do Estado informar ao país a que se deve esta salada russa. Porque lá onde não existem serviços desconcentrados, devem ser criados, quando o interesse público e a boa gestão assim recomendar. 

São informações importantes para o esclarecimento do país. Sobretudo para que não se pense que são medidas eleitoralistas, cirurgicamente pensadas no quadro de uma visão mercantilista do processo governativo, onde as ações, os projetos, são utilizados como moeda de troca. Porque tudo é possível num país governado por um primeiro-ministro sem pasta. Brincando de governante!



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+2 # Torres 29-05-2019 13:50
Uma análise muito pertinente! Quem diz que o emprego não do Céu e que não é gestor da TACV, não podia se esperar outra coisa.
Essa de ficar sem pasta é uma estratégia inteligente, para não futuro quando for contraditado sobre a situação, a resposta será , eu não fui o Ministro desse ou daquele Ministério, não tem nada a ver comigo .
Responder
0 # Pina Mendonça 29-05-2019 12:47
Democracia tem valor, senhora Carla Carvalho. Nunca, em Cabo verde, se assistiu tanta liberdade de expressão! As pessoas pensam e falam como bem entendem; mesmo asneiras qualificadas. Temos de reconhecer, senhora colunista, que isso só foi é possível com o governo do MPD. Ai daqueles que tentassem fazer isso nos 15 anos do governo do PAICV! Não tenho memória de um colunista deste tipo no mandato do PAICV. É só recordar que David H.Almada irá morrer sem ocupar um cargo no PAICV pós 91; Aristides Lima,idem; e tantos outros. Em vez de ajudar a Janira Almada, que está com graves problemas dentro do PAICV, por causa da intolerância desse partido, tentam ditruir MPD,o que é impossível antes de 2026.Tomem juízo, colunistas do PAICV. Não vêm que estão a alertar e ajudar o MPD?
Responder
+1 # Atento 28-05-2019 23:29
Primeiro-ministro sem pasta. Brincando de governante!

... Sen djô pa lado.
Responder
-3 # José Gomes Gomes 28-05-2019 19:27
Bá ta papia Meno sta xintado ta sperao
Responder
+2 # Daniel Lobo 28-05-2019 14:04
Poder-se-ia destruir o conteúdo inteiro deste texto, provando-se que quem coordena o vice-primeiro-ministro e o ministro do Estado, é o primeiro-ministro, que também dirige e preside o Conselho de Ministros, órgão onde se aprova todas as decisões do Governo. O resto do texto é fazer política! O que também é legítimo, mas com um interesse localizado.
Responder
+1 # daniel2 29-05-2019 07:56
ph Sr. Daniel Lobo. Você deve estar na brincadeira aliás como estará o [censurado]tivo primeiro-ministro. Entao o trabalho de um chefe do governo é segundo você : Presidir conselho de ministros e "aprovar" decisões de Olavo e Elisio ??? A pergunta obvia qeu se impoe é : para que serve então o primeiro-ministro ? Homenzinho não dá a cara por nada. HOmenzinho não lidera nada. HOmenzinho não tem nenhuma acção real. Mas pronto. Como esse Daniel disse o resto é fazer política. Se um primeiro-ministro não tem que ter nenhuma acção senão "presidir conselho de minstros" .... então está explicado essa estagnação.
Responder
+2 # Carlos Dias 28-05-2019 13:59
Parabéns pelas preocupações ali transcritas.
Não sei até que ponto não vai haver conflitos entre instituições (Camaras x Delegações.
um funcionário da Delegação de Agricultura responde ao Delegado ou ao Presidente da Camara?
Ou será que os técnicos da área vão ser transferidos para essas Camaras.
O mais pratico, Talvez, era acabar com todas as Delegações de Agricultura e passar esses poderes para as CM.
Responder