Pub

banco CV

O sistema financeiro nacional, em particular a banca, continua ainda a padecer de um conjunto de vulnerabilidades susceptíveis de condicionar a robustez das instituições e de induzir à materialização de riscos para a estabilidade financeira.

Segundo o Relatório de Estabilidade Financeira de 2018, divulgada pelo Banco de Cabo Verde (BCV), em termos globais e face a 2017, houve uma ligeira melhoria nos factores de estabilidade relacionada com o ambiente macroeconómico e financeiro, com a situação financeira de empresas particulares e com o sistema de pagamentos.

Em relação aos resultados do ano transacto, observou-se em 2018 um ligeiro agravamento da vulnerabilidade das instituições face à materialização dos riscos.

O documento revela que a manutenção dos níveis de risco relacionados com a gestão das instituições, a estrutura do sistema bancário, o mercado de valores mobiliários e o contágio entre as instituições financeiras registaram também uma ligeira melhoria e que se verificou um aumento da exposição do sistema financeiro nacional a riscos relacionados com a solvabilidade e o desempenho das instituições.

“O sistema financeiro nacional, em particular o bancário, continua ainda a padecer de um conjunto de vulnerabilidades susceptíveis de condicionar a robustez das instituições e de induzir à materialização de riscos para a estabilidade financeira, como sejam o nível de crédito vencido ainda em patamar considerado elevado, a concentração do crédito num número limitado de contrapartes, o considerável nível de stock de bens recebidos em dação e a concentração do funding face aos cinco maiores depositantes”, apontou o relatório.

De acordo com o BCV, os resultados dos “stress tests” confirmam a elevada vulnerabilidade do sistema bancário nacional à materialização do risco de crédito, sobretudo, no que se refere à grande concentração da carteira, num contexto de moderada exposição face ao risco de liquidez e de relativamente baixa exposição do balanço dos bancos aos riscos de taxa de juro e de taxa de câmbio.

O relatório indica ainda que a economia nacional registou um crescimento em volume de 5,1% depois de ter registado, em 2017, um abrandamento de 4,7 para 3,7%, favorecendo a actividade financeira nacional, em particular a bancária, que em 2018 registou um conjunto de desenvolvimentos positivos.

De acordo com o documento, alguns dos domínios do sector bancário obteve desenvolvimento menos favoráveis a nível da desaceleração, pelo segundo ano consecutivo, do crescimento do funding do sistema bancário nacional, reflectindo, sobretudo, o menor ritmo de constituição de depósitos e, em menor medida, a redução do financiamento das actividades bancárias através do recurso a instituições de crédito e a obrigações subordinadas.

“O sistema de pagamentos funcionou de forma contínua e sem interrupções significativas, tendo sido realizados importantes investimentos no sentido do aumento da fiabilidade e da segurança do sistema”, lê-se no documento.

O Relatório de Estabilidade Financeira é uma publicação anual do Banco de Cabo Verde destinada a apresentar os principais resultados das análises sobre o sistema financeiro relativamente ao ano transacto, sobretudo do sector bancário, com especial realce à sua evolução recente, ao seu grau de resiliência face a eventuais choques externos, aos actuais e potenciais riscos que condicionam a estabilidade do sistema financeiro e a sua evolução no curto e médio prazo.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar