Pub
Por: André Monteiro Silva

 André Silva

Tinha lido algures que escrever é entregar-se ao mundo, é revelar-se às pessoas, à sociedade, é deixar uma pilha de pistas sobre o que se ama, o que se pensa e acredita, sobre a vida, a história do mundo, a arte, o amor o sofrimento, a cultura entre tantas outras dimensões.

O livro de poesias “Nostalgia” é isso mesmo, cumpre fielmente esses princípios. Aliás os versos do “Escrever é Fundamental” e do “Coração e Alma” são exemplos inequívocas disso.

Ao longo de todo o livro o lírico exterioriza o seu sentimento afetivo em toda a linha. No poema “Tristeza da Vida” o autor retrata o percurso de vida de um campesino típico da ilha do Fogo, desde sua tenra idade, passando pela adolescência até se tornar num homem adulto, culto e maduro. Por exemplo os versos “Atalaia Zona Sossegada” e “Djon Funandi di Txada Maris” são manifestações de relações afetivas de saudades e de gratidão do poeta com a sua aldeia natal, “S. Filipe Cidade Formosa”, Mosteiros Terra Minha” e “Nostalgia de Um Poeta” é reforço desse mesmo sentimento com a sua ilha enquanto os poemas “Cabo Verde” e “América” dizem respeito ao seu país de origem e de acolhimento.

Nos carmes “Mãe”, “Coração Doce”, “Minha Rosa”, “Em Memória aos meus Pais” e muitos outros, o trovador assevera quão grande é o amor que lhe une à sua família, sem deixar de analisar de forma crítica e objetiva o contraste existente entre as belezas da vida neste mundo ilusório e hipócrita que vivemos.

O Nostalgia, no poema “Liberdade” convida os leitores a uma reflexão sobre tudo que os rodeia, deixando pistas evidentes de como relacionar com o próximo, de como combater a segregação racial, o xenofobismo, o radicalismo e aponta caminhos seguros a seguir.

Este livro faz um autorretrato analítica, histórica e generosa do percurso do poeta e o sonho de ser poeta. Escreve a sua origem, o seu crescimento, as autonomias e descobertas alcançadas, os seus amores e desamores, as suas conquistas.

No poema “Que Fazer? …Oh Meu Deus” o livro apresenta-nos o mundo de forma objetiva, mostrando as ameaças e as consequências que representa o ato humano. Porém deixa uma névoa de esperança a cada um de nós, caso formos consentâneas e ponderadas com as opiniões e decisões emitidas e tomadas.

Este livro apela ainda a reafirmação da fé do homem em Deus, na vida, na liberdade e na comodidade. Melhor na sobrevivência da humanidade.

A leitura do Nostalgia é obrigatória, ela transforma a nossa alma e muda o nosso olhar sobre o mundo.

André Monteiro Silva



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar