Pub

Ao Amigo João Pedro Oliveira (Djopam)

João Cardoso1

I

Na ilha! Alcançaremos sempre «o Hello» das estrelas em cada ponto brilhante que vejo no céu. Há considerações e gestos inócuos de moralidade e nem há viúvez nos dias feriados. Quero que as correntes do mar me levem para uma terra chamada Esperança & Liberdade: a praia das Fontainhas. Lá revejo a cauda de uma estrela acabada de cair e nunca revejo uma estrela «charter». Tudo numa ilha!

II

Ó aldeia herdeira de casas em socalcos e penduradas nas rochas como se elas fossem construídas para serem oferendadas às bonecas onde, não poderão existir nem sonâmbulos nem embriaguez! Porque não se pode fazer coisas erradas. Em Fontainhas os precipícios riem nos olhos e nos lábios carnudos das rochas, nos canaviais a dançarem a contre danse num ritmo frenético e sensual em compasso com vozes nasaladas que ecoam nas rochas coroadas pelas suplicadas nuvens com à gauche et à droit ou vers le cotê gauche ou vers le cotê droit.

III

Ah! Lá se pode morrer nas profundezas das rochas de punhais de pedras que nos abraçam. Ah! Se alguém morrer… Se alguém morrer será embrulhado nos lençóis do vento e almofadas de pedras. Apesar de não reinar o medo da morte lenta. Qual história de Zaratustra que foi colocado na fogueira, porém nada sofreu. Lá do alto das rochas das Fontainhas se pode contar mistérios de Zaratustra que cresceu e sempre se perguntava sobre a origem dos céus, das estrelas e das pessoas. Ali se pode observá-las e agarrá-las com um simples olhar. Todos. Ninguém apedreja a outrem. Não como os judeus da Antioquia e de Icónio que tendo convencido a multidão que apedrejaram a Paulo e o arrastaram para fora da cidade, pensando que estava morto. Ali, esqueço-me de tudo! Aspirinas para a minha loucura. Qual Zeus em terra Olímpica de festas, misturado com o rufar de tambores eirós de festas! Abraçai com beijo na boca e cheira a maresia.

IV

Ó corpo da luz mergulhai nas espumas cristalinas com a ressaca das ondas. Tomai… abre as janelas nas rochas para poderes caminhar livres. E asas para voares nas águas dóceis das Fontainhas com as farturas de balaios de inhames e de molhos de tainhas das caudas cintilantes de prata.



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar