• Praia
  • 29℃ Praia, Cabo Verde
Manual di Mudjer de Princezito é lançado esta sexta-feira na Biblioteca Nacional
Cultura

Manual di Mudjer de Princezito é lançado esta sexta-feira na Biblioteca Nacional

Da autoria de Carlos Alberto de Sousa Mendes, Princezito, Manual di Mudjer é um livro de poemas e finason e será partilhado com o público esta sexta-feira, 6 de março, a partir das 17:30 horas, na Biblioteca Nacional. Estarão a falar do livro e do seu autor, a escritora e professora universitária, Mana Guta, e o professor de Cultura Cabo-verdiana, Eleutério Tavares.

Manual di Mudjer é um livro de Finason, que nos apresenta a fase madura do Poeta Princezito, sobejamente conhecido como músico e autor de Antigu Pensamentu (2015). A obra é uma homenagem à mulher cabo-verdiana, às mulheres de todas as raças, idades e ofícios.

Ao procurar estabelecer um protocolo de leitura, neste texto em que a musicalidade é o fio que costura a poesia, o leitor é surpreendido pela fluidez do ser e do estar artísticos, transmitidos num fazer literário que proporciona diversas nuances de prazer estético.

O leitor vai chorar e essa dor o fará feliz; ora sentirá revolta, ora soltará uma gargalhada sonante… será tomado de um silêncio que ensurdece; será invadido por um simples e desenfreado jogo de palavras… A beleza do som, da cor, dos movimentos, do sabor... uma diversidade de linguagens.

Desde Spiga (2008) já se conhecia oficialmente o autoproclamado Poeta. Mas a obra em referência fecha o ciclo protocolar de que o leitor e o estudioso precisavam para seguir a trilha artística de Carlos Alberto Sousa Mendes, seja pela fruição, seja pela crítica literária.

Manual di Mudjer regista no seu seio a imponência do Belo. E o Belo tem nele, obviamente, o pendor artístico que não se consegue separar do que é bonito, do que é autêntico. E, sobretudo, não se alcança separar tudo isto da grande convocação que o livro faz para a Cultura da Paz, para a obrigatoriedade de se fazer o bem e para o reconhecimento da mulher e do feminino como um igual e justo interlocutor.

O autor faz isso de forma exímia, quando permite que as protagonistas ocupem o lugar da fala. A incrível fruição estética vem do telúrico, o tecido básico para uma tessitura magistral, que convoca o cânone a dialogar com o local global, esteticamente potente, veiculado na língua de berço.

Carlos Alberto Sousa Mendes, Princezito, é um músico, compositor e intérprete cabo-verdiano, nascido em 1971, na Vila do Tarrafal, ilha de Santiago. Escritor e ativista cultural, que interliga todas estas áreas à pesquisa de resistência, preservação e divulgação do património imaterial de Cabo Verde.

A sua postura de intervenção na cultura congrega o registo, a fixação e o recurso à memória e ancestralidade, o que lhe permite aliar o conhecimento, enquanto palestrante e formador, a uma intervenção política para o combate às desigualdades e indícios de neocolonialismo.

Para além de Spiga (2008), Antigu Pensamentu (2015), Manual di Mudjer e várias obras musicais já gravadas, Princezito foi co-autor ou precursor de projetos como Ayan, Festival do Milho, Mano a Mano, Gala Harmonia, Oru Femia e tantos outros.

Suas marcas são o raciocínio rápido, uma invejável capacidade de oratória, fina ironia, o (bom) humor sofisticado. Parece estar destinado a uma procura constante pelo conhecimento formal e ancestral, movido por um inerente senso de justiça e uma alma insatisfeita - não obstante a sua aparência calma e o seu semblante sereno.

Partilhe esta notícia

SOBRE O AUTOR

Redação

    Comentar

    Inicie sessão ou registe-se para comentar.

    Comentários

    • Este artigo ainda não tem comentário. Seja o primeiro a comentar!