Pub
Por: Redação

damião medina

A Procuradoria Geral da República (PGR) acaba de pedir a autorização da Assembleia Nacional (AN) para que o deputado Damião Medina, eleito nas listas do MpD pelo círculo eleitoral de Santo Antão, seja ouvido em tribunal, por alegados crimes de Violência Baseada no Género (VBG). Com a alteração do Regimento da Assembleia Nacional, que obriga o parlamento e levantar automaticamente a imunidade dos parlamentares envolvidos em crime de VBG, o deputado Damião Medina é partir desta data arguido e vai ser interrogado pelo Ministério Público.

Uma carta datada de 18 de novembro, dirigida aos membros da comissão permanente da Assembleia Nacional e assinada pela diretora de gabinete do presidente, informa que a PGR solicitou autorização para o que deputado ventoinha “seja constituído arguido e interrogado, nos autos de instrução nº 123/2018-2019, que correm termo na Procuradoria da República de Porto Novo”.

VBG Damião Medina

O alegado crime de VBG terá sido cometido pelo deputado Damião Medina há sensivelmente dois anos. O caso chegou ao conhecimento das autoridades policiais por meio de uma comunicação das autoridades de saúde na ilha de Santo Antão, que socorreram a pessoa alegadamente violentada pelo referido deputado – no caso a esposa – uma vez que a VBG é crime público e como tal deve ser tratada por todas as instituições.

 



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+3 # faltarra 02-12-2019 11:03
# SÓCRATES DE SANTIAGO 30-11-2019 19:38
O nosso Parlamento tem cada uma...Agora é que são elas, PARLMENTARES SOTADOR DI MUDJER. Damião Medina já deveria estar presente ao Tribunal, motu proprio, sem dar tarbalho ao Parlamento, pois, bater numa mulher, sobretudo, bater nas nossas lindas e batalhadoras crioulas, é como bater numa flor, numa rosa. Isto é um crime, sim, e é muito grave, independentemente do móbil do mesmo. No nosso Parlamento, há um outro SOTADOR DI MUDJER. O nome dele é António Monteiro, curiosamente, Presidente da UCID. Talvez seja por isso que este SOTADOR DI MUDJER tenha votado contra a lei da paridade do género
Responder
+6 # SÓCRATES DE SANTIAGO 30-11-2019 19:38
O nosso Parlamento tem cada uma...Agora é que são elas, PARLMENTARES SOTADOR DI MUDJER. Damião Medina já deveria estar presente ao Tribunal, motu proprio, sem dar tarbalho ao Parlamento, pois, bater numa mulher, sobretudo, bater nas nossas lindas e batalhadoras crioulas, é como bater numa flor, numa rosa. Isto é um crime, sim, e é muito grave, independentemente do móbil do mesmo. No nosso Parlamento, há um outro SOTADOR DI MUDJER. O nome dele é António Monteiro, curiosamente, Presidente da UCID. Talvez seja por isso que este SOTADOR DI MUDJER tenha votado contra a lei da paridade do género.
Responder
+5 # lem ferera 30-11-2019 15:12
Se o de_[censurado]_do cometeu crime de VBG como é que pode estar na Assembleia Nacional a falar e a decidir EM NOME DO POVO?
Responder
-12 # John Miller 30-11-2019 01:21
Em breve serão os do fundo do ambiente. Pena que esse não será por vós anunciado com pompas e circunstâncias. Shame on you STM!
Responder
+3 # Cardoso 01-12-2019 15:29
Patético alegre...
Uma coisa não tem nada ver com a outra
Deixa de partidaritite
Responder
+7 # Romário Cruz 30-11-2019 11:13
Uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa. Cada um paga consoante a sua dívida. Mas percebe-se que o John Miller (nome fictício) é um “batedor” na sua mulher. Infelizmente
Responder
-4 # John Miller 30-11-2019 22:17
Sim ando a bater na tua irmã, daí que sabes ó parvo. Deixa-te de leviandades!
Responder
+4 # Romário Cruz 01-12-2019 22:31
Oh MILLER, de fino só tens o nome britânico mas mesmo assim fictício kkkkk. Felizmente as minhas irmãs não são da tua laia, pois está provado que és um bucal de meia tijela e "batedor" de mulheres mas infelizmente com as mãos kkkk
Responder