Pub
Por: Redacção

Eliseu PN

O Tribunal da Comarca da Praia decretou hoje, como medida de coação, a prisão preventiva do agente da Polícia Nacional, Eliseu Sousa (foto), principal suspeito do homicídio do seu colega de profissão, Hamilton Morais, quando estavam em missão no bairro de Tira-Chapéu, no passado dia 29 de Outubro.

Eliseu Sousa, de 37 anos, e também residente em Tira-Chapéu, foi detido ontem pela Polícia Judiciária, fora de flagrante delito, como o presumível autor material da morte do policial Hamilton Morais. Hoje, sábado, o agente suspeito foi apresentado ao tribunal da Comarca da Praia para legalização, tendo o juiz decretado a sua prisão preventiva. Sousa já está desde a tarde na cadeia central da Praia, em São Martinho.

A decisão do magistrado judicial veio, no fundo, confirmar as informações avançadas pela imprensa sobre um possivel "tiro amigo" na origem da morte de Hamilton e que contrariavam a versão da PN que havia indicado um outro suspeito, conhecido por Jamaica, como o presumível autor do disparo que ceifou a vida de um agente de autoridade. 

A própria PJ haveria de emitir um comunicado a informar que não deteve ninguém e que não havia provas suficientes para colocar o suspeito indicado pela PN na cena do crime ou como autor do disparo, daí ter mandado soltar Jamaica no mesmo dia.

O exame de balística terá sido essencial para desvendar a origem do tiro e levar ao seu autor. As investigações viriam a concluir que quem supostamente atirou foi o agente da PN, Eliseu Sousa, colega de Hamilton, e com quem estava no momento em que o piquete da polícia nacional foi accionada nesse dia para uma missão no bairro de Tira-Chapéu.

Trocas de mensagens mantidas entre Hamilton Morais e um seu familiar, um dia antes e postas a circular na net, mostram que o falecido agente estava preocupado com colegas que estariam a alertar os traficantes em investigação de que a polícia tinha operações em curso para os flagrar. E a missão resultava em nada. Hamilton disse inclusive que já sabia quem era o informante e que iria pegá-lo. A relação entre estas mensagens e o assassinato de Hamilton será um dos objectos de investigação da polícia científica, que terá de provar se uma coisa tem a ver com a outra.



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

-1 # toto 24-11-2019 01:34
Calma ai gente !! Em acções onde a adrenalina esta circular ate' o pulso treme ...
,tmb incriminar outra pessoa pode ser atitude covarde , não necessariamente culposa , deixemos os peritos trabalhar .
Responder
+1 # Terra-terra 23-11-2019 22:48
X-9 na Policia Caboverdiana! Tudo fica facil se o exame de balistica prova que o policial foi o atirador. Pois, se o disparo fosse acidental nao haveria necessidade de tentar incriminar Jamaica. Mas, se o disparo foi ontencional mesmo, que burrice desse policial!...
Responder