Pub

nair semedo

O Ministério Público concluiu a instrução ao caso em que a antiga directora financeira da Comissão Organizadora dos Jogos de Praia, Nair Semedo, é suspeita de desvia mais de três mil contos e acusou a mesma de um crime de peculato (uso de bens públicos em benefício próprio).

Durante a instrução, foram, segundo o MP, recolhidos novos elementos indiciadores da prática de outros ilícitos criminais, não abrangidos na primeira denúncia feita ao Ministério Público.

O Ministério Público proferiu então um despacho de encerramento da instrução em relação aos factos imputados à arguida já constituída, deduzindo acusação e requerendo julgamento da arguida, pela prática, em autoria material, de um crime de peculato.

Em relação aos novos factos apurados, os respectivos autos continuam, disse o MP, em investigação e, por isso, em segredo de justiça.

Nair Semedo foi detida a 03 de Julho deste ano pela Polícia Judiciária, em cumprimento de um mandado do Ministério Público, sob suspeita de crimes de peculato e infidelidade administrativa, supostamente praticados durante a organização do evento.

Esta foi contratada para a função em Dezembro de 2018, foi apresentada ao Tribunal da Comarca da Praia que lhe aplicou a medida de coação de interdição de saída do país.

Os I Jogos Africanos de Praia (COJAP) aconteceram de 14 a 23 de Junho, na ilha do Sal. Tratou-se do maior evento jamais realizado em Cabo Verde, tento trazido para o país, mais concretamente, para a ilha turística, cerca de mil atletas e 500 oficiais, oriundos de 54 países africanos.

Foram realizados sob a égide da Associação de Comité Olímpicos Nacionais Africanos (ACNOA) e contemplaram 11 modalidades ligadas ao mar: atletismo, basquetebol 3×3, andebol de praia, ténis de praia, futebol de praia, remo no mar, futebol freestyle, karaté kata, kitesurf, e natação em águas abertas.

Marrocos foi o grande vencedor desta primeira edição dos Jogos Africanos de Praia, marcados pelo domínio dos países do Magrebe. Ainda assim, Cabo Verde superou os restantes países, ficando na quarta posição no ranking de medalhas, num universo de 43 nações.

Com Inforpress

Ilustração: O País



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # toto 12-10-2019 21:32
Como foi possível ? O dinheiro em cash e' entregue a ela na mão ou conta bancaria ?
Responder
0 # Manuel G Miranda 12-10-2019 18:45
É mesmo dinheiro que nunca acabe.
Mas, assim vai acabar.
Responder