Pub

 Paulo Rocha

O ministro da Administração Interna disse esta segunda-feira, 2 de setembro, que a Polícia Nacional está “muito forte” em matéria de apreensão e recuperação de armas de fogo, destacando a aposta do Governo na luta contra entrada clandestina de munições no país.

“Nós estamos muito fortes em matéria de apreensão e recuperação de armas. Fizemos uma aporta forte no que tem que ver com a entrada clandestina de munições em Cabo Verde, onde deve ser o nosso foco”, reforçou o governante.

Paulo Rocha falava aos jornalistas, na cidade da Praia, após o acto de posse dos novos directores nacionais adjuntos da Polícia Nacional (PN), do director do Centro Nacional de Formação, do director de Operações e Comunicações, do comandante da Guarda Fiscal, do comandante Regional da Praia, do director do Serviço Social e do comandante Regional do Sal, todos recém-nomeados, conforme o despacho do Boletim Oficial Nº 120/2019, II Série, de 28 de Agosto.

O ministro referiu-se ainda à aquisição de ‘scanner’ para pequenas encomendas que, segundo afirmou, estão neste momento em fase de instalação tanto na Praia, como em São Vicente, Fogo, Brava, Sal, e Boa Vista, visando um “reforço substancial” das pequenas encomendas que “trazem, de forma dissimulada, munições”.

Por outro lado, acrescentou, reforçou-se as acções no terreno, objectivando a apreensão de armas que circulam.

“Todos os dias a Polícia Nacional faz apreensões”, prosseguiu Paulo Rocha, revelando que “houve uma redução substancial de ocorrências envolvendo jovens nas vias públicas” e “quase já não se ouve fala” de ocorrências com armas de fabrico artesanal.

“Isso significa acção, acção e mais acção da Polícia Nacional”, reforçou Paulo Rocha, para quem “os casos vão existir sempre”, particularmente durante o Verão que é a época em que há “muitas actividades, festas e eventos” e, por conseguinte, “muitas pessoas a circular nas ruas”.

Para isso, afirmou o ministro, a polícia também desenvolve um plano de patrulhamento especial.

“Não quer dizer que nós não o registemos com preocupação. O importante é estarmos cientes e capaz de reagir sempre com mais e melhores condições”, frisou.

Com Inforpress



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Funcionário público 03-09-2019 09:08
Pudera, são da categoria de pessoal da administração pública que tem havido estímulos para no desempenho com promoções e aumentos salariais....
Também lutam para isso com greves e manifestações.
Os outros são bonzinhos.
Responder