Pub

Adilson Delgado 1176x600

Adilson Delgado, avô da pequena Sharon Lopes, a criança falecida na noite desta quinta-feirta, 8, antes de poder ser evacuada a Portugal para tratamento a um cancer no intestino, está revoltado com o sucedido e pede a demissão do ministro da Saúde, Arlindo do Rosário.

Em declarações ao MindelInsite, Delgado apontou o dedo a todos os intervenientes nesse processo de evacuação, que, entretanto, nunca viria a sair após meses de espera até à morte da criança esta quinta-feira, 8.

“Há dois dias apenas que o médico que a acompanhava reuniu-se connosco para nos informar que, logo que operou Sharon, soube que era um caso grave e que a minha neta precisaria de tratamento imediato. Se nos tivesse avisado que a espera para a evacuação seria demorada, e que minha neta não teria condições para aguardar, eu teria procurado outros meios no Senegal, na Espanha ou noutro lugar“, disse Adilson Delgado ao MindelInsite.

Segundo este diário digital, sedeado no Mindelo, por causa disso, Delgado culpa a todos: o hospital e o Governo, este por causa dos acordos de parceria que Cabo Verde deixou de estabelecer com outros países, para que os doentes tivessem outras possibilidades de tratamento e evacuação. Daí exigir a demissão do ministro Arlindo do Rosário. “Se fosse filha de um ministrio já estava em tratamento”, observa, sublinhando que “cada ministro faz o seu papel. Se conseguem apoios para construção de campos desportivos porque é que o Ministério da Saúde não consegue alargar o acordo com outros países como o Senegal, aqui perto, ou França?…”

Adilson Delgado mostra-se ainda mais revoltado porque teve conhecimento de pacientes na mesma situação de espera que a neta esteve sujeita. Chega mesmo a afirmar convicto de que “se fosse filha de um ministro estaria já em tratamento”.

“Quando Sharon ficou doente, foi-lhe ‘diagnosticada’ apendicite. Depois disseram no hospital que afinal não era apendicite, mas sim anemia. Seguimos todas as recomendações médicas para tratar a anemia, mas ela não continuava bem, até começarem as dores de barriga, quatro meses depois”, contou o avô, segundo o jornal MI, só recentemente foi descoberto um “corpo estranho” no seu intestino. Após uma operação de urgência, foi decidido que a criança deveria ser evacuada para tratamento no exterior, esclarece.

Adilson Delgado, escreve o MindelInsite, critica o tempo de espera que alguns pacientes estão sujeitas no país, enquanto outros, com níveis de urgência questionáveis, encontram prioridades no sistema. “Recentemente soubemos do caso do presidente da Câmara Municipal da Praia que foi alvejado no braço e que de imediato foi evacuado para Portugal. Que operação no braço é mais urgente do que a evacuação de uma criança de quatro anos com câncer?”, questiona, revoltado.



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # SÓCRATES DE SANTIAGO 11-08-2019 19:18
Perante este caso insólito, pergunto por onde anda o SOKOLS 2017. Este é, seguramente, um caso que deveria ser motivo de MANIFESTAÇÕES. Enquanto isso os SOKOLIANOS e MUITOS SÃOVICENTINOS estão ali no FESTIVAL DA BAIA DAS GATAS, comendo, bebendo, dançando, festejando à francesa. Parece até que essas criaturas só SABEM MANIFESTAR CONTRA PRAIA e SANTIAGO.
Responder
-3 # manuel Andrade 10-08-2019 10:25
Este jornal nao merce apoios, nem sequer merece ser lido porque so produz notias falsas ou deturpadas. Aprendam a informar com verdade, que eh o vosso papel. Para veicular mentiras qualquer panfleto serve.
Responder
0 # Curandeiro M. Piorro 09-08-2019 23:16
As minhas condolências à família enlutada.
Só um esclarecimento para evitar equívocos: O Presidente da Câmara Municipal da Praia, Dr. Óscar Santos não foi evacuado, mas sim foi operado no HAN onde esteve internado durante 10 dias. Teve alta e está em Cabo Verde. É fake neus que lançaram sobre evacuação.
Responder
0 # LIDIA BRITO 09-08-2019 20:40
As minhas condolências à família enlutada. Uma forma de expressar a nossa solidariedade e sobretudo mostrar que ninguém está imune: a organização de uma “Marche blanche”. As Caminhadas Brancas (“Marche Blanche” em francês) são organizadas quando crianças ou pessoas indefesas foram vítimas de fatos graves e onde o Estado falhou por não ter tomado as devidas medidas para salvar a vida ou proteger o cidadão. É um movimento exclusivamente da sociedade civil. As populações saem pelas ruas para expressar a sua solidariedade para com as famílias e exigir do Estado “soluções rápidas”, mas sobretudo par que "nunca mais" o fato acontece de novo no país. Nas outras partes do país, o movimento de solidariedade pode se manifestar como t-shirts ou braçadeiras brancas.
Responder
+1 # pina 09-08-2019 19:34
primeiro os médicos portugueses estão fatos disto.premeira pergunta por o vosso país não investe na saúde.nao á time .certo para evacuações o sistema de saúde enrola o doente enrola enrola depois quando você tá perto de morrer acontece evacuação. o fim praticamente esses doentes motor parte morre sem família numa espelunca qualquer em Portugal outros são enterrados em qualquer lado.o povo caboverdino .tem de exigegir dos governantes saúde um bem mais preciso do homem .estamos apassos de tartaruga e o pó não merece políticos qui não sai saude
Responder
0 # Nilton Carvalho 10-08-2019 07:47
As pessoas tem que começar a mudar de mentalidade, em cabo verde gasta-se muito dinheiro com festas, e para isso o processo é rápido o dinheiro é desbloqueado facilmente e o povo gosta e ninguém reclama, portanto o problema está aos olhos de todos, é passamos a ter menos festas que tudo se resolve, porque o dinheiro que é gasto todos os anos em cabo verde, com festas, se fosse uma investido em saúde, nada disso aconteceria, ninguém estaria a espera tanto tempo para ser tratado.
Responder
0 # Manuel Miranda 09-08-2019 19:09
O Povo é quem mais ordena. O caminho está para frente. Quem avisa, amigo é. Se continuamos tāo pacientes com este sistema, vamos pedir seguramente , hó Deus nos acuda. Basta! Como dizia o Dr. Renato Cardoso, tud cimbron ten direitu a sé gota d'agu. Aquí se faz, aquí se paga.
Responder
0 # Jocas 09-08-2019 18:06
Sr Alci do. O sr tem que ter cartao verde senão vai ficar a ver navios.
Conheco pessoas com 60, 90, 120, 180 e mais dias de espera. O sistema é esperar e ver se a morte resolve o problema. E assim vamos no reino dos homens que dao prioridade ao dinheiro.... Viva Ulisses Banana e viva Olavo Leite.....
Responder
0 # Lita 09-08-2019 17:28
Triste pa quel situação li mas ca nu fla cusa qui ni ca tem certeza presidente com ca bai num cau sta li na Prai
Responder
+1 # alcidia 09-08-2019 17:27
Até chegarem ao diagnóstico do doente, já complicarem mais ainda.
Primeiro apendicite, depois anemia, sim, um doente com câncer tem anemia, ainda bem que não foi submetida a uma scirurgia por conta do engano do apendicite.
Responder