Pub

guine eleições

A missão de observação eleitoral (MOE) da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) às eleições presidenciais na Guiné-Bissau, marcadas para o próximo domingo, já está no país e é composta por 23 elementos, divulgou hoje a organização.

A informação consta de um comunicado publicado no ‘site’ oficial da CPLP, que avança que a missão permanecerá no terreno até 26 de Novembro.

“A MOE-CPLP é chefiada por Oldemiro Balói, ex-ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação da República de Moçambique, e é constituída, à data, por 23 observadores, designados pelos Estados-Membros, pela Assembleia Parlamentar e funcionários do secretariado-executivo da CPLP”, afirma a organização em comunicado.

Dos observadores, oito são designados pela Assembleia Parlamentar da CPLP, três são funcionários do secretariado-executivo e os restantes apontados pelos Estados-membros, esclareceu à Lusa fonte oficial da organização.

“A MOE-CPLP vai acompanhar o encerramento da campanha eleitoral, o dia da eleição e o apuramento parcial de resultados, prevendo-se a permanência na capital, Bissau, e o desdobramento em equipas enviadas para outras regiões”, adianta o comunicado.

De acordo com a mesma nota, antes do dia das eleições, a missão de observadores da CPLP deve “encontrar-se com autoridades guineenses, com a Comissão Nacional de Eleições, com os representantes diplomáticos dos Estados-membros neste país e com outras missões internacionais de observação eleitoral”.

O ex-ministro dos Negócios Estrangeiros moçambicano Oldemiro Balói, que vai liderar a missão de observadores da CPLP às eleições presidenciais na Guiné-Bissau, tal como a Lusa já tinha noticiado em Outubro, só deverá chegar hoje a Bissau, adiantou ainda fonte oficial.

Às eleições presidenciais guineenses de 24 de Novembro concorrem 12 candidatos, incluindo o actual Presidente, José Mário Vaz, e o líder do PAIGC, vencedor das eleições legislativas de Março passado, Domingos Simões Pereira.

A campanha termina na sexta-feira, 22 de Novembro. Caso seja necessária uma segunda volta, esta terá lugar a 29 de Dezembro.

Com Lusa



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentar