Pub
Por: Carlos Santos**

carlos santos12

Que os cidadãos critiquem o desempenho dos jornalistas até se compreende, aliás, nunca a profissão de jornalista esteve tão escrutinada como hoje; que os políticos assestem baterias contra os jornalistas e a comunicação social, também se compreende (aliás já estamos habituados e, no fundo, estão a fazer o jogo deles), embora em muitos casos as críticas, infundadas, devam ser rechaçadas, sobretudo quando não visam defender o interesse público e encerram laivos do controlo da liberdade de informação e de cerceamento da liberdade de imprensa...

Agora, uma coisa completamente diferente, é quando há jornalistas, quais snipers, estrategicamente colocados para abater os seus colegas, só porque estes se permitiram exercer a sua liberdade de expressão, participando num espaço mediático de comentários dos assuntos de actualidade... isto é, a todos os títulos, inaceitável. Este tipo de posturas diz muito da nossa classe, infelizmente.

Por que é que um jornalista não há-de de comentar, opinar, analisar assuntos de interesse público? Desde que esse conteúdo ou essa prestação pessoal seja devidamente sinalizado como tal, como opinião, comentário, etc... que não haja confusões entre factos (sempre sagrados) e opiniões (livres), sinceramente não vejo que se possa trazer à colação questões éticas e deontológicas ou de conduta do jornalista.

É por isso que muita gente neste país acha que o papel do jornalista é de um "mosso ou menina de recados"... que se limita a registar as declarações, as afirmações, as opiniões dos outros actores, sobretudo dos políticos, para depois ir transmitir ipsis verbis... sem contextualização, sem interpretação, qual correia de transmissão.

Dá-me a impressão que muita gente anda fechada na crosta da ilha, cega e surda à realidade mediática nesta aldeia global. Basta ligar a SIC Noticias; a RTP, a TVI24, a CNN, a TV5, a BBC- News, só para citar estas, para se ver a quantidade de jornalistas que passa pelos espaços informativos desses órgãos de CS para, justamente, comentar os assuntos de actualidade. Aliás, pela natureza da sua profissão, os jornalistas estão muito bem colocados para exercer as funções de comentador, por várias razões: estão mais bem informados (ou devem estar) sobre os temas e os assuntos que fazem a actualidade mediática; contactam várias fontes sobre um determinado assunto, coligindo vários pontos de vista; não estão atrelados a interesses de nenhuma ordem, quer seja económica, politica, cultura, religiosa, etc., estando a sua actuação escorada em princípios e valores como a independência, a objectividade, a imparcialidade, o rigor e a honestidade intelectual. A tendência do jornalista é, mesmo quando emite a sua opinião ou comenta um determinado assunto, não se apartar dos factos e nem os fabricar para poder encaixar a sua análise.

Infelizmente, há gente, quando colocada em postos ou no exercício de funções de gestão editorial de órgãos de CS se comporta não como “cão de guarda” da democracia, dos cidadãos, mas sim de interesses dos patrões, dos governos e dos políticos… em vez de, através do exercício das suas funções, contribuir para alargar a liberdade de imprensa e de informação, a sua actuação vai no sentido contrário… essas pessoas são sempre “mais papistas que o papa”. É pena!

Artigo publicado pelo autor no facebook

* Título da responsabilidade da redação

** Jornalista e Presidente da AJOC



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # Aurélio Barbosa 02-02-2020 19:06
Basta abrir esses canais que referiu e outros de CS que para ver a qualidade de jornalistas que há por aquelas bandas...ha uma diferença de anos luz...se é pelos motivos que referiu, dou benefício de duvida.
Responder