Pub
Por: José Luis Neves
jose luis neves
 
“Hão de concordar comigo que o desafio é hercúleo e que as próximas eleições autárquicas, por serem as primeiras do próximo ciclo eleitoral, devem ser rigorosamente preparadas, porque o desempenho do PAICV nessas eleições, ditará em boa medida o seu desempenho nas eleições subsequentes. Hão de concordar comigo ainda , que o partido pode já estar bastante atrasado na sua preparação e, eventualmente, com prioridades trocadas”.
 
Em 2020, daqui a menos de um ano, realizar-se-ao as eleições autárquicas, as primeiras do próximo ciclo eleitoral. Estas eleições serão uma espécie 1ª volta de um “jogo”, que se o partido não ganhar, terá pelo menos de fazer um bom resultado, o que significa empatar ou perder por pouco, para que possa aumentar as suas chances de virar o “jogo” na 2ª mão (lê-se legislativas). Mas, se deixar sofrer uma nova “goleada”, como a que sofreu em 2016, quando ficou reduzido a apenas 2 municípios, num universo de 22, será muito difícil, para não dizer quase impossível, virar o resultado na 2ª mão, embora na política nada seja impossível e “até ao lavar dos cestos é vindima”.
 
Hão de concordar comigo que as próximas eleições autárquicas, por serem as primeiras do próximo ciclo eleitoral, devem ser rigorosamente preparadas, porque o desempenho do PAICV nessas eleições, ditará em boa medida o seu desempenho nas eleições subsequentes. Hão de concordar comigo ainda , que o partido pode já estar bastante atrasado na sua preparação, agravado pelo facto de que, provavelmente, até Março de 2020, estará concentrado em disputas internas e no seu rescaldo, para além de estar a dar sinais de estar com prioridades trocadas, isto é, mais preocupado com “jogo” que tem depois (legislativas), antes de preparar muito bem, jogar e ganhar o próximo “jogo” (autárquicas).
 
Para o PAICV, a matemática das próximas autárquicas é mais ou menos a seguinte: se vencer entre 03 a 07 câmaras, supera-se a si mesmo e aos resultados que obteve em 2016. Se ganhar 08 câmaras repõe o número de câmaras que tinha conquistado há 08 anos atrás, em 2012. Se ganhar mais do que 08 câmaras, fará crescer quantitativamente o partido a nível do Poder Local, 08 anos depois. Para ganhar as eleições autárquicas terá não só, de quantitativamente ganhar um número relevante de câmaras (não necessariamente mais câmaras que o adversário), mas recuperar alguns municípios fortes e estratégicos do ponto de vista político eleitoral, como Praia, São Vicente, Santa Catarina de Santiago, Sal e São Filipe do Fogo, um desafio hercúleo, diga-se de passagem, mas mais ou menos a façanha que o Partido protagonizou nas autárquicas de 2000, quando, sob a liderança de Pedro Pires, o PAICV com José Maria Neves recuperou o Município de Santa Catarina de Santiago, com Felisberto Vieira recuperou o da Praia e com Orlando Sanches, o de Santa Cruz, outrora bastiões do MPD.
 
Os Estatutos do PAICV regulam que “compete à Comissão Política Regional propor à Comissão Política Nacional as candidaturas ao cargos de Presidentes de Câmara e de Assembleias Municipais e aprovar os demais integrantes das listas de candidaturas aos órgãos das autarquias locais, sob proposta dos Conselhos de Sector ou Grupos de Base” (Artigo 70º, na alínea d) . E “sempre que houver mais do que um candidato a disputar a indicação do Partido para o cargo electivo de Presidente da Câmara Municipal, poderá a Comissão Política Nacional, ouvidos o Conselho de Sector ou a Comissão Política Regional, aprovar a realização de eleições primárias para a escolha dos candidatos do Partido a essas eleições, devendo estabelecer desde logo o calendário eleitoral respectivo” (Artigo 28º, nº1).
 
O grande desafio do PAICV reside pois em disputar e ganhar as próximas eleições autárquicas num contexto altamente adverso, que é o de virar um resultado extremamente desfavorável (de 20 a 02) e ante um adversário (MPD) que já deu provas de ser muito aguerrido e competitivo nessas disputas, mesmo quando confrontados com os piores prognósticos (sondagens) antes do “jogo”. Não é por acaso que o PAICV sempre enfrentou enormes dificuldades na eleições autárquicas, mesmo no período que conquistou três maiorias absolutas consecutivas nas legislativas e esteve 15 anos (2001 - 2015) a liderar o Poder Executivo em Cabo Verde. Embora se deva realçar o facto de até 2016, nunca ter deixado escapar para o adversário os municípios da emblemática Ilha do Vulcão e de, nesse período, ter gerado outras dinâmicas a nível do poder local, com a conquista dos municípios do Paúl e de Porto Novo, da outrora impenetrável Ilha das Montanhas.
 
Daí que, preparar a tempo e horas e com muito rigor essas eleições, escolher os melhores candidatos, com critérios objectivos e sem preferências pessoais ou de grupos, abrir-se a personalidades e candidaturas de independentes, construir as melhores equipas, ter agenda e propostas alternativas para a governação local e cumprir escrupulosamente o que reza os Estatutos, nomeadamente o respeito pelo papel das Estruturas Regionais e Locais do Partido no processo de escolha dos candidatos autárquicos de modo a evitar conflitos e divisões profundas a nível local, como aconteceu nas autárquicas de 2016, afiguram-se como prioritários e estratégicos do ponto de vista político-eleitoral para o PAICV.
 
* Artigo originalmente publicado pelo autor na sua página no facebook


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

+1 # Amandio Teixeira 05-11-2019 14:37
Interessante! Há aqui uns dias, todos no Paicv, por causa das manifestações e greves, achavam que é fácil bater Ulisses e o MpD. Houve até um Neves, que, a partir de Mindelo, mandou recado dizendo que o MpD tem medo da JHA. A conversa, de tão louca, só serviu para os mais fanáticos bater palmas. Agora, aqui, um outro Neves (sempre um Neves a atrapalhar o Paicv), a dizer que o desafio é, imagine-se digno da força de Hercules (gigante da mitologia grega). Também, pudera. O Paicv precisa de passar de duas para 11 câmaras para cantar vitória. Precisa de mais de uma dezena e meia de de[censurado]dos para passar de derrotado para vitorioso. Só que no Paicv, a governação, as eleições, o Poder é tudo conversa de taberna e de ... futebol, traição, luxo, dinheiro, ratos, coelhos e outros e animais e bla-bla-bla. Ninguém no Paicv fala e discute uma estratégia de governação municipal ou central (ou porque não sabem, ou porque não se importam). No Paicv, basta uma boa gritaria da JHA e prontos. A mulher tem de baixar os níveis civilidade para manter a tropa unida. É o caos total! As "claques" estão felizes, então os jogadores e equipa técnica também. Afinal, no Paicv, a equipa que perde...não muda.
Responder