Pub
Por: Carlos Fortes Lopes

 Carlos F. Lopes

Cabo Verde-Santiago está em apuros com a atuação precoce e desleal da corporação policial. Muitas vozes já consideram essa ilha como ilha Narco. Outros até vão mais longe, incriminando, publicamente, os governantes, seus condiscípulos e policiais, sugerindo que esses também estão envolvidos na proteção dos traficantes. Uma situação gravíssima para o resto do país que já começa a sentir esse efeito negativo. Chegou-se ao ponto em que ninguém se sente seguro na sua própria casa e as casas parecem prisões autênticas com grades por todos os lados e a maioria não aventura nas ruas após o pôr do Sol.

Triste situação para um país como o nosso que pretende aumentar a fasquia turística nacional.

Mas, voltando ao assunto referente à corporação policial, a maioria das populações já perderam a total confiança nessa corporação que devia estar a proteger o povo. Aliás, por várias vezes já sugeri que se extinguisse a corporação militar e aumentar o número de agentes da polícia Nacional, Judiciária e da Guarda Costeira com esses militares que só estão estrangulando os cofres do Estado.

Com base em informações em torno das actividades de alguns membros das polícias nacional e Judiciária, conclui-se que algo estranho está acontecendo. Basta ver os carros e vivendas de certos agentes para se indagar de onde vem tanto dinheiro.

Há também que analisar as mensagens entre o malogrado Hamilton e seu primo, dois dias antes da sua morte. Tudo indica que ele foi silenciado.

Ao analisar-se a actuação dos chefes da corporação, após o desaparecimento físico do Hamilton, verifica-se uma tentativa desesperada de se encobrir um acto de linchamento de um colega de profissão para o silenciar. Triste sina do cabo-verdiano residente na ilha.

Sobre a realidade devastadora da perda de confiança do povo perante a corporação da polícia nacional o que se há de fazer?

Se os chefes das corporações tentam encobrir crimes dentro das suas corporações, com será que o povo há de respeitar os mesmos. Cabo Verde precisa de uma revisão completa do sistema policial e se o Ministro não está ao nível da função de reformador deve pedir a sua demissão e dar lugar para alguém com gabarito profissional para fazer a limpeza e recruta de novos elementos.

Pois, caso o Ministro não se demitir agora, o Primeiro Ministro terá que o demitir.

O homem é tao incompetente e arrogante que tem a coragem de ir ao parlamento dizer que os crimes têm vindo a diminuir em Cabo Verde, quando quase todos os dias uma pessoa é morta ou violentada no país.

Com esta taxa de mortes diários ou semanais, num país tao pequeno como Cabo Verde, morte de dois policiais numa única semana é caso para perguntar se o Governo está realmente a trabalhar para proteger o bem-estar da nação e o povo eleitor.

Ora, no caso da morte do agente de autoridade Hamilton, se na verdade se tratou de um acidente porque razão o acusado não informou os seus superiores de imediato e prosseguiu com a invasão ilegal da casa de um inocente, com o apoio de outros colegas, para tentar culpar o inocente do crime? E para colmatar o erro profissional e crime de homicídio aparece o comandante a declarar que se tratou de um acidente, sem sequer aceitar que cometeram outros crimes como a violação da privacidade habitacional do cidadão numa tentativa desastrosa de incriminar um inocente.

Num país sério e realmente democrático o Ministro e o Comandante teriam que sofrer alguma pena. Demissão dos dois seria o resultado satisfatório para o povo, cada um num contexto diferente. Ambos faltaram a verdade perante o povo eleitor.

Ora, para terminar esta nota, convém salientar, uma vez mais, a medida de coação (prisão preventiva) aplicada ao homicida demonstra claramente que se tratou de um homicídio voluntário na forma consumada.

Com os dados recolhidos verifica-se que se trata de um crime premeditado e que conta com o aval positivo de alguns superiores do suspeito policial.

A Voz do Povo Sofredor

 



APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

A crise na imprensa mundial, com vários jornais a fechar as portas, tem um denominador comum: recursos financeiros. Ora, a produção jornalística, através de pesquisas, entrevistas, edição, recolha de imagens etc. Tem os seus custos. Enquanto está a ler e a ser informado, uma equipa trabalha incessantemente para levar a si a melhor informação, fruto de investigação apurada no estrito respeito pela ética e deontologia jornalisticas que caracterizam a imprensa privada, sobretudo.

Neste momento em que a informação factual é uma necessidade, acreditamos que cada um de nós merece acesso a matérias precisas e de interesse nacional. A nossa independência editorial significa que estabelecemos a nossa própria agenda e damos nossas próprias opiniões. O jornalismo do Santiago Magazine está livre de preconceitos comerciais e políticos e não é influenciado por proprietários ou accionistas ricos. Isso significa que podemos dar voz àqueles menos ouvidos, explorar onde os outros se afastam e desafiar rigorosamente aqueles que estão no poder.

Portanto, se quiser ajudar este site a manter-se de pé e fornecer-lhe a informação que precisa, já sabe que toda contribuição do leitor, grande ou pequena, é tão valiosa. Apoie o Santiago Magazine, da maneira que quiser, podendo ser através da conta nº 6193834.10.1 - IBAN CV64 000400000619383410103 – SWIFT: CANBCVCV - Correspondente: TOTAPTPL - Banco Caboverdeano de Negócios - BCN, ou por meio deste dispositivo do PayPal.


APOIE SANTIAGO MAGAZINE. APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Comentários  

0 # lem ferera 02-12-2019 19:53
menistro da administração interna hoje fez papel de Comandante Geral da Polícia Nacional, ao apresentar balanço das apreensões policiais no fim de semana na ilha de Santiago. Mas quando ela deve aparecer ele nao aparece.
Responder
0 # Chiku 02-12-2019 15:46
Só pode ser ideia dum gajo cuja mente/cérebro já deu fortes sinais de atrofia. Nem sabe o que significa Forças Armadas. Com toda a criminalidade organizada que existe, o país ainda está de pé porque têm um pilar que é muito respeitado pelos criminosos que são as Forças Armadas. Para quem não tem nada que fazer e quer armar-se em sabichão, porque anda a escrever despautérios nos jornais, sim, para esse é normal que, no momento de crise esquizofrênico, acha que se deve extinguir as Forças Armadas.
Responder
0 # FIDEL CASTRO 02-12-2019 09:15
Santiago, uma ilha narco? É estranho que o colunista diga isso, quando se sabe perfeitamente que o problema de narcóticos tem ramificações a nível nacional, sendo por exemplo, São Vicente a ilha onde foram feitas grandes apreensões de narcóticos nos últimos tempos.

Isto é um problema nacional e internacional e não venhamos cair na tentação de utilizar Santiago como um "bode expiatório" para uma questão que sabemos têm proporções maiores. Quem nos garante que nas restantes ilhas a cor[censurado]ção policial não está tão ou mais "pragada" de outros "entes" ligados a este "ilícito"?
Responder
0 # Carlos Fortes Lopes 02-12-2019 22:04
Sr ou Sra. Fidel Castro. Eu Carlos Lopes, natural da ilha do Sal, pessoa que gosta muito da ilha de Santiago, escrevi destacando os inúmeros casos de homicídios e desaparecimento de pessoas, para chamar a atenção dos governantes e eleitos parlamentares e o presidente da república para a necessidade de procurar solução para esses males sociais. De resto, agradeço a todos os comentaristas, incluindo Sócrates de Santiago pela defesa da honra da ilha onde nasceu ou vive. A minha intenção nunca é de denigrir ou condenar seja la quem for ou ilha. Aliás, se se ler com atenção os meus artigos são geralmente motivados por acontecimentos sociais e inércia da justiça nacional. O Narco é uma realidade nacional e ha que fazer algo para combater a estabilidade desses colaboradores nacionais. Estando a ilha de Santiago nas notícias quase diariamente, por razões já bem conhecida, não poderia deixar de destacar a ilha como uma ilha fortemente Narco. Isso não quer dizer que outras ilhas como a minha querida ilha do Sal e a da Boavista e Maio não estejam infectadas de traficantes de alto nível.
Obrigado a todos pelos comentários. Mas por favor não fiquem apenas por esses comentários. Pronunciem abertamente e sem medo de represálias.
Responder
0 # FIDEL CASTRO 03-12-2019 09:25
Muito bem, meu caro. Gostei muito da tua explanação que segue "pecando" nalgumas questões essenciais, entre as quais, o reconhecimento de que o Narco é um problema nacional, o que sendo assim deveria levar ao articulista a escrever algo numa perpectiva abrangente e nacional, destancando os diversos casos ocorridos nos últimos tempos em todo o país, e não estribando-se únicamente nas notícias, que mais do que informar, o que fazem é criar percepções e fomentar ideias esteriotipadas.
Por isso na minha opinião o articulista tem toda a liberdade de expressar-se e escrever o que lhe der na gana, mas contudo sigo insistindo que é um pouco estranho, tratando-se de um país arquipelágico, onde o contato a nível da passagem de drogas pode ser feito em qualquer ilha, considerar tal ilha magna, como sendo uma narco ilha, ainda mais quando aqui não se produz droga, não há cartéis, ou outro sistema que se enquandra . O que todos sabemos e penso que o articulista é ciente disso é que Cabo Verde, e não Santiago, é considerado, um ponto de passagem na distribuição de drogas para a Europa. Tentar usar Santiago como referência do Narco é um pouco reducionista e convenha comigo, amigo articulista, que não estás contribuindo muito para a resolução desse problema, nesta tua perspectiva.

Passar bem.
Responder
0 # SÓCRATES DE SANTIAGO 01-12-2019 22:38
Ve- se claramente que a intenção do articulista não é falar sobre o tráfico de drogas mas sim dizer mal de Santiago. O Carlitos, especialista em tudo, articulista de meia tigela, só vê a bruxa na loja do vizinho. E A SUA ILHA DO SAL NÃO É UMA ILHA NARCO?!
Responder